Crônicas de Nelson Rodrigues: O time nacional tem que se achar o melhor do mundo

29/05/2014 - 17:37
Os textos foram publicados no livro “A Pátria de Chuteiras”, lançado em 9 de dezembro de 2013. São 40 crônicas selecionadas em um trabalho de pesquisa de mais de um ano

O Portal da Copa publica, até o mês de junho, às vésperas da Copa do Mundo, uma série de crônicas escritas por Nelson Rodrigues entre as décadas de 1950 e 1970. Os textos foram reunidos no livro “A Pátria de Chuteiras”, lançado em 9 de dezembro de 2013 pelo ministro do Esporte, Aldo Rebelo. São 40 crônicas selecionadas em um trabalho de pesquisa de mais de um ano. O futebol foi a metáfora utilizada por Nelson Rodrigues para a apresentação e a divulgação de um Brasil eficiente e vitorioso.

Confira abaixo a trigésima sétima crônica da série: "O time nacional tem que se achar o melhor do mundo".

O time nacional tem que se achar o melhor do mundo1

“Para a seleção render cem por cento, ou mil por cento, precisa acreditar no Brasil. Essa é a primeira providência. Segunda: — acreditar em si mesmo. E mais: — o time nacional tem que se achar o melhor do mundo.”

 Amigos, tenho conhecido o que os amigos chamam, com a maior naturalidade, de “a besta”. E ele tem um tal hábito de ser chamado assim que, certa vez, disca para a namorada e começa: — “Norminha? Aqui é ‘a besta’.” A própria namorada o apresentou: — “Papai, aqui é ‘a besta’.” O velho não estranhou. Achou normal ter, como genro, “uma besta”.

Dirão vocês: — “Isso é literatura!” E se o fosse, não seria demérito. Mas eu digo que esse rapaz não podia ser apontado, não como “um brasileiro”, mas como “o brasileiro”. Pois bem. Um dia, vou ver um colega em outra redação. E, lá, quem vejo eu, datilografando uma crônica sobre o escrete. Também os companheiros o chamavam de “a besta”.

“A besta” podia se considerar um brasileiro autêntico. No fundo, no fundo, somos assim. O brasileiro não acredita em si mesmo. Se o chamam de “a besta”, como tal se considera. Na minha crônica de ontem, escrevi: — “O brasileiro ou acredita em si mesmo ou cai de quatro.” Por isso, repito que o problema de Coutinho não é tático, nem técnico. É, se assim posso dizer, psicológico.

Para a seleção render cem por cento, ou mil por cento, precisa acreditar no Brasil. Essa é a primeira providência. Segunda: — acreditar em si mesmo. E mais: — o time nacional tem que se achar o melhor do mundo.

»Confira a íntegra do livro

Bem sei que, em nossa época, o cronista-patriota causa um divertido horror. Quantas vezes nós, cronistas, falamos, com o maior desprezo, em patriotada. Sou um dos poucos que aceitam a patriotada com a maior satisfação.

Outro dia, um cretino fundamental me chamou de patriota. E, realmente, quando se trata do time nacional, me sinto de esporas e penacho.

E, no entanto, os jogadores brasileiros já acreditaram no Brasil. Foi na minha pré-adolescência. Era o tempo de Luiz Vinhais, patriota de alto a baixo. Lembro-me de uma partida internacional que houve aqui.

Era o Brasil com não sei quem, provavelmente a Argentina. Ou seria Uruguai? Começa a batalha, e o Brasil estava jogando sem alma, sem paixão. O adversário fez um gol. Nem assim reagimos. Pouco depois, novo gol. Acabou o primeiro tempo, com o Brasil perdendo por 2 a 0. Eu, no meu canto, via aquilo como a progressão fulminante da catástrofe.

Mas, no vestiário, estava Luiz Vinhais, ventando fogo. Ergueu o gesto inspirado e apelou para o patriotismo. Era como se o escrete fosse o próprio Brasil. Abriu uma bandeira da pátria. Fez cada jogador beijar a bandeira. Um dos craques debulhou-se em lágrimas, como se dizia antigamente. E diz Luiz Vinhais, com o olhar vazando luz: — “Podem ir, porque vamos vencer.” Não deu outra coisa. Esmagamos o adversário. Cinco a dois foi o escore da nossa vitória. Os cretinos fundamentais poderão dizer: — “Ridículo.” E daí? Com um mínimo de ridículo não há herói, não há santo, não há profeta.

O Globo, 23/7/1977

(1) Título sugerido pela edição do livro Brasil em campo (Nova Fronteira, 2012). A crônica foi publicada originalmente sem título. (N.E.)

Notícias Relacionadas

Música oficial levantou a torcida no ato final do espetáculo. Na introdução da canção, Claudia Leitte interpretou Aquarela do Brasil. Demonstração do projeto Andar de Novo foi realizada com êxito
+
Presidenta enviou mensagem aos comandados de Felipão, que estreiam amanhã contra Croácia
+
Os textos foram publicados no livro “A Pátria de Chuteiras”, lançado em 9 de dezembro de 2013. São 40 crônicas selecionadas em um trabalho de pesquisa de mais de um ano
+
Ferramenta está disponível na internet e esclarece conceitos ligados ao Mundial, permitindo a visualização de cenas evocadas pelas palavras e sentenças buscadas
+