Equipamentos das Forças Armadas que serão utilizados durante a Copa chegam à Bahia

20/05/2014 - 11:12
Navio Almirante Saboia atracou em Salvador com tropa de fuzileiros navais, motocicletas, veículos, armamentos, explosivos e cães farejadores da Marinha, que vão participar da Operação de Defesa para o Mundial

Carol Dias/Secom-BA/Divulgação#

O navio Almirante Saboia atracou nesta segunda-feira (19.05), na Base Naval de Aratu, em Salvador (BA), com a tropa de fuzileiros navais e equipamentos que serão utilizados durante a Operação de Defesa montada pelas Forças Armadas para a Copa do Mundo 2014. Entre os materiais vindos do Rio de Janeiro estão motocicletas, veículos, armamentos, explosivos e cães farejadores da Marinha que irão reforçar a segurança na Bahia durante o Mundial.

As tropas das Forças Armadas atuarão no controle do espaço aéreo e monitoramento terrestre, incluindo patrulhamento contra ameaças químicas, biológicas e nucleares, além de ações antiterroristas, monitoramento das fronteiras e segurança cibernética. Até o fim deste mês as Forças Armadas enviarão mais tropas a Salvador.

“Serão cerca de 2,3 mil homens, além de viaturas, aeronaves e outros dispositivos, que devem ser usados para a segurança da Copa”, adianta o comandante do 2º Distrito Naval, Flávio Almeida. O efetivo também contará com mais de 18 mil policiais e bombeiros militares, e aproximadamente 1,5 mil agentes da Polícia Civil.

Os militares da Marinha, Exército e Aeronáutica irão trabalhar integrados a órgãos locais como a Secretaria da Segurança Pública (SSP), polícias Militar, Civil, Rodoviária e Federal, Guarda Municipal, órgãos de trânsito e Defesa Civil. No próximo dia 4 haverá um ensaio geral das tropas para testar os planos de segurança para a Copa.

Comitê Executivo
Na semana passada, foi realizada a primeira reunião do Comitê Executivo de Segurança Integrado Regional (Cesir), que vai comandar as atividades no estado, desde o planejamento até depois do término do Mundial, para garantir que a Copa ocorra com tranquilidade.

Coordenado pela Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP-BA), o comitê é formado pelas instâncias de Segurança Pública, cujo secretário estadual é Maurício Barbosa; Defesa, comandada pelo vice-almirante do 2º Distrito Naval, Luiz Henrique Caroli; e Polícia Federal, pelo superintendente da PF na Bahia, César Augusto Toselli.

O secretário Maurício Barbosa está confiante no trabalho desempenhado pelo grupo. “A segurança da Bahia em grandes eventos já foi muito bem avaliada em outros episódios, como na Copa das Confederações e no sorteio final da Copa do Mundo (na Costa do Sauípe)”, afirmou.

Forças Armadas/Divulgação#Quatro áreas
Além de Salvador, outras estratégias foram montadas para as cidades que receberão as delegações, como Mata de São João, Santa Cruz Cabrália e Porto Seguro. O esquema de segurança na Bahia foi dividido em quatro áreas específicas de segurança: Forças Naval e Terrestre, Centros de Coordenação Tático Integrado e de Operações Aéreas.

A orla marítima de Salvador e o interior da Baía de Todos os Santos serão patrulhados por 650 homens da Marinha com uma fragata que contará com um helicóptero UH-12 (Esquilo) embarcado, uma corveta, dois navios-patrulha, dois navios-varredores, um aviso-de-patrulha e dez embarcações de Inspeção Naval da Capitania dos Portos. A ação vai combater ameaças vindas do mar e de rios e a fiscalizar embarcações suspeitas.

O Exército vai atuar com 1.115 agentes na proteção de estruturas estratégicas, como subestações de energia e abastecimento de água, torres de telecomunicações e outros locais que estejam ligados diretamente ao evento. Parte deles estará em prontidão para atender situações de emergência e solucionar momentos de crise e podem ser acionados pelo governador do estado ou pela Presidência da República.

O espaço aéreo de Salvador também será controlado pelas tropas das Forças Armadas e, durante dias de jogos e eventos oficiais, terá áreas restritas. Serão criadas três zonas de exclusão em diferentes distâncias dos locais onde são realizados os jogos, nas quais o acesso a aeronaves ficará restrito. Essas zonas serão ativadas uma hora antes dos jogos e desativadas em até quatro horas do final da partida.

Como o Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães fica a um raio maior do que a distância de restrição das Forças Armadas, os embarques e desembarques de voos comerciais em Salvador não devem ser prejudicados. Estão envolvidos nessas ações 220 militares da Força Aérea Brasileira, dois caças F-5, dois caças A-29 (super tucano), um helicóptero H-60 (blackhawk) e uma aeronave de alerta aéreo antecipado E-99.

Centro de Coordenação Tático Integrado
Mais 135 militares irão atuar em ações que exigem um treinamento específico, como a defesa contra ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares. O grupo vai vistoriar estádios, centros de treinamento, aeroporto, base aérea e comboios das delegações oficiais para assegurar que não haja material suspeito que coloque em risco a vida das pessoas.

Outros militares especializados estarão empenhados no patrulhamento com helicópteros e combate a ações terroristas, treinados para lidar com situações extremas, como desarme de bombas ou armas químicas. O centro vai contar com viaturas, um helicóptero Super Puma e equipamentos especiais para varreduras das estruturas estratégicas.

Forças Armadas/Divulgação#

Mellyna Reis, do Portal da Copa em Salvador (BA)

Notícias Relacionadas

Estudo revela que a ocupação hoteleira na cidade bateu recordes, chegando a 72,26% no período do Mundial
+
Cidade hospedou campeões mundiais durante a Copa do Mundo e recebeu legados como Centro de Treinamento e promoção da imagem local
+
Tour 100% apresenta os bastidores do equipamento multiuso aos visitantes
+
Ainda foram usadas 2.667 viaturas e 481 motos. Na defesa aeroespacial foram 114 ações, além de outras 5.303 de defesa naval
+