Australianos participam de trabalho voluntário em escolas de Curitiba

23/06/2014 - 08:52
Com ajuda de alunos, grupo de turistas participou de pinturas e melhorias de quadras esportivas que atendem mais de 340 crianças

Foto: Angelo Binder/ Portal da Copa#Um grupo de australianos que está no Brasil para acompanhar a partida entre Austrália x Espanha, nesta segunda-feira (23.06), em Curitiba, pela Copa do Mundo, recebeu uma missão espacial na tarde de sábado (21.06). Convidados pela ONG Futebol de Rua e pelo projeto Comunidade Escola da prefeitura da capital paranaense, eles lixaram, varreram e pintaram escolas que atendem mais de 340 crianças dos bairros do Cajuru e Uberaba. A intenção do projeto é também envolver moradores dos bairros no cuidado e valorização dos espaços escolares, em especial aqueles usados por toda a comunidade.

“Estamos muito felizes em contribuir para que as crianças se desenvolvam melhor a partir da educação e do esporte, em ambientes inspiradores como as escolas”, disse o diretor executivo da LionsRaw, Jon Burns, organização não-governamental australiana que está desenvolvendo trabalhos comunitários no Brasil durante a competição.

Trabalho em conjunto

O trabalho foi feito todo em conjunto. Enquanto os australianos colocavam “a mão na massa”, alunos das escolas providenciaram as lixas, tintas, fitas adesivas e pincéis do programa Comunidade Escola. “Queremos servir de exemplo para as crianças saberem que todos podem oferecer parte do seu tempo para melhorar a vida de outras pessoas”, disse a voluntária australiana Juj Fiedler, que visitava o Brasil pela primeira vez.  A estudante Raísa Lauanda, 10 anos, é assistida pelo projeto. Ela destacou a importância dos trabalhos dos voluntários australianos. “Enquanto alguns países perdem tempo em guerras, eles mostram que é muito melhor viver em paz e ajudando uns aos outros”, lembrou aluna da Escola Senador Éneas Farias, beneficiada com o trabalho voluntário dos turistas.

Esporte é futuro

Emocionada, a australiana Lin Sullivan destacou a importância da realização da Copa do Mundo na evolução do Brasil “Penso que assim podemos contribuir para que muitas crianças tenham um futuro melhor e especial. Acreditamos que o esporte tem essa condição e força”, comentou.

Angelo Binder, do Portal da Copa em Curitiba

Notícias Relacionadas

Estádio de Natal é o nono dos utilizados durante a Copa a obter o selo
+
Arena é a sétima construída para a Copa do Mundo a ter selo que atesta adoção de medidas sustentáveis na edificação. Capital gaúcha passa a ter dois palcos com registro do Green Building Council
+
Cooperativas de catadores atuaram nos 12 estádios do Mundial para a recuperação e separação dos resíduos deixados pelos torcedores durante os jogos
+
Na arena Castelão, foram 49,4 toneladas, enquanto na Fan Fest foram outras 41,4 toneladas. Atividade envolveu 350 catadores de 17 instituições
+