"Demos o nosso melhor e saímos de cabeça erguida", diz Cristiano Ronaldo

26/06/2014 - 17:43
Após eliminação, técnico africano lamenta as oportunidades perdidas e treinador português assume a culpa

Getty Images#No mundo dos esportes, um dos cenários mais desconfortáveis que um atleta ou uma equipe pode enfrentar é se ver em uma situação em que o próprio esforço não é o bastante para que um determinado objetivo seja alcançado. Nesse sentido, a partida entre Portugal e Gana, disputada na tarde desta quinta-feira (26.06), no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, era um caso clássico. Mesmo antes de a bola rolar, o destino dos dois times estava diretamente ligado ao que aconteceria em Recife, no duelo entre Alemanha e Estados Unidos, que teve início às 13h, mesmo horário da partida na capital.

» Portugal se despede com vitória sobre Gana e gol de Cristiano Ronaldo

Em Pernambuco, um empate seria responsável por eliminar tanto os portugueses quanto os africanos da Copa do Mundo. Assim, em Brasília, além de fazer o dever de casa e superar o rival, as duas equipes precisavam torcer para que a Alemanha derrotasse, de preferência por uma goleada, os norte-americanos.

Entretanto, não foi isso o que ocorreu. A vitória por 1 x 0 da Alemanha, somada ao triunfo por 2 x 1 de Portugal, classificou os alemães e os norte-americanos (pelo saldo de gols) para as oitavas de final e selou o destino de portugueses e ganenses, que voltam para casa sem atingir o objetivo de avançar para a fase de mata-mata do Mundial no Brasil.

Em campo, Portugal abriu o placar aos 30 minutos do primeiro tempo, depois que o zagueiro John Boye marcou contra ao tentar cortar um cruzamento de Veloso. No segundo tempo, que reservou as maiores emoções do duelo, Gana chegou ao empate aos 11 minutos, quando, após um cruzamento, o atacante Asamoah Gyan estufou as redes.

Naquele momento, com a Alemanha vencendo por 1 x 0, Gana precisava de apenas mais um gol para se classificar e eliminar os Estados Unidos. Mas foi Portugal quem marcou, com Cristiano Ronaldo, aos 34 minutos, após uma rebatida do goleiro Dauda. Cristiano Ronaldo ainda teria duas chances claras de ampliar, mas não as converteu e o resultado de 2 x 1 acabou sendo ruim para os dois times.

Classificada em primeiro lugar do grupo G, a Alemanha aguarda, agora, a definição do Grupo H para conhecer seu rival para a partida do dia 30 de junho, em Porto Alegre. Os alemães enfrentam quem se classificar em segundo lugar na outra chave. Já os Estados Unidos voltam a jogar no dia 1º de julho, em Salvador, contra quem se classificar em primeiro lugar do Grupo H.

Derrota para a Alemanha abalou Portugal

Eleito o melhor jogador da partida, Cristiano Ronaldo, visivelmente chateado, fez um breve balanço da participação de Portugal na Copa do Mundo do Brasil e deixou o estádio sem falar com os jornalistas. “Tivemos muitas oportunidades (contra Gana) e não conseguimos concretizar. Demos o nosso melhor e saímos de cabeça erguida. Acho que merecíamos mais (em relação ao placar contra Gana), mas futebol é assim”, analisou o astro, melhor jogador do mundo na atualidade.

Getty Images#Já o técnico português, Paulo Bento, foi claro ao dizer que não foi a partida contra Gana que selou o destino de sua seleção e, sim, a derrota para a Alemanha por 4 x 0, na estreia dos dois times, em Salvador. “O fator determinante, o que mais influenciou, foi o que se passou no primeiro jogo. Foi o que deixou mais marcas em nossa preparação”, reconheceu.

Indagado sobre o que tinha a dizer a respeito das chances desperdiçadas por Cristiano Ronaldo contra Gana, Paulo Bento partiu em defesa do jogador. “Não me parece justo, sequer importante, individualizar as questões. Cometemos um conjunto de erros ao longo desses três jogos que acabaram por nos penalizar. A responsabilidade dessa falha nesse objetivo (o da classificação às oitavas de final) é minha. O fato de hoje termos falhado em algumas oportunidades não me permite responsabilizar quem quer que seja”, ressaltou.

Já o técnico de Gana, James Appiah, lamentou o destino de sua seleção. “Eles (os torcedores em Gana) teriam adorado ver a seleção avançando às oitavas de final. Tudo o que eu posso dizer é que é uma pena. Foi uma pena não termos aproveitado as nossas oportunidades.”

Festa no estádio

A quarta das sete partidas da Copa do Mundo em Brasília foi marcada, mais uma vez, por um ótimo público no Estádio Mané Garrincha. No total, 67.540 pessoas compareceram ao estádio e tanto torcedores de Portugal como de Gana sabiam que a classificação para as oitavas de final seria algo difícil para as duas equipes e, por isso, mostraram resignação.

Portugueses e vivendo no Brasil desde o início da década de 1960, Antônio Dias Felipe e a esposa, Maria Odete de Souza, vieram de São Paulo com os três filhos, um genro e um neto só para acompanhar o jogo entre Portugal e Gana.

Depois do primeiro tempo, Antônio parecia não ter mais fé em uma classificação da seleção portuguesa. “O time está muito ineficiente. O Cristiano Ronaldo não está bem e o time depende dele. Acho impossível o time classificar”, lamentou.

Apesar disso, Antônio e família curtiram a experiência de poder ver mais um jogo da Copa do Mundo em um estádio. “Nós assistimos à abertura em São Paulo e agora viemos a Brasília para essa partida. A organização da Copa está muito boa. Os estádios estão muito bonitos, o acesso tem sido fácil e, então, estamos gostando muito”, elogiou.

Vestido com a camisa de Gana, o sul-africano Eric Mathi, que mora em Atlanta, nos Estados Unidos, torcia pelo time africano, mas, assim como Antônio, não acreditava na classificação de Gana. “Não acho que eles vão conseguir”, disse no intervalo do primeiro para o segundo tempo. Eric, entretanto, tinha um alento. “Se Gana não conseguir, torço para que os Estados Unidos fiquem com uma vaga. Se isso acontecer vou ficar feliz”, explicou.

Em sua primeira visita ao Brasil, Eric compartilhava com a família de Antônio as opiniões sobre a organização da Copa do Mundo FIFA 2014. “Tudo tem sido muito tranquilo. Antes de vir para Brasília estive em São Paulo e ainda vou conhecer Salvador e o Rio de Janeiro. As pessoas são muito amigáveis. Fui à Fan Fest em São Paulo e gostei muito. Achei essa Copa bem organizada e acho que o Brasil fez um bom trabalho”, avaliou.

Luiz Roberto Magalhães/Portal da Copa#O casal de portugueses Antônio Dias Felipe e Maria Odete de Souza e o sul-africano Eric Mathi elogiaram a organização da Copa

Brasília - Estádio Nacional Mané Garrincha - Portugal x Gana - Jogo

Brasília - Estádio Nacional Mané Garrincha - Portugal x Gana - Jogo

Luiz Roberto Magalhães, do Portal da Copa em Brasília

Notícias Relacionadas

No período do Mundial, a capital federal recebeu 633 mil visitantes, sendo 488.903 brasileiros e 143.743 estrangeiros. Números superaram as estimativas iniciais
+
Estrangeiros e brasileiros de outras partes do país visitam marcos arquitetônicos da capital federal
+
Profissionais federais e distritais trabalharão juntos em evento que terá 19 chefes de Estado
+