Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Três estados que serão sedes da Copa do Mundo da FIFA 2014 compõem, ao lado do Espírito Santo, a Região Sudeste brasileira. A gastronomia dos quatro estados incorporou pratos e hábitos de diversas culturas. Pelo interior, a famosa comida tropeira ainda povoa as cozinhas das famílias e restaurantes tradicionais.

Há quem diga que a pizza de São Paulo é melhor do que a verdadeira massa feita na Itália. Exagero? O certo é que a cidade é referência no assunto e atrai milhares de pessoas por conta da fama. A imigração italiana chegou aos quatro estados, mas a maioria escolheu São Paulo como destino. 

A capital paulista também possui a maior colônia japonesa no Brasil e o bairro da Liberdade abriga a maior parte desses imigrantes. Tabules, quibes, esfihas, homus e kaftas chegaram ao Sudeste pelas mãos dos sírio-libaneses. Em Minas, pratos como o feijão tropeiro e o angu são heranças dos bandeirantes. Os viajantes também deixaram suas marcas em São Paulo, principalmente no Vale do Paraíba, onde a comida tropeira é bastante consumida.

Capitais gastronômicas

São Paulo atrai todos os anos quase 12 milhões de visitantes. A maioria corresponde ao turismo de negócios, mas há décadas a capital vem atraindo visitantes por conta da riqueza gastronômica. Eleita a Capital Mundial da Gastronomia, reúne os melhores restaurantes do País. São mais de dez mil opções, que vão desde a cozinha simples até a mais refinada. Tal variedade colocou a cidade no topo da lista de melhores lugares do mundo para se comer.

Em São Paulo, é possível ir a um restaurante japonês, italiano, tailandês, alemão, mexicano, espanhol, português, argentino, turco, grego, coreano, chinês.  As possibilidades são infinitas, fazendo com que o turista aprecie os melhores pratos do mundo numa mesma cidade. Durante o ano todo são realizados festivais dos mais diversos, o que contribui ainda mais para a fama que a capital adquiriu. Chefs renomados são convidados para participar desses eventos, e acabam abrindo ou ampliando seu negócio na cidade.

Mas São Paulo não tem apenas importado sabores e especialistas na alta gastronomia mundial, a cidade também é responsável por lançar nomes reconhecidos internacionalmente.  Citado no Guia Michelin e considerado pela publicação como um dos melhores chefs do mundo, Alex Atala tem levado a gastronomia brasileira para todos os continentes. Helena Rizzo e a rede de restaurantes Fasano são outros nomes destacados pelas grandes publicações internacionais.

Rio de Janeiro e Belo Horizonte integram a lista das cidades famosas também pela alta gastronomia. Da capital fluminense, o nome de maior destaque é o da chef Roberta Sudbrack. Seu restaurante no Rio, ao lado do D.O.M. e do Mani (ambos em São Paulo) integram a lista da revista inglesa Restaurant. Em Belo Horizonte, é importante destacar o chef Ivo Faria, também premiado nacional e internacionalmente.

Delícias de Minas

Constituído em sua maioria por Cerrado (57%), seguido por Mata Atlântica (41%) e Caatinga (2%), o estado de Minas Gerais produz uma série de alimentos típicos da terra. Pão de queijo, polenta, frango com quiabo, leitão à pururuca, tutu à mineira. Impossível listar as delícias que conhecemos da tradicional cozinha mineira. Farta do café da manhã ao jantar, a gastronomia do estado é conhecida em todo o Brasil.

O famoso queijo de Minas é produzido exclusivamente em cinco microrregiões mineiras: Serra da Canastra (Oeste), Araxá e Alto Paranaíba (Triângulo Mineiro), Serro (Centro) e Campos das Vertentes (Sul). Todos os queijos são feitos com os mesmos métodos de produção e ingredientes, mas o solo de cada fazenda dá aos produtos um sabor peculiar.

Outros destaques do Sudeste
Frango assado com farofa
Costela de porco
Frango caipira com quiabo
Quirera ou Canjiquinha mineira
Lombo assado
Feijão tropeiro mineiro
Picadinho com banana da terra
Pastel de feira
Cuscuz Paulista

Moquecas, paella e mexilhões

A moqueca capixaba é talvez o prato mais famoso do litoral do Espírito Santo, mas limitar a gastronomia litorânea do estado a essa delícia é deixar de lado uma infinidade de sabores. O arroz com camarão capixaba também acompanha seu conterrâneo, e assim como ele, é servido em uma imensa panela de barro – herança dos costumes indígenas.  Há uma série de variações do prato, que ganhou ares contemporâneos em vários restaurantes.

Quem visita o litoral do Espírito Santo também vai descobrir a famosa caldeirada de mexilhões, preparada geralmente com vinho branco, azeite e pimenta. E o que dizer do peixe ao molho verde no forno? Feito com ervas e limão, ele é encontrado em todo o litoral. O peixe pode ser anchova, badejo ou cação. 

No Rio de Janeiro, destaque para a paella de frutos do mar. O prato espanhol na versão do litoral fluminense recusa o frango e leva mexilhão, lula, camarões médios e grandes. Outros destaques do Rio de Janeiro são a moqueca de cação com pimentas variadas, o mexilhão ao vinagrete e diversas variações do bacalhau.

Comida de boteco

Preparado com massa que leva farinha de trigo, água, cachaça e sal, o pastel frito é uma comida tipa encontrada em mercados, bares, feiras e ruas de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Belo Horizonte. Os recheios tradicionais de carne e queijo ainda são muito consumidos, mas existem outros que foram incorporados ao longo do tempo. No Brasil, os mais famosos são o de camarão, no Rio de Janeiro, e o de bacalhau encontrado no Mercado Municipal de São Paulo.

Feijoada (foto)

Fim de semana é dia de comer feijoada, o prato mais popular do Brasil. A iguaria leva essencialmente em sua composição carne suína defumada, linguiça e cortes de pé, rabo e orelha de porco. Servida em panela de barro, a delícia tradicional em países de colonização portuguesa acompanha arroz branco, torresmo, farofa, couve, rodelas de laranja e molho de pimenta feito com o caldo do feijão. Para acompanhar, recomenda-se uma “batidinha” de suco de limão, açúcar e cachaça. Mais suave que a caipirinha, costuma servir de aperitivo antes de se comer o prato.

Café

Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo também são famosos pela produção de café. Mas o título de maior produtor do Brasil fica com Minas, que responde por quase a metade da produção nacional. O estado produz em sua maioria cafés especiais, 100% Arábica, cultivados em diferentes terroirs: Sul de Minas, Chapada, Matas e Cerrado. 

Espírito Santo vem logo atrás de Minas, sendo o principal produtor de Conilon, cultivado nas áreas quentes do estado. Tradicional cultivador de café, o estado de São Paulo tem safra exclusiva de Arábica, produzidas nas regiões de Mogiana e no Centro-Oeste Paulista.

Fonte: Ministério do Turismo