Brasília simula varreduras com cães em ônibus das delegações

14/03/2014 - 10:42
O exercício faz parte do Curso Internacional de Detecção de Substâncias, que teve início em fevereiro e seguirá até abril

O Batalhão de Operações com Cães (BPCães) do Distrito Federal realizou nesta quinta-feira (13.03) um treinamento prático para identificar armas de fogo, drogas e explosivos em ônibus semelhantes aos que serão usados pelas delegações no Mundial.

Além dos policiais militares do batalhão, a atividade teve a participação de 23 animais das raças labrador e pastores alemão e belga do batalhão. O treinamento incluiu simulações de busca em carros e bagagens. “Os cães têm uma capacidade olfativa 40 vezes maior que a do homem. Nós utilizamos essa característica e fazemos treinamentos diretamente nos locais para que eles se acostumem”, explica o tenente da BPCães, Hideki, subcoordenador do curso.

O exercício faz parte do Curso Internacional de Detecção de Substâncias, que teve início em fevereiro e seguirá até abril. Além dos policiais de Brasília, participam militares de Roraima, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Ceará, da Força Aérea Brasileira e do Paraguai.

“O DF tem um curso muito avançado. Isso despertou nosso interesse porque também vamos receber a Copa. O diferencial daqui é que trabalhamos de uma forma mais independente, com o cão mais solto. Normalmente, levaríamos 10 minutos para inspecionar um veículo. Mas com essa metodologia o tempo seria de 30 segundos a um minuto”, afirma o cabo Iramilton, de Fortaleza (CE).

Além de aprenderem sobre os tipos de drogas e explosivos, os participantes do curso trabalharam diretamente com os cães em simulações. “O método é autônomo, eficaz, e vai servir bem ao meu país”, diz Adriana Ayala, oficial do Departamento Antinarcóticos da Polícia Nacional do Paraguai. Ela pretende aplicar os conhecimentos nas cidades e regiões de fronteira.

De acordo com o batalhão, em um espaço como o Estádio Nacional,apenas três cães conseguem fazer toda a varredura em menos de três horas. “Além do estádio, vamos realizar buscas em hotéis, centros de treinamentos e outros locais que terão grande aglomeração de pessoas”, afirma o tenente.

Preparação

Para a Copa do Mundo da FIFA™, o Batalhão de Operações com Cães do DF usará os 70 cães do canil. Os animais são treinados de segunda, com exercícios físicos e técnicos. Para prepará-los para a detecção de substâncias, é utilizado um método de associação de odores a brinquedos usados pelos cães.

Os animais são treinados desde o nascimento, mas só ficam aptos ao serviço a partir dos três anos. As raças são  selecionadas de acordo com a pré-disposição genética para esse tipo de trabalho, e também depois de uma avaliação de características, como agilidade, força e inteligência. Cada cão trabalha no máximo 45 minutos em serviços de varredura e descansa o triplo do tempo.

Fonte: Governo do Distrito Federal

Notícias Relacionadas

Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+
Centro Integrado de Comando e Controle regional realizou 1,1 monitoramentos diários e acompanhou 300 atividades essenciais durante os 31 dias do Mundial na capital mineira
+
Profissionais federais e distritais trabalharão juntos em evento que terá 19 chefes de Estado
+
Governo do DF divulgou balanço de ações para a Copa do Mundo. Investimentos em segurança, turismo, mobilidade urbana e aeroporto ficam para a cidade
+