Alemães e franceses chegam ao Maracanã mostrando respeito pelo adversário

04/07/2014 - 12:47
Torcedores chegaram ao estádio com tranquilidade pelo metrô do Rio de Janeiro

Foto: Giuliander Carpes/Portal da Copa#Patrick Schweizer e Heiko Ullsperger gostaram do conforto do metrô e apostam em vitória germânicaO feriado decretado pela Prefeitura do Rio de Janeiro ajudou e o caminho dos torcedores que se dirigiram ao Maracanã para a partida entre Alemanha e França nesta sexta-feira (04.07) teve uma das chegadas mais tranquilas ao estádio desde o começo da Copa do Mundo. Cerca de uma hora antes do início da partida, havia composições do metrô saindo praticamente vazias da estação Botafogo – o intervalo entre cada uma, que pode transportar até 1.800 pessoas, era de cinco minutos.

Os alemães Patrick Schweizer e Heiko Ullsperger gostaram do conforto. “Falta relativamente pouco tempo para o jogo começar e conseguimos ir ao Maracanã com tranquilidade pelo metrô. A Copa está sendo muito bem organizada, muito melhor do que esperávamos”, disse Schweizer. Os dois apostaram num placar apertado da Alemanha contra a França. “Acho que será 2 x 1. Os franceses estão jogando muito bem. Será, com certeza, um grande jogo para se ver no estádio”, afirmou Ullsperger.

Na estrada

Um grupo de amigos franceses resolveu passar todo o mês da Copa do Mundo no Brasil. Tinham ingressos para toda a primeira fase e as oitavas de final. Gostaram da forma como foram recebidos em Porto Alegre, Salvador, Brasília e Rio de Janeiro (onde disputam sua segunda partida). “As cidades são bonitas, o povo é hospitaleiro. O clima da Copa está incrível, é um evento inesquecível”, contou Maximilien Bourdais.

Eles viajaram de São Paulo para o Rio de Janeiro de carro na madrugada seguinte ao jogo com a Alemanha. “Conseguimos ingressos apenas ontem. Foi tudo tranquilo na estrada”, explicou Bourdais, que também apostou em 2 x 1, mas para a seleção de seu país. “A Alemanha tem um time muito forte, mas estão jogando menos do que esperávamos. Já a França está jogando melhor do que achávamos que ia jogar. Então vai ser um jogo apertado.”

Curiosamente, as seleções dos dois países vão se enfrentar numa data próxima à lembrança do primeiro centenário da I Guerra Mundial, que começou em 1914 e opôs as duas potências. Ao lado de outras nações fortes, como Inglaterra e Estados Unidos, a França saiu vencedora do conflito. Hoje, os dois países fazem parte da União Europeia, o bloco político-econômico mais forte do mundo. Em campo, os torcedores acreditam que não haverá guerra. “São equipes que jogam um futebol muito bonito. Certamente não será uma guerra, mas uma das melhores partidas de futebol desta Copa do Mundo”, confia  Ullsperger.

Giuliander Carpes, do Portal da Copa no Rio de Janeiro  

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+