Monumental por natureza

Brasília é a materialização de uma aspiração histórica da nação brasileira. Logo após eleito presidente, Juscelino Kubitschek realiza, em 1957, o concurso nacional para o Plano Piloto de Brasília. O vencedor foi o arquiteto e urbanista Lucio Costa, que em conjunto com o também arquiteto e urbanista Oscar Niemeyer, conceberam uma das maiores realizações culturais do século XX. Inaugurada em 21 de abril de 1960, Brasília cumpriu sua missão histórica de promover a integração do território brasileiro e de interiorizar o desenvolvimento. A cidade foi o primeiro conjunto urbano do século XX a ser reconhecida pela UNESCO, em 1987, como Patrimônio Mundial. A principal característica de Brasília é a monumentalidade, determinada por suas quatro escalas: monumental, residencial, bucólica e gregária e por sua arquitetura inovadora.

Hoje com cerca de 2,6 milhões de habitantes, Brasília é uma das maiores metrópoles do Brasil. Além de sediar o Governo Federal é um grande centro prestador de serviços, com acervo arquitetônico, urbanístico e paisagístico de grande beleza e singularidade. É uma cidade-parque, densamente arborizada, emoldurada pelo Lago do Paranoá. Na sua arquitetura inovadora encontram-se palácios, edifícios públicos, pontes, jardins, painéis e esculturas, que reúnem o melhor da arquitetura e da arte brasileira dos anos 50, 60 e 70 nas quais se incluem: a Praça dos Três Poderes, Esplanada dos Ministérios, Palácio do Itamaraty, Palácio da Justiça, Catedral Metropolitana, Teatro, o Museu e a Biblioteca Nacionais; Torre de TV; Memorial JK, Palácio da Alvorada; Catetinho.

» Tesouros brasileiros: os museus em Brasília

Na Praça dos Três Poderes, há esculturas de elevada expressão artística e simbolismo que compõem o cenário da praça. Os Os guerreiros de Bruno Giorgi, também conhecida como Os dois candangos e A justiça de Cheschiatti. Destaque também para os painéis de Athos Bulcão presentes em vários edifícios de destaque como o Teatro Nacional, Congresso Nacional e Palácio do Itamaraty entre outros. O paisagismo de Burle Marx também tem destaque nos jardins do Palácio do Itamaraty (foto), do Setor Militar Urbano e da Super quadra 308 sul. Além do Museu Nacional, que reúne importante acervo de arte moderna, diversas instituições sediadas em Brasília possuem acervos notáveis abertos ao público, como o Congresso Nacional, Palácio do Itamaraty, Banco Central, Caixa Econômica Federal e Centro Cultural do Banco do Brasil.

Brasília é conhecida como a capital do rock, mas o chorinho também tem seu lugar no nacionalmente conhecido Clube do Choro. O cinema brasileiro tem no Festival de Brasília um dos seus principais eventos anuais. Como centro que reúne brasileiros de todas as regiões, o artesanato, a dança e a culinária reúnem influências múltiplas. O Bumba-meu-boi do Seu Teodoro, que se reúne na cidade de Sobradinho, é um exemplo. A Feira da Torre de TV é um local de grande diversidade cultural, seja no artesanato, nos números musicais ou na culinária com a presença de pratos típicos de vários estados brasileiros, de norte a sul.

A cidade de Pirenópolis e o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros são duas excelentes alternativas de turismo, a uma distância média de 150 km de Brasília. O aeroporto internacional Juscelino Kubitschek recebe voos de todas as capitais do Brasil e também voos internacionais das seguintes cidades: Atlanta, Miami, Porto, Lisboa, Lima, Montevidéu e Cidade do Panamá, além dos voos internacionais em conexões com as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. O aeroporto situa-se a 10km do centro da cidade, de fácil acesso por ônibus ou táxi. A acessibilidade por via rodoviária também é fácil, pois de Brasília partem rodovias para as principais cidades e regiões do país.

Monumentos de Brasília

Praça dos Três Poderes
Situada no extremo leste do Eixo Monumental, a Praça dos Três Poderes é um amplo espaço cívico configurado como um triângulo equilátero, em cujos vértices foram implantados os edifícios que representam e abrigam os três poderes da República: Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal. Os demais elementos arquitetônicos da Praça são: Panteão, Casa de Chá, Museu da Cidade, Espaço Lucio Costa, Mastro da Bandeira, organizados em uma composição que mantém liberada a linha do horizonte. As esculturas dispostas sobre a Praça são de autoria de Oscar Niemeyer, Bruno Giorgi, Alfredo Ceschiatti e José Pedrosa.

Foto: Cristiano Mascaro/2006#

Palácio do Planalto (foto)
Limitando lateralmente a Praça dos Três Poderes, o Palácio do Planalto se insere no conjunto de obras de Oscar Niemeyer denominadas Palácios dos Pórticos. O prédio encanta pela beleza das colunas definidas pelo arquiteto como “leves como penas pousando no chão”. O Palácio do Planalto é a sede do Poder Executivo Federal e abriga o Gabinete Presidencial do Brasil. Inaugurado em 21 de abril de 1960, foi o centro das comemorações da inauguração de Brasília e marca a história brasileira por simbolizar a transferência da Capital Federal para o interior do País, promovida no Governo do Presidente Juscelino Kubitschek.

Congresso Nacional
Ponto focal da ligação entre a Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes, o Congresso Nacional representa, com a Torre de TV, os marcos verticais do Eixo Monumental. De autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, sua concepção plástica contrapõe-se à linha horizontal da cidade. Sua verticalidade é marcada pelos dois edifícios administrativos, com 28 pavimentos: um para a Câmara dos Deputados e outro para o Senado Federal, em contraste com a base horizontal com as duas cúpulas, onde se localizam os plenários. É uma composição assimétrica que, nas palavras do arquiteto, constitui, mais do que uma simples questão de engenharia, “uma manifestação do espírito, da imaginação e da poesia”.

Supremo Tribunal Federal
O Supremo Tribunal Federal, edifício de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, está situado na Praça dos Três Poderes, na lateral oposta ao Palácio do Planalto. Seu volume foi implantado com a face de menor dimensão voltada para a Praça. O corpo do edifício, uma caixa retangular de vidro, possui três pavimentos. O Supremo Tribunal Federal é a mais alta instância do Poder Judiciário do Brasil e acumula competências típicas de Suprema Corte e Tribunal Constitucional. A ele compete, precipuamente, a guarda da Constituição Federal.

Eixo Monumental
Um dos elementos definidores da forma do Plano Piloto, o Eixo Monumental é o local onde se acentua a escala monumental proposta  por Lucio Costa no Relatório do Plano Piloto de Brasília. As proporções urbanísticas desta área, evidentes no afastamento entre as edificações e nas dimensões dos logradouros públicos, realçam os conjuntos arquitetônicos, especialmente os de caráter governamental e institucional. Estende-se por  16 Km e é composto por seis vias de tráfego em cada sentido, separadas por um grande canteiro central. Em seu extremo leste está a Praça dos Três Poderes, seguida pela Esplanada dos Ministérios. No seu lado oeste, localiza-se o parque da Torre de TV, seguido pelo Centro de Convenções e pela Praça do Buriti, local da sede do Governo do Distrito Federal. No extremo oeste, situa-se a antiga Rodoferroviária.

Palácio do Itamaraty
O Ministério das Relações Exteriores, criação do arquiteto Oscar Niemeyer e projeto estrutural do engenheiro Joaquim Cardozo, é também conhecido como Palácio dos Arcos e, principalmente, como Palácio do Itamaraty, herdando o nome do seu correspondente no Rio de Janeiro, antiga capital do país. O elemento de transição que o separa do espaço público é um grande espelho d’água, cujo projeto paisagístico de Roberto Burle Marx incorpora tanto espécies exóticas da flora tropical quanto esculturas de mestre brasileiros. As obras de arte integradas à arquitetura são de autoria de Athos Bulcão, Maria Martins, Mary Vieira, Franz Weissmann, Alfredo Volpi, Alfredo Ceschiatti, Victor Brecheret, Sérgio Camargo, Rubem Valentim, Emanuel Araújo e Pedro Correia de Araújo. (Esplanada dos Ministérios - Bloco H. Telefone: (61) 3411-8051)

Ministério da Justiça
O Ministério da Justiça, de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, segue o mesmo partido arquitetônico e a mesma solução estrutural do Palácio do Itamaraty. Da fachada em sequência de arcos interrompidos, em concreto armado, estendem-se calhas na forma de conchas, que vertem água sobre o jardim aquático de espécies exóticas, projeto de Roberto Burle Marx. O volume envidraçado que define a área administrativa está recuado da fachada principal. (Esplanada dos Ministérios, Bloco T, Edifício sede. Telefone: (61) 2025.3587)

 

Foto: Kauso Okubo/2008#

Catedral Nossa Senhora Aparecida
O partido arquitetônico valoriza a forma escultórica dessa obra do arquiteto Oscar Niemeyer, destacando-se no local onde está implantada pela homogeneidade do conjunto dos edifícios dos Ministérios. Esse contraste também pode ser notado na simplicidade da construção e na complexidade da solução estrutural e volumétrica do edifício; uma planta circular de 70 m de diâmetro da qual se elevam 16 pilares, vedados por uma rede de caixilhos que produzem um vitral em seu interior. Assim como em outros edifícios monumentais da cidade, o acesso à Catedral é desvinculado da via pública por uma rampa que atinge o subsolo, onde se desenvolvem as atividades religiosas. Complementam o conjunto, o campanário e o batistério. As obras de arte integrada são de autoria de Marianne Peretti, Athos Bulcão, Alfredo Ceschiatti e Di Cavalcanti. (Esplanada dos Ministérios lote 12).

Teatro Nacional Cláudio Santoro
O Teatro Nacional Cláudio Santoro, de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, destaca-se do conjunto da Esplanada dos Ministérios pela forma piramidal que se contrapõe à forma quadrangular dos Ministérios, compondo com o edifício do Touring Club a ligação entre o eixo administrativo e o setor de diversões. O projeto foi estruturado em três níveis: um direcionado à Plataforma Rodoviária, com uma passarela de ligação que desemboca em um grande foyer/salão de exposições; um segundo nível, que constitui o das salas de espetáculo; e um terceiro, com as funções administrativas. As obras de arte integradas à arquitetura são de autoria de Athos Bulcão, Alfredo Ceschiatti e Mariane Peretti. (Setor Cultural Norte, Via N2).

Foto: Nubia Selen#

Torre de TV (foto)
De autoria de Lucio Costa, a Torre de TV é o elemento mais alto e destacado da paisagem urbana. Constitui um marco visual em relação à cidade como um todo. À época de sua construção, incluía-se entre as edificações mais altas do mundo. Trata-se de uma estrutura metálica, com um mirante a meia altura, sobre uma base de concreto aparente, em forma de prisma de base triangular, de onde é possível ver  toda a cidade Está inserida num parque, projeto original de Roberto Burle Marx, próximo à Rodoviária, no ponto da cota mais alta do Eixo Monumenta. Caracteriza-se como um dos locais de lazer, com maior afluência de público na cidade. (Eixo Monumental).

Memorial JK
Situado próximo ao local onde se realizou a primeira missa de Brasília, o Memorial JK foi projetado e construído para homenagear o fundador da cidade, presidente Juscelino Kubistchek. Possui a forma de uma pirâmide truncada de base retangular, revestida em mármore branco, tendo sua parte superior uma cúpula de concreto aparente. O conjunto se completa com um pedestal de 28 metros de altura, onde está colocada uma estátua de Juscelino. Em seu interior encontram-se a biblioteca, diversos objetos pessoais do ex-presidente e a sua câmara mortuária. (Praça do Cruzeiro - Eixo Monumental Lado Oeste).

Igreja Nossa Senhora de Fátima
Templo católico constituído por uma pequena nave, sacristia e secretaria com planta em forma de ferradura, cujas paredes são revestidas externamente por azulejos de Athos Bulcão. Foi o primeiro templo em alvenaria a ser erguido em Brasília, inaugurado em 28 de junho de 1958, uma obra erguida em apenas cem dias, com o objetivo de pagar uma promessa da primeira-dama Sarah Kubitschek, feita para curar sua filha. A capela foi projetada por Oscar Niemeyer e sua arquitetura faz referência a um chapéu de freiras. É no ponto focal de sua unidade de vizinhança. Ao contrário do sistema de endereçamento da cidade, nomeia sua via como Rua da Igrejinha (Sqs 307 Bloco C – Asa Sul).

Instituto Central de Ciência – ICC
De autoria de Oscar Niemeyer, é o principal prédio acadêmico da Universidade de Brasília – UNB. Conhecido como Minhocão,  é formado por dois blocos unidos por uma área originalmente proposta para abrigar laboratórios, a ser coberta por cúpulas de concreto, que não foram construídas. Sua curvatura define as duas alas – Norte e Sul – com duas entradas principais, onde se destacam grandes rampas curvas em balanço. (Campus Universitário Darcy Ribeiro – Asa Norte).

Parque da Cidade
O Parque da Cidade está situado a oeste da Asa Sul, numa área de 400 hectares. Um anel viário circunda todo o Parque e a grande diversidade de ambientes permite atividades de lazer. As atividades obedecem ao um zoneamento: área administrativa, Pavilhão de Exposições de Brasília, área esportiva, área cultural e área do lago. No projeto original, de autoria de Roberto Burle Marx, previa-se a preservação da vegetação nativa, o cerrado, em determinados locais, criando inclusive zonas para sua proteção. Em outros espaços, optou-se pela utilização de espécies exóticas, objetivando a criação de condições ambientais que possibilitassem a amenização do clima quente e seco da região. Os bares, com cobertura em forma piramidal, são projeto do arquiteto Glauco Campello.

Foto: Cristiano Mascaro/2006#

Palácio da Alvorada (foto)
Situado em local privilegiado à margem do Lago Paranoá, a construção do Palácio da Alvorada é anterior à da própria cidade. Construído para ser a residência oficial do Presidente da República, foi o primeiro palácio de Brasília. A sofisticação, a suntuosidade e a monumentalidade são obtidas pela escala dos espaços internos e externos, mais do que em função do ornamento e das proporções. O grande jardim dianteiro contribui para acentuar a horizontalidade e a monumentalidade da edificação e permite a privacidade e a proteção pela distância, necessária à residência oficial. A área comporta também a pequena capela lateral de forma escultórica. (Via Presidencial, s/nº, Zona Cívico-Administrativa).

Catetinho, primeira residência presidencial
Projetado por Oscar Niemeyer, o Palácio de Tábuas foi a primeira residência presidencial em Brasília, construída em dez dias e inaugurada em novembro de 1956, quando o presidente Juscelino Kubitschek expediu os primeiros atos destinados à construção da futura capital. O nome Catetinho é uma homenagem ao Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, que abrigou durante muitos anos os presidentes brasileiros. Trata-se de uma edificação totalmente despojada, de linhas modernistas puras, com pilotis no térreo e um pavimento superior de planta retangular – onde se situam quatro suítes, dois quartos, uma sala para os atos presidenciais e um pequeno bar, todos com acesso a partir de uma circulação aberta. Aos fundos, um anexo térreo abriga cozinha e quarto de empregada, também em madeira. Está situado próximo a uma fonte alimentada por quatro nascentes de água mineral cristalina, em meio a um ambiente denso de vegetação nativa. (Rodovia Km 0 - BR 040, s/nº, Trevo do Gama).

Foto: Cesar Moura#

Ponte JK (foto)
A ponte tem um total de 1,2 mil metros de comprimento, 24 metros de largura, com duas pistas e três faixas em cada uma, além de duas passarelas laterais para uso de ciclistas e pedestres. Um dos cartões postais da cidade, a Ponte JK foi inaugurada em 15 de dezembro de 2002. Projetada pelo arquiteto Alexandre Chan, a obra recebeu a Medalha Gustav Lindenthal em 2003 da Sociedade dos Engenheiros do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, e foi eleita como a ponte mais bela do mundo. A ponte atravessa o Lago Paranoá e liga o Lago Sul, Paranoá e São Sebastião à parte central do Plano Piloto, através do Eixo Monumental.

Torre Digital
Inaugurada no dia 21 de abril de 2012, em comemoração ao aniversário da cidade, a Torre de TV Digital é a nova atração turística de Brasília. O monumento projetado por Oscar Niemeyer tem 180 metros de altura e pode ser visto de quase todos os pontos da cidade. O resultado é uma proposta inovadora: a flor do cerrado. A base cilíndrica representa o caule da flor, que exibe duas pétalas com cúpulas de vidro. Em uma das pétalas funciona um salão para exposições, onde se encontra uma maquete de Brasília, semelhante à exposta no Espaço Lúcio Costa na Praça dos Três Poderes. Na outra pétala funcionará um bar/café. No 13° andar, no alto da flor, a 110 metros de altura, fica o mirante com vista 360° do skyline da cidade. (Lago Norte).

Patrimônio Imaterial

Brasília, com sua arquitetura monumental e arrojada, também abriga as tradicionais feiras livres espalhadas por muitos espaços públicos da capital e regiões administrativas (antigas cidades satélites). Artesanato, pedras brasileiras e comidas típicas (acarajé, abará, cuscuz de tapioca, vatapá, bobó e bolo de aipim), entre outros produtos, são comercializados na Feira de Artesanato da Torre (Plano Piloto, Eixo Monumental, ao lado da Torre de TV). Na Feira Central de Ceilândia (QNM 02, Ceilândia Centro, Tel.: 61.3372.5512), conhecida como ponto de encontro da população vinda do Nordeste do Brasil, se destacam os pratos regionais (sarapatel, buchada, mocotó e baião de dois) preparados pelas famílias nordestinas que se estabeleceram na capital do país.

Fonte: Ministério da Cultura/Iphan