Holandês viaja cinco meses em carro de 1955 para acompanhar a Copa do Mundo no Brasil

12/06/2014 - 12:49
Ben Oude Kamphuis saiu de San Francisco em janeiro e está em Salvador para assistir Holanda e Espanha. Torcedor aproveita viagem para passar mensagem contra o racismo

Já imaginou viajar por cinco meses em um carro de 1955, percorrer mais de 20 mil km e passar por 13 países? E fazer tudo isso pela Copa do Mundo da FIFA? Pois essa é a história do holandês Ben Oude Kamphuis, de 53 anos, e sua companheira Nellie, uma camionete estilizada especialmente para o evento.

Foto: Vagner Vargas/Portal da Copa#Ben e Nellie na frente da Fonte Nova: palco do duelo entre Holanda e Espanha

Ben saiu de San Francisco, nos Estados Unidos, em janeiro, e chegou há cerca de duas semanas a Salvador, na Bahia, onde a Holanda enfrenta a Espanha nesta sexta-feira (13.06). Com quase 2m de altura e um terno laranja inconfundível, Ben Oude fez sucesso nas ruas da capital baiana e chamou a atenção por onde passou.

Fanático por futebol e com referências ao esporte espalhados por toda a lataria de Nellie, Ben contou que a ideia da viagem maluca surgiu em 2010, na fatídica final entre Espanha e Holanda na Copa da África do Sul, vencida pelos espanhóis. “Três vezes a Holanda esteve na final da Copa e mais uma vez eu chorei. Por que a gente nunca ganha? Meu carro estava todo decorado para a Copa da África do Sul e eu falei para o meu filho que em 2014 eu iria dirigindo a Nellie para o Brasil”, contou.

Depois de um ano e meio preparando a companheira para a grande viagem, Ben deixou os Estados Unidos em janeiro. Cinco meses e 13 países depois, chegou à Bahia. Uma experiência que, para ele, já valeu a pena. “Honestamente, eu sinto como se eu já tivesse vencido a Copa do Mundo. Estar aqui, celebrar a Copa e assistir aos jogos será a cereja do bolo, porque foi uma celebração ao longo de todo o caminho”, disse.

Foto: Vagner Vargas/Portal da Copa#Em formato de bola, Nellie ajuda Ben Oude a passar a mensagem contra o racismo

Diga não ao racismo

Além da paixão pelo futebol e pela seleção holandesa, Ben Oude fez de sua jornada uma missão para espalhar a mesma mensagem que a Copa no Brasil: diga não ao racismo. Com a frase estampada em Nellie. O holandês, que trabalha com crianças deficientes há 30 anos, revela que a experiência ao longo da viagem foi positiva.

“Está escrito no meu carro: somos todos iguais. Essa mensagem é até mais importante do que a Copa do Mundo, na verdade. Não consigo entender as pessoas que se veem diferentes. Brasileiros e holandeses são iguais, nós falamos diferente, vivemos em lugares diferentes, mas somos iguais. Nós precisamos das mesmas coisas. Não entendo o ódio e a discriminação, seja qual for o motivo”, defendeu o holandês.

“O futebol é o esporte mais poderoso do planeta. O futebol é minha casa, e eu pintei na minha casa ‘não ao racismo’. Isso me deixa feliz, ter uma casa que é uma bola de futebol e que passa essa mensagem. É algo muito importante pra mim”, acrescentou.

Clima de Copa

Empolgado com a decoração do Pelourinho e com o som da música nas ruas de Salvador, Ben Oude tem ingresso comprado para o confronto entre holandeses e espanhóis, nesta sexta, na Arena Fonte Nova. Uma partida especial para o confiante holandês.

“Eu acho que nós vamos ganhar. De quanto vamos ganhar? 3 x 0 é um palpite ousado, mas quer saber? É isso mesmo. Vai ser 3 x 0 para a Holanda”, apostou. “Nós temos que vencer a Espanha. Há um sentimento de vingança, embora nós tenhamos perdido em 2010 por frustração. Eles jogaram o nosso jogo e nos venceram. Mas não vai acontecer de novo.”

Fã da Laranja Mecânica de Cruyff em 1974 – “aquele é o futebol holandês”, disse –, o fanático torcedor da Holanda destacou que a equipe de seu país precisa aprender a jogar coletivamente para conquistar o primeiro título e revelou quem é seu jogador preferido no elenco.

“Eu gosto muito de Sneijder e Van Persie, mas meu preferido é o Robben. Ele tem um estilo diferente, não é um jogador comum. Quando você olha pra ele, pensa que aquele cara não consegue correr. Mas ele é rápido! Gosto do jeito que ele joga”, contou, revelando admiração também por um craque brasileiro. “Quando eu vejo o Ronaldinho em campo, dá pra ver que ele joga com o coração. Ele sorri e não se importa com mais nada. É assim que o futebol deve ser jogado, respeito muito isso”, opinou.

Ansioso com a estreia da Holanda na Copa, Ben já sonha alto no Mundial: disse que vai estar no Rio de Janeiro em 13 de julho e que a final será entre brasileiros e holandeses. “É claro que o Brasil vai estar lá. E eu não poderia estar aqui se eu não acreditasse na Holanda. Eu vou para o Rio e a Holanda também estará lá. Vai ser uma grande final por duas razões. Primeiro, os dois times jogam um futebol bonito. Segundo, a torcida seria fantástica, com o espírito do brasileiro, a música, e o nosso laranja. Será uma final mágica, algo que o mundo nunca viu. Verde, amarelo e laranja”, vislumbrou, com um sorriso no rosto.

Foto: Vagner Vargas#Ben Oude no Pelourinho: clima de Copa e aposta em final entre Brasil e Holanda

Vagner Vargas – Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Estudo revela que a ocupação hoteleira na cidade bateu recordes, chegando a 72,26% no período do Mundial
+
Cidade hospedou campeões mundiais durante a Copa do Mundo e recebeu legados como Centro de Treinamento e promoção da imagem local
+
Tour 100% apresenta os bastidores do equipamento multiuso aos visitantes
+
No total, mais de 3,05 milhões de pessoas se movimentaram pelo país durante o evento
+