Campeões mundiais de 58, 62 e 70 comentam o prêmio de RS 100 mil

12/04/2013 - 18:42
Quantia será paga pelo Ministério do Esporte a partir desta segunda (15.04). Ex-jogadores e familiares falam sobre a homenagem, prevista na Lei Geral da Copa

CBF#Seleção de 58: Zito é o tercerio e Gylmar é o último, da esquerda para a direita, dos jogadores que estão em pé

Zito tem 80 anos, dois títulos mundiais e muita saudade do futebol das décadas de 50 e 60. Campeão das Copas de 1958 e 1962 e um dos grandes jogadores do Santos, ele sofreu quando parou de jogar futebol, mas não perdeu tempo. Juntou-se com três sócios e abriu uma fábrica de artefatos de borracha no interior de São Paulo. Hoje, o negócio está a cargo do filho e ele tem uma vida tranquila em Santos. Mas sabe que essa tranquilidade não é regra entre os ex-jogadores daquela época.

“Tem muito jogador que precisa muito de ajuda. A maioria não estudou para trabalhar. Nosso negócio era jogar futebol. Quando acabou, nem todo mundo conseguiu encontrar um caminho”,  disse o bicampeão mundial.

Todos os jogadores campeões das Copas de 1958, 1962 e 1970 receberão, a partir de segunda-feira (15.04), o prêmio de R$ 100 mil previsto na Lei Geral da Copa. O pagamento será feito pelo Ministério do Esporte aos ex-jogadores e a familiares dos ex-atletas já falecidos, conforme estabelecido pela lei.

“Recebo isso muito bem. Vai ser ótimo poder ajudar a minha família”, disse Zito.

Jogadores do grupo tricampeão de 1970, Dadá Maravilha e Paulo Cezar Caju disseram que as antigas gerações campeãs caíram no esquecimento e que a quantia é uma forma de valorizar o que fizeram pelo futebol brasileiro. “Eu estou muito feliz. Nem todo mundo está bem de dinheiro, que Deus abençoe todos esses heróis que infelizmente estão sendo esquecidos. É um prêmio merecido, fico muito feliz e mais tranquilo para o futuro” disse Dadá.

“Fiquei muito contente. Acho que é uma comenda justa, principalmente para a geração de 1958 e 1962, que colocou o Brasil no topo do mundo. Isso caiu no esquecimento. Tem imposto, tem aluguel, tem luz, gás, muita coisa, e esse dinheiro vai ajudar muito. Uma chance de ter aposentadoria com paz e conforto”, disse Caju.

Danilo Borges#Jairiznho, Paulo Cezar Caju, Brito, Carlos Alberto Torres, Gisleine (filha de Félix) e Zagallo, em homenagem ao goleiro da Seleção de 1970

 Direito à aposentadoria

Marcelo Neves tem na família um exemplo da realidade enfrentada por boa parte dos jogadores de futebol das antigas gerações: ele é filho de Gylmar, goleiro das seleções de 1958 e 1962. Marcelo também é presidente executivo da Associação dos Campeões Mundiais de Futebol do Brasil. Para ele, o pagamento do prêmio é a vitória de uma luta de pelo menos cinco anos.

"Em 2008, foi a primeira vez que tivemos contato com o então presidente Lula, com o Ministério do Esporte, lutando por um direito factível. Eles foram jogadores numa época em que a profissão não era regulamentada. Não tiveram direito de contribuir com a Previdência. Eles trabalharam mais de 20 anos e mereciam esse reconhecimento. É uma maneira de tentar arrumar a perda deles durante esses anos todos”, defendeu.

Gylmar sofreu um AVC que o deixou hemiplégico (com um lado do corpo paralisado) e em cadeira de rodas. Marcelo conta que a família conseguiu prover um bom tratamento ao ex-goleiro, mas esse não é o caso de outros ex-atletas que sofrem com problemas de saúde.

“Muitos estão numa situação crítica. Se for analisar, eles estão beirando os 80 anos. O país não tem essa cultura de lembrança dos seus ídolos. É um pecado a gente deixar o país do futebol esquecer essas pessoas. Acho que isso é um marco”, completou.

Qualificação

Tricampeão em 1970, Wilson Piazza também lembrou das dificuldades vivenciadas pelos ex-jogadores.  Ele é o atual presidente da Federação das Associações dos Atletas Profissionais (FAAP) e lamenta que os atletas daquela época não puderam ter um sistema de previdência nem a oportunidade de qualificação para seguir outras atividades após o fim da carreira.

“A maioria dos nossos jogadores pratica futebol sem visão do futuro, só pensa no presente. É uma reviravolta a passagem da vida de atleta para ex-atleta. Eles precisam de qualificação, de alternativas, é uma pena que muitos desses atletas que dignificaram o nome do país não tenham tido uma alternativa.”

Nesse contexto, Pizza reconhece a importância do prêmio que será pago a partir de segunda-feira (15.04). “Para alguns companheiros, esse dinheiro vai ajudar bastante. A gente tem ciência de que muitos não estão no estado em que deveria estar um campeão mundial. E claro que também vai me ajudar, não sou nenhum milionário. Eu tomo isso como uma homenagem para aqueles que contribuíram para a história do futebol.”

Carol Delmazo – Portal da Copa
 

Notícias Relacionadas

Decisão ocorre após reunião de representantes do Ministério da Justiça, da Defesa, do Esporte, da FIFA e do COL
+
Torcedores dos dois países que estão no Brasil para a Copa de 2014 contam como viveram o momento em que conquistaram o título do torneio
+