Estilo de jogo da Espanha conquista torcedores mirins

20/06/2013 - 16:36
Crianças apontam Xavi e Iniesta como ídolos e desfilam com camisas da "Fúria" e do Barcelona antes do jogo no Maracanã. Todos apostam em goleada histórica

Fotos: Gabriel Fialho/ Portal da Copa#Pais levam filhos ao jogo entre Taiti e Espanha, no Maracanã, e optam por deslocamento via metrô. Artur, com camisa azul-grená do Barcelona, e Tiago, com camisa negra do time catalão, apostam em goleada da Fúria

Pelé, Zico, Romário, Ronaldo... se os ídolos das gerações passadas eram jogadores brasileiros, parece que a referência das crianças e jovens de hoje, pelo menos em parte, passou a ser os atletas espanhóis. Os favoritos dos torcedores mirins são os meias da “Fúria” e do Barcelona Andres Iniesta e Xavi Hernadez. A explicação é simples: o estilo de jogo das equipes encanta os amantes do futebol.

No entanto, o técnico Vicente del Bosque frustrou a expectativa da maioria, ao escalar a equipe reserva, sem os craques. Artur Nasseh, 10 anos, não escondeu a decepção no metrô a caminho do Maracanã. “Torço pelo Flamengo e pelo Barcelona, queria ver o Xavi e o Iniesta, mas não vão jogar”, disse o pequeno centroavante. Mas hoje foi dia de sair com a camisa do time catalão. “Gosto do Barça, porque joga bem, toca muito a bola”.

#Valentina e Marina no trajeto para o estádioPerguntado se o Taiti ia pegar na bola contra a Fúria, ele sorriu: “Acho que não”, para em seguida dar o palpite: 6 x 0. Ao lado estava o irmão, Tiago, de 8 anos, também com o uniforme do Barcelona, que arriscou um 5 x 0. Os dois estavam acompanhados pelo pai, Jorge, que trabalha no mercado financeiro, e duas amigas, Mônica Banã e Luísa Lamas, tradutores e descendentes de espanhóis. Elas também levaram as filhas ao estádio. Marina Lamas, uma delas, com 11 anos, disse que vai torcer pela Espanha, justamente pelos laços familiares.

Ela acredita que o Taiti vai marcar pelo menos um gol. “A Espanha vai ser bondosa”, afirmou, para depois dar seu palpite: 5 x 1. Diferente dos meninos, o atleta favorito dela é Gerard Piqué, por motivos não futebolísticos. “Gosto mais dele, porque é o mais bonito e é casado com a Shakira, uma das minha cantoras favoritas”. Marina quer que a artista colombiana faça uma música para a Copa de 2014, assim como aconteceu na África do Sul em 2010.

A amiguinha de 8 anos, Valentina Baña, vai pela segunda vez ao Maracanã, a primeira foi no evento-teste entre Brasil e Inglaterra. Torcedora do Fluminense, ela gostou da sua estreia no estádio, principalmente por um motivo: “o Fred fez gol”, referindo-se ao atacante do tricolor e da Seleção.

 

#Pablo Darma, torcedor do Real com camisa do Barça, Miguel Lenze, vestido com o uniforme da Espanha, Antônio Porto e André Assis, torcerão pelo Taiti

Mas também tem que torça pelos taitianos. Antônio Porto e André Assis, ambos com 11 anos, disseram que o motivo é a fragilidade da equipe. “O Taiti é muito ruim, quero que ele faça um gol”, comentou Antônio, que arriscou um 7 x 1. André disse que até o clube de coração dele, o Flamengo, ganharia dos taitianos, mas também quer um gol da seleção da Oceania e diz que vai ser 5 x 1.

Miguel Lenze, de 8 anos, é outro que deseja um tento do Taiti, mesmo vestindo o uniforme espanhol. “Vai ser 8 x 1”, cravou, para completar com o nome que ele gostaria de ver em campo: “Xavi”. Junto a eles, Pablo Darma, 12 anos, disse que torce pelo Real Madri, mesmo com o uniforme do Barcelona, e acredita em 5 x 0.

Deslocamento

Jorge, Mônica e Luísa optaram por levar os filhos de metrô, porque, segundo eles, é mais prático e rápido. Eles entraram na estação Siqueira Campos por volta de 13h45, trocaram de vagão, da linha 1 para a linha 2, na estação Uruguaiana, e desceram na Maracanã, em frente à passarela da UERJ, de onde já se pode avistar o estádio. O trajeto durou cerca de 45 minutos, sem maiores contratempos, apesar dos vagões estarem cheios.

Após atravessarem a passarela, o grupo pediu informações aos orientadores sobre qual portão deveria se dirigir e, em seguida, se dividiu. Os ingressos eram em setores diferentes. Jorge Nasseh, no entanto, reclamou que fez uma mesma compra para ele e os dois filhos, Artur e Tiago, mas que os assentos estavam distantes um do outro. "Reclamei com os responsáveis, mas não me deram solução. Vou tentar trocar de lugar com alguém ou coloco eles no colo", lamentou. 

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+