Almoço de confraternização reúne ex-campeões mundiais e ministro do Esporte

25/04/2013 - 17:00
Evento foi organizado pela Associação dos Campeões Mundiais de Futebol. Ex-atletas que integraram as campanhas vitoriosas de 1958, 1962 e 1970 receberam, na última semana, R$ 100 mil do governo federal, como previsto na Lei Geral da Copa

Um almoço de confraternização entre os campeões mundiais de futebol pela Seleção Brasileira e o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, selou o repasse de um prêmio de R$ 100 mil aos atletas que participaram das conquistas nas Copas de 1958, 1962 e 1970. O evento, realizado nesta quinta-feira (25.04), no estádio do Morumbi, em São Paulo, reuniu vários craques do passado. Estiveram presentes os ex-jogadores da Seleção Brasileira Dino Sani (1958), Pelé (1958/62/70), Pepe (1958/62), Zito (1958/62), Coutinho (1962), Jair da Costa (1962), Mengálvio (1962), Ado (1970), Zé Maria (1970), Clodoaldo (1970), Edu (1970), Joel (1970), Rivellino (1970), Cafu (1994/2002), Gilmar Rinaldi (1994), Müller (1994), Paulo Sérgio (1994), Juninho Paulista (2002), Denilson (2002) e Zetti (1994).

A premiação aos ex-jogadores foi paga na semana passada, como reconhecimento pela contribuição ao esporte e ao futebol brasileiro. No total, 51 jogadores – ou seus sucessores legais – têm direito a receber o valor em parcela única. O ex-atacante Tostão abriu mão de receber o prêmio. Os ex-atletas ou familiares que tiverem necessidade receberão ainda auxílio especial mensal da Previdência Social, conforme determina a Lei Geral da Copa.

O encontro foi organizado pela Associação dos Campeões Mundiais de Futebol. "Eu cresci vendo todos esses campeões e sei que muitos deles hoje têm problemas financeiros ou de saúde. Por meu pai ter sido um deles, eu tenho um carinho especial. A grande maioria eu até chamo de tio", afirmou o presidente da Associação dos Campeões Mundiais, Marcelo Neves. Marcelo é filho de Gilmar Neves, que foi o goleiro titular da seleção campeã do mundo em 1958 e 1962.

Fotos: Glauber Queiroz/Ministério do Esporte#

» Veja galeria de fotos do encontro

"Acho que isso é um gesto para a dignidade do país, porque o país que não sabe reconhecer e homenagear os seus filhos mais destacados, mais importantes, que elevaram mais alto o nome da pátria, perde a dignidade. Então é a dignidade do nosso país que está em jogo. Quando você vê o campeão abandonado, em situação difícil, eu acho que isso afeta a dignidade da nossa pátria, do nosso povo", disse o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

O ministro também afirmou que a premiação não é um ato do governo brasileiro, mas da sociedade brasileira, do povo. "Sei que cada brasileiro, do homem mais humildade ao mais importante, todos se sentem representados nesse gesto, nesse carinho, nesse reconhecimento", completou.

Campeão em 1958 e 1962, Pepe lembrou que alguns dos jogadores que lutaram para levar o Brasil às primeiras conquistas no futebol mundial hoje passam por dificuldades. "Graças a deus nós estamos ainda bem, com saúde, mas existem muitos amigos nossos, ex-atletas, que têm problema de saúde e dificuldades. De maneira que a gente fica muito feliz de ver recompensado todo o esforço que nós fizemos", disse. O sentimento foi partilhado por Clodoaldo, que fez parte da seleção que encantou o mundo em 1970, no México.

"É com muito orgulho que nós recebemos essa notícia e esse reconhecimento do Ministério do Esporte", disse o ex-jogador do Santos.

Mesmo os campeões mundiais que não foram beneficiados pelo prêmio fizeram questão de destacar a importância da iniciativa. Cafu, que conquistou a Copa do Mundo duas vezes, em 1994 e 2002, exaltou o reconhecimento aos colegas. "É uma oportunidade ímpar e fantástica. Rever as pessoas que fizeram a história do nosso país, a história do futebol. Para mim é uma honra enorme estar aqui do lado desses meninos de cabelos brancos. Eu acho que essa aposentadoria é um pequeno reconhecimento em relação à grandeza que eles fizeram para nós. Acho que outras homenagens devem ser feitas", disse o capitão do penta.

Pelé
Bastante assediado pela imprensa, Pelé cumprimentou o ministro, os colegas e aproveitou para falar rapidamente sobre suas expectativas em relação à Seleção Brasileira e à Copa do Mundo de 2014. Sobre as obras nos estádios para a competição, o eterno camisa 10 do time canarinho disse não estar preocupado. "Eu acho que essa questão não vai ser o grande problema. Nós não podemos perder a oportunidade, porque são três eventos importantíssimos (Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas), para o crescimento do país", disse.

Quanto ao desempenho do Brasil na Copa do Mundo, Pelé também se mostrou tranquilo. "O Brasil foi campeão em 1970 praticamente invicto, nas Eliminatórias, e muita gente naquela época dizia que o Pelé, o Gérson, o Tostão, o Rivelino não podiam jogar juntos, porque eles eram os 10 de suas equipes. Mas a gente tinha treinado, o time estava treinado. Então, se treinar, nós vamos ter uma grande equipe", previu o Rei.

Leia também:

» Ministério do Esporte faz o pagamento de prêmio aos campeões mundiais de 1958, 1962 e 1970

Mateus Baeta - Portal da Copa     

Notícias Relacionadas

Diretora da Unaids no Brasil se encontrou nesta terça com o ministro do Esporte, que assinou a bola que simboliza a iniciativa. Um exemplar com as rubricas da presidenta Dilma e de outros chefes de Estado será levado para a Assembleia Geral da ONU
+
Equipamentos substituem luminosidade do sol, favorecendo a germinação da grama
+
Estádio da abertura da Copa já rendeu R$ 6,8 milhões aos cofres corintianos, enquanto em 11 partidas como mandante neste ano, fora de Itaquera, o clube arrecadou R$ 3,2 milhões
+