A 30 dias da Copa, Aldo Rebelo comenta vários aspectos do Mundial no Bom Dia, Ministro

13/05/2014 - 14:28
Arenas, obras de mobilidade, legados, protestos e segurança foram alguns dos temas abordados no programa desta terça-feira (13.05)

A 30 dias da Copa do Mundo da FIFA 2014, o Ministro do Esporte, Aldo Rebelo, participou do Bom Dia, Ministro desta terça-feira (13.05), respondendo perguntas de rádios de todo o país. Ele comentou vários aspectos do Mundial: os estádios que vão receber os jogos do torneio, os centros de treinamento que serão as “casas” das seleções, as obras de mobilidade e o legado do megaevento. A preparação do país em termos de segurança e possíveis protestos durante a Copa também foram abordados pelo Ministro.

Confira os principais trechos:

Arena Corinthians e região de Itaquera

O estádio há algum tempo foi entregue pela construtora ao Corinthians, dando por terminadas as obras, não só de engenharia civil, mas as obras também ligadas ao acabamento da parte elétrica, hidráulica. E agora apenas estão sendo concluídas as instalações dos assentos para as chamadas arquibancadas temporárias. O entorno eu visitei, talvez seja a obra mais ousada do entorno dos 12 estádios do Brasil. Ou seja, nós temos ali a ligação da Jacu Pêssego com a Radial Leste, que não vai ficar pronta agora, mas pouco depois da Copa. Nós temos aquelas alças que dão acesso ao estádio, que ligam aquelas avenidas ali da região de Itaquera, nós temos ali também uma universidade que já foi concluída e já está funcionando, que é a Fatep, uma escola técnica, ou seja, além do estádio nós temos ali um legado de mobilidade urbana e de educação muito importante para  a cidade de São Paulo, para a Zona Leste, e tenho certeza de que a abertura da Copa vai ser uma grande festa em um estádio considerado um dos dez mais belos do mundo, numa região muito valorizada pelas intervenções do poder público, da prefeitura, do estado e do governo federal.

Entorno do Beira-Rio

Eu visitei várias vezes o estádio do Internacional e vi que nós temos em torno do estádio ainda obras em andamento. Eu tenho conversado com o prefeito, temos enviado ao Rio Grande do Sul o secretário-executivo (do Ministério do Esporte, Luis Fernandes) e há todo um planejamento para que essas obras também sejam resolvidas. Elas precisam ser resolvidas até o primeiro jogo no estádio do Inter, e creio que vão ser resolvidas. Acho que a segurança dos torcedores também vai ser assegurada, a dos convidados. Há jogos muito importantes, tem jogo da Argentina em Porto Alegre, vem muito argentino para ver o jogo, para ficar na cidade. Então é preciso que a gente faça todo o esforço para garantir a segurança das pessoas, dos torcedores.

Aeroporto de Confins

Eu lembro desse aeroporto de Confins(MG) quando era considerado, há alguns anos, uma espécie de aeroporto fantasma. Diziam que tinham feito um elefante branco, que não tinha utilidade, e de fato a capacidade dele era muito superior à demanda da época. Hoje o aeroporto não corresponde mais às necessidades. Como aqui em Brasília: nós tínhamos dois milhões de passageiros por ano em 2003; em 2013, dez anos depois, esse número multiplicou-se para 16 milhões de passageiros. Evidente que a infraestrutura aeroportuária ressentiu-se da ampliação do número de passageiros. As obras foram planejadas, estão sendo executadas. Brasília por exemplo já inaugurou a maior parte e Confins também vai inaugurar.

Não creio que teremos problemas na Copa, porque há uma permuta de passageiros durante a Copa. Muitos passageiros que usam essas infraestrutura no período normal, durante a Copa vai preferir ficar em casa para ver a Copa. Eventos, feiras, congressos, essa viagens, ficarão adiadas para depois da Copa. Além disso, Belo Horizonte tem também uma estrutura urbana importante, obras foram já realizadas. Lembro que quando assumi o Ministério do Esporte, em 2011, a minha primeira viagem foi para Belo Horizonte, para inaugurar uma alça de viadutos, perto do Estádio Magalhães Pinto e da Universidade Federal de Minas Gerais, que recebeu inclusive o nome do saudoso vice-presidente José Alencar. Acho que Belo Horizonte tem um legado muito importante para apresentar na Copa.

Foto: Agência Brasil#

Copa no Paraná

O Paraná e Curitiba vão sediar a Copa pela segunda vez. Em 1950, foi construído o estádio Durival de Brito, que ainda está de pé, e Curitiba realizou os jogos da Copa de 1950, cumpriu um papel importante. O Brasil só não tirou nota 10 naquela Copa porque nós perdemos a final para o Uruguai. A Copa no Paraná já é um sucesso. Eu fiz uma visita e uma palestra para uma associação comercial do Paraná  em Curitiba e todos estão entusiasmadas pelos resultados positivos que a Copa traz, não apenas pela divulgação da imagem, mas pelas oportunidades de negócios também para o estado.

A cidade de Foz do Iguaçu vai receber também uma seleção, é um Centro de Treinamento importante. Foz já é o segundo destino turístico do Brasil, passará a ser ainda mais conhecida e divulgada depois da permanência da seleção da Coreia do Sul em Foz. Acho que todos nós vamos celebrar sim uma bela Copa, com jogos que vão ser realizados na Arena da Baixada, onde tivemos problemas do meio para o fim das obras, mas que foram enfrentados e resolvidos. Vai ser realizado outro evento-teste importante e acho que teremos uma Copa do Mundo à altura da tradição, da grandeza e da vocação do Paraná e da sua querida capital Curitiba.

A Arena da Baixada tinha a obra mais simples, a reforma mais simples, porque não precisava de demolição, era apenas a construção de arquibancadas para completar o anel e fechar o estádio, que já era um estádio moderno, com uma concepção moderna, além de obras complementares para receber centro de mídia e outras exigências para um estádio de Copa, tanto que o Atlético só tomou por empréstimo a metade ou em torno da metade daquilo que foi disponibilizado pelo BNDES. Mas houve no caminho transtornos relacionados com a execução das obras, mas que foram superados. Na última visita que fiz aí, o governador, o prefeito e o próprio Mário Celso Petraglia (presidente do Atlético-PR) deram as indicações de que as obras estão bem encaminhadas, de que o estádio estará pronto. É um belo estádio para receber os jogos e o evento-teste que vai ser realizado agora.

Centro de Treinamento em Aracaju

Aracaju passou por uma dupla seleção. A primeira foi a da FIFA e do COL, que submeteu todas as cidades candidatas a Centro de Treinamento ao crivo e critérios exigidos pela própria FIFA, e Aracaju foi aprovada ao lado de outras oitenta cidades do Brasil. Em segundo lugar, Aracaju passou por uma prova ainda mais difícil: ela foi escolhida por uma das 31 seleções, a 32ª, a brasileira, não podia escolher porque já tinha seu centro de treinos, a Granja Comary.

Aracaju foi escolhida pela seleção da Grécia, preenchendo todos os requisitos e os critérios que as comissões técnicas das seleções exigiam desses centros de treinamentos, então creio que Aracaju já está consagrada como um destino de eventos esportivos importantes, é uma referência para o mundo, porque foi consagrada como Centro de Treinamento de uma das 32 seleções classificadas para a Copa do Mundo.

Eu visitei várias vezes Aracaju, antes mesmo de ela ser escolhida, estive agora recentemente, visitei o estádio Lourival Batista, o Batistão, e acho que a cidade está preparada. As obras estavam em curso, o que era natural, porque precisaria primeiro que fosse aprovada a cidade para que algumas dessas obras fossem realizadas, porque algumas só fariam sentido com a escolha da cidade, e acho que a seleção da Grécia vai conhecer o conforto, a beleza e principalmente o carinho da população de Sergipe e de Aracaju, e acho que a cidade ganhará muito com isso também.

Centros de Treinamento em Vitória

Já visitei mais de uma vez o Espírito Santo, na última vez fui ao estádio da Desportiva Ferroviária e depois fui ao estádio que o governo do estado está construindo que é mais ou menos onde joga também o Rio Branco de Vitória. O estado do Espírito Santo não se prepara só para a Copa, leva em conta também as Olimpíadas. A Copa é para 32 países, para uma modalidade esportiva. A Olimpíada é para mais de 200 países, quase 30 modalidades esportivas e, naturalmente, como Vitória é uma capital com o mesmo clima do Rio, pode ser o destino de muitas seleções na pré-temporada. Acho que a cidade será beneficiada também com o projeto olímpico.

Centros de Treinamento em São Paulo

Eu visitei o Centro de Treinamento onde vai ficar a seleção de Argélia em Sorocaba, creio que a seleção da Argélia vai receber o que há de melhor em Sorocaba, em São Paulo e no Brasil nesse CT. Visitei também os dois CT´s de Itu e todos os outros Centros de Treinamento de São Paulo. Acho que o estado vai receber bem essas seleções, haverá segurança sim, com a Polícia Militar de São Paulo, a Polícia Civil, com apoio das forças armadas, do Centro de Comando e Controle que já está pronto em São Paulo, e acho que as seleções estarão sim protegidas.

Obras de mobilidade urbana

Não eram obras para a Copa, eram obras do PAC. O metrô de Fortaleza estava programado muito antes de se pensar em Copa do Mundo, o VLT de Cuiabá também, a alça de ligação da Jacu Pêssego com a Radial Leste de São Paulo também não era obra para a Copa. Todas elas eram obras já programadas que os governos (federal, dos estados e prefeituras)decidiram incluir em uma Matriz de Responsabilidades para antecipar essas obras para a Copa. Algumas foram antecipadas com êxito e outras não tiveram prazo para conclusão antes da Copa, mas continuarão sendo executadas e serão entregues para a população, porque não faziam parte do caderno de encargos da FIFA, a não ser uma ou outra reforma de aeroporto, uma via de acesso ao setor hoteleiro, mas a imensa maioria eram obras do PAC:  muitas foram entregues, outras serão entregues ainda antes da Copa e as demais serão entregues logo depois da Copa.

Legados da Copa

Nós temos na Copa uma grande oportunidade que, segundo um estudo da Fundação Getúlio Vargas, encomendado pela Ernest Young, uma consultoria americana, pode gerar até 3 milhões e 600 mil empregos no Brasil. Ou seja, isso já seria o suficiente para transformar a Copa num grande benefício para o Brasil, no seu ciclo completo. Um acréscimo de 0.4 % ao ano ao Produto Interno Bruto (PIB), ou seja, à economia do Brasil pelo menos até 2019. Claro que isso aí tem como consequência o aumento da arrecadação de tributos para o país, além das obras de infraestrutura que teremos em todas as 12 cidades-sede: a ampliação dos aeroportos, como agora foi inaugurado em Brasília, e acho que a Copa, além da infraestrutura esportiva, vai também transformar o Brasil num destino de eventos de turismo ainda mais conhecido. 
Eu acho que esses benefícios ficarão também como legado para a população brasileira. Benefícios para a nossa querida Maceió, que vai receber a seleção de Gana - porque não são apenas as cidades-sede, são as cidades também que são centros de treinamento, como temos Maceió, nossa vizinha Aracaju, que vai receber a seleção da Grécia. As seleções que vêm para a Copa no Brasil daqui não levarão nada, até a taça que está sendo disputada também ficará no Brasil, tudo ficará para a população brasileira.

Legado para Manaus

Fizemos uma pesquisa pelo Ministério do Esporte com os jornalistas estrangeiros que vão cobrir a Copa e procuramos saber qual o destino turístico que eles têm mais curiosidade de conhecer. O primeiro foi o Rio de Janeiro, o segundo foi São Paulo e o terceiro foi Manaus. Creio que, por conta disso, Manaus já sediou um congresso internacional de jornalistas, ao qual eu compareci. Manaus já é um destino turístico celebrado e, naturalmente, será mais procurado ainda. Manaus é uma bela cidade, cosmopolita, tem um dos dez mais belos teatros do mundo, o Teatro Amazonas, e agora vai ter também a sua arena. Embora não seja a cidade com o maior legado de mobilidade urbana para a Copa, a presença da Copa em Manaus vai ajudar a cidade e o estado no presente e do futuro.

Legado para Cuiabá

As obras de mobilidade urbana em Cuiabá constituem o maior legado que eu conheço de todas as cidades-sede. Nós descemos no aeroporto Marechal Rondon, em Várzea  Grandes, e nos deslocamos até Cuiabá por uma via que já está aberta, atravessamos o rio Cuiabá, percorremos o corredor Mário Andreazza, que nos conduz até o centro da cidade, o VLT – que não será inaugurado para a Copa – já está com o pátio pronto, os primeiros vagões já entregues, os viadutos para o VLT já foram construídos, então eu acho que Cuiabá vai ter uma parte importante das obras já em uso durante a Copa, e a outra parte creio que será entregue até o fim do ano e por isso quero felicitar a cidade de Cuiabá, o prefeito e o governador, pelo esforço que fizeram para dotar a cidade de infraestrutura para receber a Copa e o estádio que já recebeu dois jogos e estará bonito para o primeiro jogo da Copa.
O Mato Grosso vai ter sempre um time ou dois na Copa do Brasil. Tem também o Luverdense, de Lucas do Rio Verde (MT) participando da série B. E outros jogos também poderão acontecer na Arena. Essa história de elefante branco é de gente que nem sabe localizar Cuiabá no mapa. Acho que vamos ter esse estádio em uso para a população não só para futebol e acho que será, para a cidade, um bem que tem que ser valorizado.

Violência

Os casos de violência no Brasil são conhecidos no Brasil e no mundo. A violência do crime comum, que infelizmente é um grave problema no Brasil, isso é difundido no Brasil e no mundo. No Brasil nós não temos essa violência do crime resultante dos ressentimentos religiosos, do ódio nacional, do ódio étnico. Lembrar que há dois anos aconteceu a Eurocopa na Ucrânia, imagina se essa Eurocopa estivesse acontecendo na Ucrânia nos dias de hoje, com o país mergulhado em guerra civil, em ódios religiosos e ressentimentos nacionais. Nós não temos esse tipo de violência no Brasil, mas temos a violência do dia a dia, do crime comum.

O governo, não apenas o federal, os governos estaduais em conjunto com o governo federal, tomará providências. Foram criados os Centros de Comando e Controle, os equipamentos mais avançados foram adquiridos, esses centros foram instalados, alguns já para a Copa das Confederações. As forças de segurança que participarão da segurança da Copa, como as Forças Armadas, já participaram de eventos como a Rio + 20. Acho que nós teremos sim segurança. Em Londres eles mandaram buscar as tropas no Afeganistão para postar na entrada da vila olímpica. Aqui, como nós não temos tropas estacionadas fora do Brasil a não ser em missão de paz, nós teremos também o apoio das Forças Armadas e das polícias militares, que estão treinadas, preparadas e equipadas para oferecer segurança à população, aos convidados, às delegações, aos jornalistas e aos turistas.

Protestos e segurança

Nós tivemos aqui no Brasil, na Copa das Confederações, manifestações sem precedentes na história do Brasil e que isso não impediu que a Copa das Confederações fosse realizada. Então creio que estamos preparados, que a segurança pública vai funcionar, que a integridade dos torcedores, da população, será assegurada e, portanto, não vejo nenhum risco a partir dessa questão das manifestações.

As forças de segurança, as polícias militar, civil, federal, as Forças Armadas, a Força Nacional têm meios e instrumentos para evitar qualquer tipo de abuso ou violência. Nós temos toda a tranquilidade de que os meios estão disponíveis. Todas as sedes da Copa dispõem dos Centros de Comando e Controle integrados pelas polícias, Forças Armadas, Força Nacional, e não creio que a manifestação em si ponha em risco a Copa. E não creio que o ambiente vá prevalecer com manifestações. Minha expectativa é que, durante a Copa, o ambiente seja de confraternização, de festa, afinal é o evento mais celebrado e mais acompanhado do planeta. Teremos aqui, além de 600 mil turistas estrangeiros, três milhões de turistas brasileiros, mais de 18 mil jornalistas credenciados de todo o mundo, outro tanto de jornalistas não credenciados, e essas presenças nos levam naturalmente a uma celebração e não a protestos que, se acontecerem, serão casos isolados.

Nós naturalmente temos a lei para lidar com esse tipo de manifestação. A lei precisa ser aplicada, as manifestações pacíficas são protegidas, mas as manifestações violentas, aquelas que prejudicam a população, que depredam e degradam patrimônio público ou privado, eu acho que ninguém pode aceitar e nem pode tolerar. A nossa sociedade não pode se submeter ou não pode ser submetida à pressão desse tipo de manifestações e de violência. As pessoas naturalmente têm as suas necessidades, precisam se deslocar, precisam trabalhar, precisam cumprir seus compromissos e ter sua vida, e às vezes essas pessoas são prejudicadas pela prática violenta de manifestações que não estão protegidas pela lei, e acho que tanto o governo federal quanto os governos estaduais dispõem de meios, no caso dos governos estaduais as polícias militares e civis, para coibir o abuso de manifestações violentas.

O direito de greve é um direito constitucional razoavelmente antigo no Brasil, não tem relação com a Copa do Mundo, tanto em atividades privadas quanto as manifestações públicas de servidores. Essas prerrogativas são exercidas independentemente de ter Copa no Brasil. Se está havendo uma associação desses eventos com a aproximação da Copa é uma associação descabida porque as manifestações acontecem no Brasil independentemente do calendário. Acho que elas tendem a diminuir como tendem a diminuir em momentos de celebração, como o carnaval, como os festejos natalinos e acho que essa é a tendência, mas não tenho o dom da premonição.

Ataque à Embaixada Brasileira de Berlim

Meia dúzia que organizou aquele protesto e isso não vai intimidar nenhum turista. Nenhum turista deixou de vir ao Rio, a Salvador ou a Recife recentemente no carnaval. Foram mais de seis milhões de turistas só nessas três cidades, isso sem falar, naturalmente, em Fortaleza e em outros destinos importantes durante o carnaval. Não creio que vá haver qualquer problema. Ninguém deixou de ir a Paris por causas de manifestações, ninguém cancelou viagem aos Estados Unidos por causa do atentado na maratona de Boston, com mortes, inclusive. Todos esses incidentes são lamentáveis, mas acho que isso não altera o curso da realização da Copa no Brasil. Vejo o sinal contrário: da ampliação, da busca de passagens para o Brasil, na medida em que a Copa vai se aproximando. São essas as notícias que eu recebo.

Repercussão negativa

Isso é uma parte da mídia brasileira que faz uma campanha contra a Copa e uma parte da imprensa do mundo repercute isso. O Brasil é a sétima economia do planeta, já bateu economias tradicionais da Europa como a da Inglaterra e a da Itália. O Brasil tem a agricultura mais competitiva do mundo, que hoje tem alimentos mais baratos graças à competitividade da economia brasileira.  Temos uma fábrica de aviões de médio porte quase imbatível, que é a Embraer. Como é que só vamos ter repercussão negativa do Brasil? Nós temos coisas negativas, a violência é uma delas, mas eleger as deficiências como se fossem as únicas coisas que nós podemos encontrar no país é inaceitável. O Brasil já fez coisas muito mais difíceis que a Copa, com todo o respeito pela Copa, nós temos um grande carinho por ela, mas já fizemos coisas mais importantes. Nós criamos uma civilização capaz de produzir cultura, economia, valores... Vamos nos atrapalhar com Copa? Não, não vamos.

O Brasil vai fazer a Copa, vai continuar sendo uma referência. Uma Copa do Mundo bem feita vai reafirmar as nossas potencialidades e as nossas capacidades e vamos aproveitar a Copa do Mundo também para enfrentar as nossas deficiências, inclusive de segurança, por exemplo. Vamos fazer o esforço para cumprir melhor os nossos prazos, mas não vai faltar nenhum estádio para a Copa.
Na época da Copa das Confederações, houve até ameaça da FIFA de tirar Pernambuco. Nós dissemos: não vai tirar. Pernambuco fez a Copa, entregou o estádio a tempo, fez todos os jogos que precisava fazer. Não vamos nos desesperar. Vamos trabalhar muito para concluir e acabar o que precisa acabar até a Copa, vamos realizar a Copa, vamos oferecer segurança à população brasileira e aos turistas e vamos cumprir com a nossa responsabilidade.

Principais adversários do Brasil

A Itália é sempre uma região que surpreende, vai chegando, às vezes desacreditada e, de repente, está numa final. A Argentina, por razões óbvias, está do nosso lado, tem um jogador excepcional, que é o Messi, e isso já é um trunfo inquestionável. A Alemanha vem jogando junto desde 2006, hoje está madura, muito bem organizada e também pode chegar a uma final, como a Espanha, que tem jogadores excepcionais, o Uruguai é sempre um grande adversário, mas acho que o Brasil tem condições, por jogar em casa, de ganhar a Copa do Mundo, além de ter também uma seleção excepcional, um treinador que conhece tudo de futebol, e um jogador que faz a diferença, que é o Neymar.

Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+