Campanha "Proteja o Gol" distribuiu dois milhões de preservativos durante a Copa do Mundo

29/07/2014 - 16:55
Diretora da Unaids no Brasil se encontrou nesta terça com o ministro do Esporte, que assinou a bola que simboliza a iniciativa. Um exemplar com as rubricas da presidenta Dilma e de outros chefes de Estado será levado para a Assembleia Geral da ONU

Paulino Menezes/ Portal da Copa#

A visibilidade gerada pela Copa do Mundo, que atrai a atenção de pessoas ao redor de todo o planeta, também foi aproveitada para difundir ações de prevenção à Aids. A campanha “Proteja o Gol”, desenvolvida pelo Programa Conjunto das Nações Unidas para o HIV/AIDS (UNAIDS), em parceria com o Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA) distribuiu dois milhões de preservativos e panfletos durante o Mundial no Brasil. A iniciativa que teve o apoio do Governo Federal, das 12 cidades-sede e de outros dez municípios que receberam equipes do torneio, também contou com unidades móveis para a realização de testes rápidos.

A diretora da Unaids no Brasil, Georgiana Braga-Orillard, se reuniu com o ministro do Esporte nesta terça-feira (29.07), para agradecer o apoio e recolher a assinatura de Aldo Rebelo na bola que simboliza a campanha.  “A ideia foi justamente trazer o poder de união do esporte, principalmente o futebol, para difundir mensagens de prevenção, além de desmistificar o teste rápido, mostrando que ele é acessível e pode ser feito em 20 minutos. Tivemos a adesão de muitos estrangeiros, que viam as unidades e faziam os testes. Os panfletos também tinham versões em português e inglês”, detalhou Orillard.

Paulino Menezes/Portal da Copa#O total de testes ainda será contabilizado, mas a previsão inicial era a de que 40 mil exames fossem feitos durante a Copa. A campanha que teve início no Mundial de 2010, na África do Sul, foi trazida ao Brasil com o apoio de dois embaixadores Kweku e Ndaba Mandela, netos do líder sul-africano e prêmio Nobel da Paz, Nelson Mandela. Os jogadores David Luiz, do Brasil, e Gervinho, da Costa do Marfim, além do ex-atleta Michael Ballack, que integra a comissão técnica da seleção alemã, também ajudam a difundir a iniciativa pelo mundo.

“Antes de chegar ao Brasil, a campanha passou pelas copas continentais de seleções na África e nas Américas. No início de junho fizemos o lançamento em Salvador, por ser a cidade mais africana do Brasil. A partir daí, a campanha rodou o Brasil e o mundo, graças à integração das sedes e sub-sedes, da ONU, da sociedade civil e do governo brasileiro. Cada cidade teve seu ritmo e seu jeito de fazer, com diferentes calendários, mas que foi um sucesso”, afirmou Orillard.

A bola que simboliza a campanha foi assinada pela presidenta Dilma Rousseff e pelos chefes de Estados dos países africanos, asiáticos e latino americanos que disputaram a Copa de 2014. O exemplar também passou pela União de Nações Africanas e será levada em setembro para a Assembleia Geral da ONU. Uma bola com as assinaturas do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, do ministro da Saúde, Arthur Chioro, e da ministra de Políticas Públicas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, ficará na sede da organização, em Brasília.

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+