Com área exclusiva para delegações da Copa, Viracopos ajuda a atrair seleções para interior de São Paulo

29/06/2014 - 11:39
Aeroporto de Campinas investe R$ 2,5 bilhões em obra de novo terminal que ampliará capacidade para 22 milhões de passageiros ao ano

Em uma Copa do Mundo disputada num país com dimensões continentais como o Brasil, a logística foi uma das principais preocupações das delegações que vieram para o Mundial deste ano. Das 32 seleções que iniciaram a disputa no dia 12 de junho, 15 escolheram São Paulo como casa, sendo que sete utilizaram a estrutura de Campinas ou de cidades nas redondezas.

Ainda que outros fatores tenham influenciado, o aeroporto de Viracopos foi um dos pontos que certamente atraíram esses times para o interior paulista. Foi uma dessas equipes, inclusive, que inaugurou a primeira obra concluída do terminal de passageiros que está sendo erguido no local.

Quando o centroavante Didier Drogba e seus colegas da Costa do Marfim desembarcaram em Campinas, no dia 6 de junho, eram também os primeiros passageiros a utilizarem o novo píer internacional do aeroporto. O local, durante a Copa, é de uso exclusivo das delegações estrangeiras.

Além dos marfinenses, que se hospedaram em Águas de Lindoia, Portugal, Nigéria (ambas em Campinas), Argélia (Sorocaba), Japão, Rússia (ambas em Itu) e Honduras (Porto Feliz) utilizaram Viracopos para deslocamentos no Mundial – apenas argelinos e nigerianos passaram às oitavas de final.

O píer entregue é parte do terminal de passageiros que está sendo finalizado e que ampliará a capacidade do aeroporto para 22 milhões de viajantes por ano – em 2013, 9,3 milhões de pessoas utilizaram o local. O investimento de R$ 2,5 bilhões faz parte do contrato de concessão assinado em 2012 pela Aeroportos Brasil Viracopos. A expectativa é que a transferências das empresas para operação no novo espaço comece após a Copa.

O plano prevê que R$ 9,5 bilhões serão aplicados na modernização e ampliação do aeroporto campineiro nos 30 anos de concessão. O primeiro ciclo, além do terminal, inclui a construção de um edifício-garagem com 4.000 vagas e uma segunda vida de acesso ao aeroporto. Segundo o diretor comercial de Viracopos, Aluízio Margarido, 92% das obras estão concluídas.

A expectativa é transformar o aeroporto campineiro em um hub para as principais companhias aéreas que atuam no país, além de uma opção para desafogar os aeroportos de Cumbica e Congonhas, na capital. “Viracopos tem uma vantagem que é a sua área disponível, são 25 quilômetros quadrados. Seremos um aeroporto com quatro pistas de pouso e decolagem, temos muito para crescer”, afirma Margarido.

Nova vocação

De acordo com a concessionária, a previsão é que, ao fim dos 30 anos de contrato, Viracopos tenha ampliado sua capacidade para mais de 80 milhões de passageiros, o que aponta para uma grande mudança no perfil do terminal campineiro, notabilizado pelo transporte de cargas.

Atualmente, apenas uma empresa opera voos internacionais em Viracopos: a TAP, de Portugal. Em julho, porém, a Gol deve iniciar uma rota para Miami e a Azul espera iniciar em dezembro seus voos para os EUA.

“O mercado do interior é impressionantemente grande. Nossa região é cheia de empresas de tecnologia, automotivas, farmacêuticas e outras. Viracopos tem boa acessibilidade, com as melhores rodovias do Brasil e não temos problema de trânsito”, lista o diretor. “As companhias estão vendo este potencial e já estão nos procurando”.

As obras do terminal não causam impactos na operação diária de Viracopos. O atual espaço dedicado aos passageiros será desativo assim que o novo estiver concluído – haverá um período de transição, porém, em que ambos serão utilizados.

Leonardo Lourenço, do Portal da Copa em São Paulo

Notícias Relacionadas

Terminais que tiveram obras entregues foram os melhores avaliados em levantamento realizado entre abril e junho
+
Empresa transmitiu 166 terabytes de dados no anel óptico interligando as 12 arenas da Copa ao IBC da FIFA no Rio de Janeiro
+
Governo do DF divulgou balanço de ações para a Copa do Mundo. Investimentos em segurança, turismo, mobilidade urbana e aeroporto ficam para a cidade
+
Espaços oferecem entretenimento, local para descanso, informações turísticas, internet wifi e outras comodidades para os viajantes. No Santos Dumont, 26,8 mil pessoas aproveitaram a estrutura oferecida
+