Belo Horizonte: voluntários exaltam trabalho em equipe e amizade

26/06/2013 - 12:10
Experiência na Copa das Confederações da FIFA 2013 coloca lado a lado pessoas com perfis diferentes, mas que se dedicam de maneira igual ao voluntariado

Com voluntários de todas as idades e perfis, o programa Brasil Voluntário inspira o espírito de equipe em Belo Horizonte. Um dia antes da semifinal da Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013, que será disputada no Mineirão nesta quarta-feira (26.06) entre Brasil e Uruguai, os voluntários Danielle Reis, Antonio de Pádua e a coordenadora Márcia Soares (foto) falaram ao Brasil Voluntário sobre a amizade e o espírito de equipe que os uniu. O grupo atua na Praça da Liberdade, um dos pontos turísticos da cidade.

"Conhecer pessoas que têm a mesma filosofia que você, acreditam no voluntariado, estão dispostas a ajudar o outro e, além disso, têm uma história de vida bacana é muito legal. É muito bom trocar conhecimento, informação e ainda fazer novos amigos", definiu Danielle, que é servidora pública e resolveu ser voluntária no programa principalmente para praticar o inglês.

Diferentemente de Danielle, que acumula experiência como voluntária, inclusive no auxílio à Cruz Vermelha e a vítimas de enchentes no Rio de Janeiro, para o estudante Antonio de Pádua tudo é novidade. "É uma experiência nova. É interessante poder perceber o pensamento que cada pessoa tem sobre esse tipo de trabalho. Estou gostando bastante, principalmente dessa parte de conhecer novas pessoas e até a minha cidade", elogiou, destacando a personalidade do grupo. "O pessoal é bem extrovertido, então a relação é bem tranquila".

Responsável por coordenar a turma, Márcia Soares é só elogios. "Todas as pessoas que se candidataram como voluntários são especiais. Todos que estão aqui comigo são muito bacanas. Temos turismólogo, jornalista, médica... Mas todo mundo tem aquela coisa de trabalhar pelo outro, do compromisso", afirmou ela, destacando que as diferenças de formação e personalidade não atrapalham. "Hoje eu já digo que somos todos amigos."

Desafios vencidos

Para os voluntários, o jogo entre México e Japão, disputado em Belo Horizonte no sábado (22.06), representou um desafio de comunicação graças à presença de torcedores das seleções na cidade, especialmente os japoneses. "Conversei bastante com eles em inglês, mas uma história me fez ganhar o dia. Uma família japonesa estava perdida. Já eram 20h e eles precisavam estar no aeroporto às 21h. Coloquei-os em um táxi e orientei o taxista que fosse o mais rápido possível. Não sei se conseguiram chegar, mas ficaram muito felizes de eu ter ajudado", relatou Danielle Reis.

Foi graças aos japoneses que Antonio de Pádua também pôde experimentar a importância do trabalho em equipe quando se é voluntário. Sem dominar o inglês, ele e os colegas tiveram que coordenar ações para atender a todos os turistas que chegaram até eles. "A gente estava em um terminal de ônibus e muitos japoneses chegaram. A gente teve que aproveitar a Danielle e o conhecimento dela para direcioná-los. Foi um episódio em que tivemos que trabalhar bastante em equipe para dar certo", destacou Antonio.

Fonte: Brasil Voluntário

Notícias Relacionadas

Capital do Mato Grosso contou com a atuação de 357 voluntários, em locais como aeroporto, rodoviária, Arena Cultural, entorno da Arena Pantanal, FIFA Fan Fest e Centro Aberto de Mídia
+
Voluntários do governo federal aprovam experiência no Mundial; objetivo agora é aproveitar a vivência adquirida em novos projetos e na busca por oportunidades no mercado de trabalho
+
Certificação digital estará disponível na plataforma de agendamento; voluntários do governo federal serão comunicados por email
+
Centro Integrado de Comando e Controle regional realizou 1,1 monitoramentos diários e acompanhou 300 atividades essenciais durante os 31 dias do Mundial na capital mineira
+