Abalados pelo 7 x 1, torcedores em Brasília não sabem o que esperar do próximo jogo da Seleção

09/07/2014 - 11:41
Quem já comprou ingresso para a disputa do terceiro lugar acredita que sobrarão vaias para o Brasil e teme confusão em caso de confronto contra a Argentina

No dia 23 de junho, a Seleção Brasileira viveu, em Brasília, sua melhor partida na Copa do Mundo 2014. A goleada por 4 x 1 (com direito a dois gols de Neymar) sobre Camarões foi a maior do Brasil neste Mundial e, após aquele duelo, o time do técnico Luiz Felipe Scolari deixou a capital com dois sentimentos muito bons: a confiança do torcedor brasileiro, que estava eufórico com a possibilidade da conquista do hexacampeonato mundial, e a esperança de que a equipe não voltasse mais para a cidade até o dia 13 de julho, data da final, no Rio de Janeiro.

A incrível derrota para a Alemanha, por 7 x 1, entretanto, subverteu completamente tudo o que foi citado no parágrafo acima. E, nesse sentido, a Seleção Brasileira não só terá que retornar à capital para a disputa do terceiro lugar, no próximo sábado (12.07), às 17h, como vive, agora, uma estranha expectativa: como o time será recebido quando pisar no gramado do Estádio Mané Garrincha diante dos torcedores brasileiros após um revés tão impactante?

Getty Image#Jogadores agradecem o carinho em Brasília após a vitória sobre Camarões, no dia 23 de junho: expectativa, agora, é como será a recepção no retorno à capital

Aos 25 anos, o advogado Rafael Rodrigues Leite ainda não assistiu a nenhuma partida da Copa do Mundo do Brasil em um estádio. O único ingresso que ele comprou foi justamente para o confronto do próximo sábado. E, depois dos 7 x 1, ele confessou que ainda não sabe como irá se comportar na próxima partida do Brasil.

“Depois de ontem vai ficar um clima meio esquisito, né?”, desabafou Rafael. “Mas acho que temos que dar o mínimo de apoio ao time. Acho que depois desse resultado eu vou mesmo mais para viver a experiência de ver um jogo de Copa do Mundo de dentro do estádio do que para torcer. A não ser que seja contra a Argentina, porque aí dá para torcer por conta da rivalidade”, destacou.

Nesta quarta-feira (09.07), às 17h, Argentina e Holanda decidem quem disputará a grande final contra a Alemanha no Maracanã. Quem perder entra em campo para enfrentar o Brasil no sábado. E, assim como Rafael, muitos torcedores em Brasília acreditam que o resultado do duelo entre Argentina e Holanda será determinante para o que a Seleção Brasileira viverá no Estádio Mané Garrincha.

O engenheiro aposentado Adão Antônio dos Santos, 71 anos, já assistiu a cinco partidas da Copa em Brasília. Ele acompanhou de perto Suíça 2 x 1 Equador, Colômbia 2 x 1 Costa do Marfim, Brasil 4 x 1 Camarões, Portugal 2 x 1 Gana e França 2 x 0 Nigéria. Só não conseguiu ingresso para Argentina 1 x 0 Bélgica. Agora, com entrada já comprada para o jogo de sábado, ele tem uma teoria sobre o que pode acontecer no estádio.

“O clima para os torcedores ficou muito ruim. Para essa partida vai depender de quem vai jogar. Se for a Argentina, vai ter torcida pelo Brasil só por causa da rivalidade. Mas se for a Holanda acho que só vai ter vaia para a Seleção, porque vai ser um jogo sem graça. Quem no Brasil se importa com um terceiro lugar?”, indagou.

A advogada Vanessa Aparecida Mendes, 31 anos, esteve nos jogos entre Colômbia x Costa do Marfim e França x Nigéria. Agora, se prepara para acompanhar a partida de sábado no Estádio Mané Garrincha ainda sem saber ao certo o que esperar sobre o comportamento da torcida.

“O brasileiro não costuma ser muito receptivo diante das derrotas, ainda mais diante de um 7 x 1 tão humilhante como foi”, ressaltou. “Eu não estou muito confiante para o placar do próximo jogo e as pessoas com quem conversei também não. O clima de desânimo agora é muito grande. Se for a Argentina, acho que o Brasil ainda pode ganhar por conta da rivalidade, mas se for a Holanda acredito que a Seleção não tem chance”, opinou. Para ela, é difícil prever qual será o comportamento da torcida. Mas ela acredita que haverá vaias. “Gente que vai xingar e vaiar vai ter, com certeza.”

O administrador Frederico Miranda da Silva, 31 anos, esteve nas partidas entre França e Nigéria e Argentina e Bélgica. “Honestamente, no meu caso o jogo era um detalhe. Eu fui ao estádio porque o legal da Copa é a festa, o clima antes do jogo... Agora não vai ter mais esse clima de festa e eu confesso que fico com medo de algum tipo de violência ou baderna”, declarou.

Frederico tem ingresso comprado para ele e a esposa e, agora, vive um dilema: “Não se torço para a Argentina perder da Holanda, porque tenho medo de o Brasil perder para a Argentina aqui em Brasília e do que pode acontecer depois do jogo se for assim mesmo. Mas também não sei se torço para a Argentina ganhar e aí corremos o risco de ver a Argentina campeã da Copa no Brasil. Os dois cenários são muito ruins. Vou ao estádio no sábado cheio de receio. Acho que vão vaiar muito a Seleção. Eu não vaiaria, mas as reações nas mídias sociais depois do 7 x 1 foram muito fortes.”

No site da FIFA, até o fechamento desta matéria não havia ingressos disponíveis para a disputa do terceiro lugar em Brasília. Resta saber se o estádio estará lotado como nas seis partidas disputadas na capital neste Mundial ou se muita gente desistirá de ir à arena.

Luiz Roberto Magalhães, do Portal da Copa em Brasília

Notícias Relacionadas

As duas equipes se enfrentarão em Singapura. Este será o quarto jogo do Brasil neste segundo semestre
+
No período do Mundial, a capital federal recebeu 633 mil visitantes, sendo 488.903 brasileiros e 143.743 estrangeiros. Números superaram as estimativas iniciais
+
Taffarel será o preparador de goleiros, enquanto Mauro Silva ocupará o cargo de assistente técnico, criado para ser rotativo. Andrey Lopes será o auxiliar
+
Coordenador geral de seleções, Gilmar Rinaldi, confirmou que o Brasil será comandado pelo treinador da equipe de base, Alexandre Gallo, nas Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro. Novos membros da comissão técnica serão anunciados em breve
+