Brasil e Uruguai disputam a semifinal em Belo Horizonte sem olhar para o passado

26/06/2013 - 10:52
Para a partida decisiva desta quarta-feira, treinadores das duas seleções deixam a Copa de 1950 no passado e se concentram em desafios dos elencos atuais

Fotos: Danilo Borges/Portal da Copa#Respeito, elogios mútuos e distanciamento de 1950: os discursos de Luiz Felipe Scolari, técnico da Seleção Brasileira, e Óscar Tabárez, treinador do Uruguai, são bem parecidos. Antes de mais um jogo decisivo entre duas das principais forças do futebol sul-americano, ambos preferiram deixar o Maracanazo no passado e se concentrar nos desafios do presente.

Quando entrarem no gramado do Mineirão, em Belo Horizonte, nesta quarta-feira (26.06), a partir das 16h, em jogo que vai definir uma vaga na final da Copa das Confederações, os brasileiros não entram em campo com sentimento de vingança, mas, sim, de dar outro passo em uma trajetória que pretende continuar ascendente até 2014; e os uruguaios, em vez de se compararem a seus ídolos de 63 anos atrás, tentarão mostrar que o resgate de prestígio iniciado no Mundial de 2010 não foi fruto do acaso. 

“O que aconteceu em 1950 é incomparável. Nós temos aquele time quase que num altar. Nada do que viermos a fazer poderá se comparar a isso, porque isso já faz parte da história. Mas vamos deixar os campeões de 1950 no lugar deles. Aquilo era visto como o único triunfo do Uruguai e era um peso enorme nos nossos ombros. Na Copa da África, víamos as pessoas que tinham menos de 40 anos e nunca haviam vivido algo semelhante”, disse Óscar Tabárez. Felipão, por sua vez, preferiu encarar o assunto com humor. “Nem era nascido em 1950, nasci em 1964”, brincou o treinador, que, na verdade, nasceu em 1948.

Com o Maracanazo posto em perspectiva, os dois treinadores trataram de se preocupar com o atual momento dos times. “O Brasil inspira preocupação. Sua proposta é muito ofensiva, e eu tento fazer com isso não traga consequências na partida. Eles pressionam, e conseguiram começos de partida realmente avassaladores. Vamos tentar contrabalançar todos os aspectos bons que o Brasil tem do ponto de vista coletivo e também a capacidade individual de seus jogadores”, disse Tabárez.

Para Felipão, a principal arma do time uruguaio é o ataque. “Você vê o Cavani, que foi máximo goleador dos últimos dois ou três anos na Itália; o Forlán, melhor jogador da Copa do Mundo de 2010; o Suárez, eleito o melhor da Liga da Inglaterra. É um time de muita qualidade, que joga junto desde a Copa de 2010”, lembrou.

#Tabárez deve escalar a equipe do Uruguai com o time que venceu a NigériaScolari terá todos os jogadores do grupo à disposição. Paulinho e David Luiz, que se machucaram durante a Copa das Confederações, já se recuperaram e estão liberados para jogar. E mesmo o atacante Bernard, que saiu mancando do treino de segunda-feira, já voltou a correr normalmente na terça e ficará no banco de reservas. Com isso, o técnico brasileiro poderá escalar força máxima na semifinal. E o time titular não é segredo: Julio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar; Neymar, Hulk e Fred.

Durante a coletiva desta terça-feira, Tabárez não confirmou a escalação, mas o site oficial da Associação Uruguaia de Futebol divulgou o seguinte time: Fernando Muslera; Maximiliano Pereira, Diego Lugano, Diego Godín e Martín Cáceres;
Arévalo Ríos, Álvaro González, Cristian Rodríguez e Diego Forlán; Edinson Cavani e Luis Suárez.

Leia também:

» Confiantes em vitória do Brasil, torcedores chegam mais cedo ao Mineirão

» Fred e Felipão esperam apoio total da torcida mineira diante do Uruguai

» Simulações de Neymar são a principal preocupação de Lugano para a semifinal

Feriado

Para facilitar o acesso ao Mineirão e o trânsito na capital mineira, a Prefeitura de Belo Horizonte decretou feriado municipal nesta quarta-feira. A área num raio de dois quilômetros do estádio ficará interditada e o governo aconselha os torcedores a usarem o transporte público para ir ao jogo.

Assim como nas outras partidas da Copa das Confederações realizadas na capital mineira, o transporte terá um esquema especial de funcionamento. A saída dos coletivos dos Terminais Copa, em cinco pontos de Belo Horizonte e no Aeroporto de Confins, começará às 12h. As partidas em direção ao estádio se encerrarão às 15h. O ingresso é o passaporte para embarque nos ônibus especiais.

Ao todo, 300 veículos ficarão à disposição dos torcedores e a expectativa é que 20 mil pessoas optem pelo serviço especial. No jogo entre México e Japão, no último dia 22, 15 mil torcedores utilizaram o transporte coletivo especial. Os terminais funcionarão nos mesmos pontos: Savassi, Centro, Praça Floriano Peixoto, Barreiro e avenida Cristiano Machado (próximo à estação Minas Shopping do metrô).

Manifestações foram programadas para os arredores do estádio, mas as forças de segurança, que contam com o reforço da Força Nacional, estão posicionadas para garantir que apenas os torcedores tenham acesso às proximidades do Mineirão.

Mateus Baeta - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

As duas equipes se enfrentarão em Singapura. Este será o quarto jogo do Brasil neste segundo semestre
+
Brasil enfrentará a Colômbia em 5 de setembro e o Equador no dia 9. Os jogos serão nos Estados Unidos
+
Taffarel será o preparador de goleiros, enquanto Mauro Silva ocupará o cargo de assistente técnico, criado para ser rotativo. Andrey Lopes será o auxiliar
+
Votação popular feita por meio do site da FIFA incluiu Neymar, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo na equipe ideal do torneio. Os argentinos Messi e Di María e o colombiano James Rodríguez também aparecem
+