Holanda vence o Brasil por 3 x 0 e garante o terceiro lugar da Copa de 2014

12/07/2014 - 18:54
Gols foram de Van Persie, Blind e Wijnaldum. Seleção anfitriã encerra o Mundial com a quarta colocação

Getty Images#

A Holanda envolveu e venceu a Seleção Brasileira com autoridade, por 3 x 0, neste sábado (12.07), no Estádio Nacional Mané Garrincha, e garantiu o terceiro lugar na Copa do Mundo da FIFA 2014.

Restou ao Brasil a quarta colocação e uma campanha marcada por 14 gols sofridos em sete jogos, dez deles nos últimos dois jogos. O pior desempenho para uma defesa na história da Seleção Brasileira em Copas do Mundo. O ataque marcou 11 vezes. No saldo final, vitórias com a bola rolando apenas diante de Croácia, Camarões e Colômbia. Houve dois empates, contra México e Chile (partida que o Brasil venceu na disputa de pênaltis) e as derrotas contundentes na semifinal, contra a Alemanha, e na busca pelo bronze, diante da Holanda. A equipe europeia, aliás, termina a Copa de forma invicta, já que a derrota para a Argentina na semifinal só veio nos pênaltis. 

» Felipão defende jogadores, ressalta a organização e faz mistério sobre o futuro

» Holandeses agradecem carinho brasileiro e elogiam organização

» Despedida do Brasil é marcada por forte apoio da torcida em Brasília

"Nós tentamos de tudo, criamos chances, mas não conseguimos. Ficamos tristes, muito tristes, por não termos conseguido o nosso objetivo e por termos deixado os torcedores tristes também. Não sei dizer o que aconteceu, mas já estávamos atrás com dois minutos de jogo. Correr atrás é sempre muito difícil", afirmou o meia Oscar, ao fim da partida. "Não era o que imaginávamos. Treinamos, mentalizei cada partida, desejei demais conquistar esse título. É muito triste para nós, para a torcida e para nossos familiares", comentou o zagueiro Thiago Silva. 

O primeiro gol holandês saiu logo no início, com dois minutos de jogo, em pênalti cobrado por Van Persie. O segundo foi marcado por Blind aproveitando um erro de David Luiz, aos 16 do primeiro tempo. Wijnaldum fez o terceiro já nos acréscimos da etapa final.

Clima

Camisas amarelas, sim. Cartazes e faixas de incentivo, alguns. Gritos de apoio, presentes. Hino a capela, como sempre. Mas faltava o brilho nos olhos, a empolgação. De qualquer forma, era a despedida da Seleção e o suporte dos torcedores, pelo menos de início, existiu. O público foi de 68.034 pessoas.

O Brasil entrou em campo com seis mudanças em relação ao time que iniciou a partida contra a Alemanha, povoando o meio-campo: Julio Cesar; Maicon, Thiago Silva, David Luiz, Maxwell; Luiz Gustavo, Paulinho, Ramires, Oscar e Willian; Jô. A escalação inicial da Holanda foi: Cillessen; De Vrij, Vlaar, Indi; Kuyt, Wijnaldum, Clasie, Blind, De Guzmán; Van Persie e Robben. O meia Sneijder chegou a fazer o aquecimento, mas sentiu dores e não ficou no time titular.

Primeiro tempo

Uma arrancada de Robben antes dos dois minutos de jogo foi parada com falta por Thiago Silva. O juiz entendeu que o lance ocorreu dentro da área e marcou o pênalti. Van Persie cobrou muito bem, no lado esquerdo de Julio Cesar, abrindo o placar.

A torcida fazia sua parte, vaiando os passes da Holanda e incentivando a equipe brasileira. Mas outro golpe veio aos 16 minutos. David Luiz  tirou mal de cabeça um cruzamento de Guzmán e a bola foi parar na marca do pênalti, onde Blind – livre – ajeitou e fez o segundo da Holanda.

A sensação de “já vi esse filme” passou pela cabeça dos brasileiros, mas a Seleção tentou se reerguer. Oscar fez boa jogada, chutou da entrada da área aos 20, e Cillessen defendeu. A Holanda, compacta, fechou os espaços e a Seleção tinha dificuldades para montar jogadas. Em uma das vezes em que o time conseguiu chegar ao ataque com perigo, Oscar sofreu falta pela direita aos 27 minutos. Ele mesmo cobrou levantando na área, mas o cabeceio de Jô foi para fora.

Pouco depois, Willian viu Maicon descendo livre pela direita e fez belo passe, mas o lateral foi derrubado. Oscar, mais uma vez, jogou na área e a zaga holandesa tirou. Mais uma chance aos 37: o camisa 11 bateu outra falta, a bola foi desviada por Luiz Gustavo e passou  por Paulinho e David Luiz, mas eles não alcançaram. Do outro lado, três minutos depois, Van Persie recebeu com liberdade e deu belo chute na entrada da área, obrigando Julio Cesar a fazer bela defesa.

Fim da etapa inicial: jogadores brasileiro vão para o vestiário sob vaias da torcida.

Estádio Nacional Mané Garrincha - Brasil x Holanda - Jogo

Estádio Nacional Mané Garrincha - Brasil x Holanda - Jogo

Segundo tempo

Fernandinho entrou no lugar de Luiz Gustavo e a Seleção deu sequência à difícil missão de tentar furar o bloqueio holandês. Felipão mudou de novo aos 11 minutos: Hernanes substituiu Paulinho. Logo depois, Ramires conseguiu invadir a área e finalizou, mas a bola passou à direita do gol de Cillessen. Aos 17, David Luiz bateu falta em cobrança parecida com a que originou o segundo gol contra a Colômbia, só que desta vez a bola parou nas mãos do goleiro.

Oscar se jogou na área em disputa de bola com Blind e levou cartão amarelo por simulação. No lance, o holandês recebeu uma joelhada e teve que ser substituído por Janmaat aos 24. A terceira mudança do Brasil veio na sequência, com a entrada de Hulk no lugar de Ramires. O camisa sete soltou uma bomba pela esquerda aos 30 minutos, para fora. A pressão brasileira não estava surtindo efeito.

A Holanda teve uma boa oportunidade em cobrança de escanteio aos 40 minutos: Robben lançou na cabeça de Kuyt, mas a finalização foi para fora. Nos minutos finais, Van Gaal trocou Clasie - que se machucou - por Veltman. Ainda teve tempo para o terceiro gol, o golpe da misericórdia: Wijnaludum aproveitou cruzamento da direita e deu números finais à partida, aos 46 minutos. O treinador holandês ainda deu chance para o goleiro Vorm jogar o restinho da partida. 

Portal da Copa

Notícias Relacionadas

As duas equipes se enfrentarão em Singapura. Este será o quarto jogo do Brasil neste segundo semestre
+
No período do Mundial, a capital federal recebeu 633 mil visitantes, sendo 488.903 brasileiros e 143.743 estrangeiros. Números superaram as estimativas iniciais
+
Brasil enfrentará a Colômbia em 5 de setembro e o Equador no dia 9. Os jogos serão nos Estados Unidos
+
Taffarel será o preparador de goleiros, enquanto Mauro Silva ocupará o cargo de assistente técnico, criado para ser rotativo. Andrey Lopes será o auxiliar
+