Fortaleza traça plano de reciclagem e destinação adequada de resíduos para a Copa

30/01/2014 - 10:35
Coleta seletiva, parcerias com catadores e operações especiais na orla integram o legado de conscientização ambiental

Uma das condições para que as construtoras dos estádios da Copa do Mundo conseguissem empréstimo para financiamento da obra junto ao BNDES era que as arenas fossem erguidas com práticas sustentáveis e que buscassem certificação ambiental do empreendimento. Um das consequências disso, em Fortaleza, é que desde junho de 2013 a coleta seletiva de resíduos se tornou prática nas atividades do Castelão.

Todo resíduo seco produzido em dias de jogos é doado a catadores e reciclados. “Os resíduos são previamente selecionados por uma empresa contratada pela arena. Depois da triagem, são doados para reciclagem. Já foram recicladas 67 toneladas de lixo. Estamos pensando na destinação final do resíduo. A ideia é garantir a continuidade”, afirma Edilene Oliveira, gerente da Célula de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Urbanismo e Ambiente de Fortaleza.

Nesta quarta-feira (29.01), gestores municipais e estaduais reuniram-se para traçar o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos do Mundial na capital cearense. Foram avaliadas as ações a serem desenvolvidas no evento, a partir de uma avaliação da Copa das Confederações.

Segundo Sérgio Firmeza, engenheiro da Empresa Municipal de Limpeza e Urbanização (Emlurb), o planejamento para os dias de jogos é trabalhar com 140 garis com a função de realizar a limpeza do perímetro de segurança do estádio. Em outra frente, uma parceria será firmada com a Associação de Catadores do Jangurussu e a Rede de Catadores do Ceará. O entorno da Arena será equipado com contêineres para material reciclável e resíduos secos. Já na orla da cidade, o plano é ter um controle rígido da geração de resíduos entre a Beira Mar e a Praia de Iracema, região que recebe maior fluxo de turistas e onde acontecerá a Fan Fest.

“Temos ali mais de 100 barracas fixas e cerca de 300 vendedores ambulantes. Já temos questões como cadastro, exigência de recipientes para lixo e treinamento da vigilância sanitária, mas teremos de fazer um controle maior”, afirmou Davi Teixeira, representante da Secretaria Executiva Regional II. Uma empresa particular será contratada para destinar adequadamente os resíduos gerados pela Fan Fest.

A partir da reunião, um plano integrado das ações será consolidado. Assim, cada órgão saberá de forma detalhada as suas responsabilidades. Prática similar será adotada nas outras 11 sedes. Em Fortaleza, participaram das discussões representantes do Ministério do Meio Ambiente, da Secretaria Municipal Extraordinária da Copa (Secopafor), Secretaria Especial da Copa (Secopa-CE), Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam), (Emlurb), Ecofor, Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Regional II e Regional VI, Autarquia de Regulação, Fiscalização e Controle dos Serviços Público de Saneamento Ambiental de Fortaleza (ACFOR) e a Rede de Catadores do Ceará.

Fonte: Secopafor

 

Notícias Relacionadas

Estádio de Natal é o nono dos utilizados durante a Copa a obter o selo
+
Arena é a sétima construída para a Copa do Mundo a ter selo que atesta adoção de medidas sustentáveis na edificação. Capital gaúcha passa a ter dois palcos com registro do Green Building Council
+
Cooperativas de catadores atuaram nos 12 estádios do Mundial para a recuperação e separação dos resíduos deixados pelos torcedores durante os jogos
+
Na arena Castelão, foram 49,4 toneladas, enquanto na Fan Fest foram outras 41,4 toneladas. Atividade envolveu 350 catadores de 17 instituições
+