Vídeo, fotos e infográfico: conheça os detalhes da Arena Corinthians

08/05/2014 - 08:40
Estádio de São Paulo, palco da abertura da Copa do Mundo, recebe a visita da presidenta Dilma Rousseff nesta quinta. Local terá capacidade para 68 mil pessoas

Quando o pontapé inicial da Copa for dado, no dia 12 de junho, as atenções do mundo da bola estarão voltadas para a Arena Corinthians, que receberá Brasil x Croácia, partida de abertura do torneio. O estádio de São Paulo ganha os últimos retoques de acabamento e a colocação dos assentos temporários que deixarão o local com capacidade para 68 mil espectadores. Para conferir de perto a finalização do projeto, a presidenta Dilma Rousseff visita a arena nesta quinta-feira (8.05).

A construtora responsável pela obra entregou o estádio ao Corinthians no dia 15 de abril, quando o clube proprietário da arena passou a checar os sistemas do local. De acordo com o cronograma, os assentos temporários que estão sendo instalados pela Fast Engenharia serão finalizados este mês.

Para fazer o teste de alguns equipamentos, no dia 26 de abril cinco mil crianças de escolas da região visitaram o estádio. No dia 1º de maio foi realizada uma partida entre os trabalhadores da obra e no dia 10 de maio está previsto um jogo festivo somente com atletas que já vestiram a camisa alvinegra. O primeiro compromisso oficial do Corinthians na nova arena será no dia 18, contra o Figueirense, pelo Campeonato Brasileiro. Este também será o evento-teste da FIFA para o local.

Cerca de seis mil operários trabalharam na construção da Arena Corinthians, que chegou a ter no pico da obra 2.500 colaboradores. O projeto está orçado em R$ 820 milhões, com R$ 400 milhões de financiamento federal via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Fotos: Portal da Copa#

Desafio

O sonho da “casa” corintiana começou a se concretizar no dia 30 de maio de 2011, quando tiveram início as intervenções no terreno localizado em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo. Empregado na obra desde janeiro de 2011, Carlos Petronilho fez cursos de capacitação e mudou de cargo duas vezes durante a construção da arena. Conhecido por “Carlão”, hoje ele trabalha como apontador, fazendo a checagem dos materiais que entram e saem do canteiro, e destaca o orgulho de fazer parte do projeto.

“Para nós é emocionante, estamos fazendo algo no nosso país que o mundo todo está de olho. Para nós é grandioso, porque saímos de um terreno com um buraco e chegamos neste estádio, que poderemos falar que nós fizemos”, ressalta.

Após quase três anos de obras, o que se vê é uma construção de 189 mil metros quadrados, com duas imponentes fachadas nos lados leste e oeste e dois vãos livres de 170 metros de altura nos setores norte e sul.

Pela entrada leste, que servirá ao público em geral, chama atenção o painel com dimensões de 170 metros de comprimento por 20 metros de altura, com 34 mil pontos de LED. No lado oposto, que dá acesso aos camarotes, restaurantes, áreas de imprensa e vestiários, a fachada de 240 metros de comprimento por 30 metros de altura é composta por 1.350 placas de vidro.

“Cada uma dessas placas de vidro é diferente da outra, seja pelo tamanho, curvatura ou tonalidade. Os vidros são extra clear, fabricados na Europa. Eles têm uma tonalidade branca, que não puxa para o verde”, comenta o engenheiro responsável pela obra, Antonio Gavioli.

Para ele, o maior desafio da construção foi a montagem da cobertura metálica. A estrutura possui 32 mil metros quadrados, o equivalente a 4,5 campos de futebol, e pesa 7,2 mil toneladas. São 57 metros de balanço sobre as arquibancadas leste e oeste.

“Acho que um dos grandes desafios foi a cobertura metálica. Essa cobertura é presa no oeste e solta no lado leste, para no calor dilatar e no frio encolher. Esses braços têm a função de fazer esse movimento da dilatação da estrutura para leste, que trabalha como um arco de flecha. À medida que você tenciona a parte de baixo, a parte de cima se enrijece e consegue vencer esse vão de 170 metros”, detalha Gavioli.

A cobertura foi dividida em 38 módulos com peso entre 250 e 420 toneladas cada. Eles foram içados por guindastes com capacidade para mais de 1.500 toneladas.

Gramado

A opção pela grama do estádio do Corinthians foi diferente da maioria das outras arenas da Copa do Mundo, que usaram a espécie Bermuda. No caso corintiano, a espécie escolhida foi a Ryegrass, importada dos Estados Unidos, própria para climas frios.

“Se o estádio fosse no norte ou no nordeste não teríamos dúvida de que a grama seria outra, mas, aqui temos épocas de frio e outras de calor. A opção foi pela grama de clima frio, porque ela é mais forte. A gente instalou uma tubulação por baixo da raiz da grama para passar água gelada. Se a temperatura subir, essa água sai a seis graus e refrigera a planta, mantendo a raiz entre 15 e 22 graus”, conta Gavioli.

Em fevereiro de 2013 foi iniciada a semeadura do gramado, que está pronto para a Copa. No dia 15 de março deste ano, a bola rolou pela primeira vez no local com um treino da equipe alvinegra.

“A grama foi semeada e em poucos dias começou a nascer. Depois o pessoal avaliou e preencheu os locais onde a semeadura não ficou muito boa e deu o primeiro corte com 15 dias. É fantástica a capacidade que ela tem de crescer. E foram colocados fios de náilon, a cada dois centímetros quadrados, para que a raiz da grama enrosque nestes fios e num carrinho, num chute, ela não saia”, afirma o engenheiro responsável pela obra.

A irrigação do gramado é automatizada e feita por 48 aspersores, enquanto o sistema de drenagem pode ser a vácuo ou por sucção. Com dimensões de 105 metros por 68 metros, o campo de jogo fica a uma distância de nove metros para as arquibancadas e será iluminado por 350 refletores.

Outra novidade para os jogadores e para a torcida será uma arquibancada com 84 lugares em um dos quatro vestiários, para que os espectadores possam assistir ao aquecimento dos atletas feito em sala com grama sintética. O espaço contará com vidro para o isolamento acústico.#Fachada oeste com vidros extra clear e entrada central para camarotes

Acesso, segurança e conforto

Para acessar o palco dos jogos da Copa em São Paulo, os torcedores terão uma praça de 16 mil metros quadrados para circular até chegar a uma das 120 catracas localizadas nas 12 entradas do local. Para a circulação interna há 15 elevadores e dez escadas rolantes.

Com capacidade para 68 mil torcedores durante a Copa do Mundo, sendo 21,2 mil assentos temporários para atingir a exigência de público da FIFA para a partida de abertura, a Arena Corinthians conta com diferentes tipos de cadeiras, todas rebatíveis e com encosto para as costas.

São 85 camarotes, que podem abrigar entre 12 e 27 torcedores. Há outros quatro camarotes com capacidade para mais de 80 pessoas.

A arena ainda conta com um auditório para 320 pessoas, quatro restaurantes, uma cozinha industrial, 59 quiosques de alimentação e 53 banheiros. “A opção foi a de fazer uma cozinha de grande porte para abastecer todo o estádio. Construímos uma galeria subterrânea ao redor do campo, que permite a circulação de serviços, sem que seja vista qualquer movimentação”, revela Gavioli.

Na área externa à Arena Corinthians haverá 1.900 vagas de estacionamento e na interna, 900 vagas cobertas. O estádio tem uma sala de comando para controlar as operações do local e foi projetado para ser esvaziado em oito minutos.

Conheça todos os detalhes da Arena Corinthians

» Fachada e cobertura foram os principais desafios do projeto

» Acesso facilitado por transporte público de massa

» Opção pela grama Ryegrass, própria para clima ameno

» Saiba quais serão os jogos da Copa do Mundo em São Paulo

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Mundial de futebol quebrou recordes históricos e se tornou o evento mais comentado do ano nas redes sociais em todo o mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+