Do pátio de obras à arquibancada: o sonho realizado de Carlos Tadeu no Beira-Rio

15/06/2014 - 15:38
As cores de França e Honduras, que jogam neste domingo em Porto Alegre, coloriram a cidade desde cedo

Atualizada às 17h

Fotos: Claudio Medaglia/ Portal da Copa#

O confronto entre França e Honduras, às 16h deste domingo (15.06), coloriu Porto Alegre. Desde cedo, bandeiras dos dois países, flâmulas, cachecóis e outros adornos tomaram as principais vias de acesso ao estádio Beira-Rio. No caminho, o tema do futebol mesclou abraços e provocações entre torcedores das duas seleções e fãs de outras equipes, que estão no Rio Grande do Sul para o confronto. O clima esquenta no ritmo em que as cadeiras do estádio vão sendo ocupadas. E um torcedor, em especial, não esconde o entusiasmo.

Carlos Tadeu Nascimento de Oliveira, 49 anos, foi um dos operários contratados pela construtora Andrade Gutierrez para reformar o palco gaúcho da Copa do Mundo. "Ficou lindo. Valeu a pena todo aquele trabalho" disse, ao entrar e ver o resultado do esforço. Contemplado com um ingresso para a partida, ele buscava se enturmar com os estrangeiros antes de a bola rolar. Posou para foto com franceses. E buscava alguma lembrança para guardar como recordação.

Quando viu Anne-cecile Gadras e os amigos Stephane Lopes, Stef e Seb Buchert, Stéphanie e Fabrice Pigeroulet no pátio, correu para admirar o cachecol de um deles. Ao saberem que ele havia atuado na obra do novo Beira Rio, os franceses o parabenizaram. E na sequência deram o palpite para o jogo: qualquer vitória da França serve.

Pelo lado de Honduras, muitos apostavam em uma surpresa e na vitória. Tania Mejia e Ninmer Romero acreditavam em 2 a 1. "Aqui fora somos todos amigos, mas em campo será uma guerra. Queremos vencer", disse ela.

Já dentro do estádio, os torcedores, que na rua pareciam mais identificados com os europeus, começaram a mostrar apoio a Honduras. Aplausos e vaias pontuaram a entrada do goleiro e capitão da França, Lloris, para o aquecimento no gramado. E uma ovação aos hondurenhos foram o ponto alto do pré-jogo.

Carlos, por sua vez, está torcendo para a França: há muitos franceses ao seu lado, vibrando muito, e o operário entrou no clima. Mas o mais importante, para ele, não é o resultado: "Já está sendo uma experiência única. É maravilhoso estar aqui hoje", finalizou.

Claudio Medaglia, do Portal da Copa em Porto Alegre

Notícias Relacionadas

Aeroportos, segurança pública e atrativos turísticos têm mais de 80% de aprovação entre os profissionais de imprensa
+
Ao todo, 1,6 milhão de passageiros passaram pelos terminais entre 10/6 e 13/7. A cada 10 passageiros que desembarcaram no país, um passou pela capital
+
Principais emissores de turistas foram Argentina, Chile, Colômbia e Estados Unidos
+