Artesãos criam produtos de olho na Copa das Confederações

07/02/2013 - 12:02
A meta é que até o Mundial de 2014 pelo menos 63 grupos cearenses tenham desenvolvido coleções específicas

Há pouco mais de três meses do início da Copa das Confederações, que acontece de 15 a 30 de junho, o Sebrae no Ceará contabiliza pelo menos 28 grupos de artesãos, das mais variadas tipologias e de todas as regiões do estado, com coleções finalizadas, desenvolvidas especialmente com foco nesse evento esportivo.

Antes mesmo do Mundial, que tem Fortaleza como uma das cidades-sede, as peças em bordado, renda e trançado, resultado do trabalho de capacitação e adequação realizado pelo Sebrae no Ceará, vão ser expostas em um showroom.

Para acompanhar de perto os preparativos e acertar os últimos detalhes, uma equipe do Sebrae no Ceará vai visitar, já a partir deste mês, todos os grupos envolvidos no projeto. Para assegurar a representatividade do melhor do artesanato cearense, Juniar Ellyan, gestora do programa de Artesanato do Sebrae – Ceará Original, explica que os grupos participantes passaram, antes de integrar o projeto, por uma seleção.

Os grupos foram escolhidos segundo critérios de produtividade, nível de organização e quantidade de cursos que já fizeram. Os oito primeiros grupos selecionados foram: de Várzea Alegre, no Cariri (fabricação de redes); de Itaiçaba, no Litoral Leste (palha de carnaúba); o Grupo de Costureiras e Artesãos de Paracuru – Gcap, do Regional Metropolitano (bordado); o grupo AAFETO do Regional Baixo Jaguatribe (renda de filé); os artesãos da Comunidade de Carqueijo, Regional Norte (tecelagem); o grupo do Ceará Design de Quixeramobim, no Sertão Central (semijóias); o grupo Baturiarte, do Regional do Maciço de Baturité (palha de bananeira); e o grupo Aproarti, de Icó, no Centro-Sul do Estado (bordados em rococó).

No decorrer de 2012, outros 20 grupos aderiram ao projeto e passaram por capacitações. “A meta é que até o fim deste ano mais 25 grupos sejam capacitados e incorporados. Para o primeiro semestre de 2014, esperamos atender a mais dez grupos. Até o início do Mundial, pelo menos 63 grupos terão recebido consultoria, treinamento e apoio para o desenvolvimento de coleções com peças focadas nesses grandes eventos esportivos”, adianta Juniar.

A maior preocupação, segundo ela, é “fazer com que as peças agreguem qualidade internacional sem perder a identidade regional. O que se pretende com os diagnósticos, treinamentos e consultorias é que os grupos beneficiados possam estar, no final do processo, com uma gestão adequada e seguindo as tendências de um mercado cada vez mais exigente, tanto internacionalmente, como nacional e localmente”.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Notícias Relacionadas

Na arena Castelão, foram 49,4 toneladas, enquanto na Fan Fest foram outras 41,4 toneladas. Atividade envolveu 350 catadores de 17 instituições
+
Projeto promovido pelo Sebrae nas 12 cidades-sede da Copa contou com investimentos de R$ 90 milhões em 3 anos
+
Cerca de 260 mil turistas brasileiros e estrangeiros compraram ingressos para os seis jogos na capital cearense
+
Técnico do Brasil elogiou o futebol do time, principalmente na primeira etapa. David Luiz disse que genética o favoreceu na cobrança de falta
+