"Copa gera riquezas que ajudarão a resolver problemas estruturais da sociedade", afirma Aldo Rebelo

05/02/2014 - 18:43
Ministro do Esporte lembra que a Copa dura um mês, mas ficam como legados: aeroportos, portos, viadutos, vias de trânsito rápido, melhoria da segurança e telecomunicações

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou em artigo publicado no jornal Diário de São Paulo, que a Copa se paga, dá lucro e gera riquezas que ajudarão a resolver problemas seculares e estruturais da sociedade brasileira. O ministro lembrou que a Copa dura um mês, mas ficam como utilidade pública aeroportos, portos, viadutos, vias de trânsito rápido, melhoria da segurança e telecomunicações.

Para Rebelo, não há boa-fé nem lisura intelectual nos grupos político-partidários que boicotam o torneio da Fifa vociferando que ele desvia para o supérfluo e o adiável verbas que deveriam ser carreadas para o imediatismo da saúde e educação. De acordo com o ministro, os recursos para os setores sociais não param de crescer. De 2007 a 2013 a educação recebeu R$ 311,6 bilhões e a saúde, R$ 447 bilhões.

» Leia abaixo a íntegra do artigo:

"Seguramente existem pessoas de boa-fé que por convicções particulares ou motivações ideológicas são contra a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Com lisura intelectual, há quem ache que os investimentos feitos pelo Governo Federal seriam mais bem aplicados em saúde e educação. Eis um bom debate acerca do que é urgente e adiável ou entre o essencial e o supérfluo.

No polo radical da austeridade e até do ascetismo, se pode argumentar que são supérfluos e adiáveis a arte, os museus, os cursos de filosofia, a moda, o lazer. Alimentos do espírito, poderiam ser desdenhados em favor da melhoria da reprodução e da qualidade da vida material.

Para os devotos, é uma opção. Para os demais, um falso dilema. O processo civilizatório não antagoniza um museu a um hospital, um estádio a uma escola, um romance a um quilo de feijão. Daí que a estridência e a violência levadas às ruas contra a Copa distorcem o debate. Não há boa-fé nem lisura intelectual nos grupos político-partidários que boicotam o torneio da Fifa vociferando que ele desvia para o supérfluo e o adiável verbas que deveriam ser carreadas para o imediatismo da saúde e educação.

Primeiro, porque a Copa não é gasto a fundo perdido. É investimento e patrimônio social incomparável ao aplicado no torneio. A Copa tem um orçamento-teto de R$ 33 bilhões, a contar da escolha do Brasil em 2007. Consultorias independentes estimam que R$ 112 bilhões adicionais circularão na economia brasileira no período de 2010 a 2014. Serão criados 3,6 milhões de empregos e a população vai auferir renda extra de R$ 63,48 bilhões.

Os investimentos feitos pelo Governo Federal servem ao povo brasileiro. A Copa dura um mês, mas ficam como utilidade pública aeroportos, portos, viadutos, vias de trânsito rápido, melhoria da segurança e telecomunicações. O dinheiro repassado pelo BNDES para reforma ou construção de estádios modernos e confortáveis será devolvido como em qualquer empréstimo.

Segundo, os recursos para os setores sociais “urgentes” e “inadiáveis” não param de crescer. De 2007 a 2013 a educação recebeu R$ 311,6 bilhões e a saúde, R$ 447 bilhões. A Copa se paga, dá lucro e gera riquezas que ajudarão a resolver problemas seculares e estruturais da sociedade brasileira".

Aldo Rebelo
Ministro do Esporte

Notícias Relacionadas

Mundial de futebol quebrou recordes históricos e se tornou o evento mais comentado do ano nas redes sociais em todo o mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+