Integrantes do programa Brasil Voluntário atuam no Centro Aberto de Mídia no Rio de Janeiro

29/06/2013 - 13:21
Grupo auxilia no atendimento aos jornalistas que procuram o centro de mídia instalado no Forte de Copacabana

Foto: Maria Carolina Lopes/Brasil Voluntário#O sorriso simpático da voluntária Mariza Gama Azevedo (foto), 64 anos, chama atenção de quem chega ao Centro Aberto de Mídia (CAM), no Rio de Janeiro. Instalado no Forte de Copacabana, o espaço é um dos pontos de encontro da imprensa e autoridades durante a Copa das Confederações da FIFA. Experiente, Mariza explica que procura receber os jornalistas, técnicos de imagem e som e até ministros de Estado sempre com a mesma dedicação. “A gente está aqui para colaborar e atuar com profissionalismo. É o que tento fazer aqui”, afirma.

A voluntária, que também atuou no Centro de Imprensa dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007, lembra que recepcionou o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e a ministra de Meio Ambiente, Izabella Teixeira. “É legal atuar com a imprensa e ao mesmo tempo políticos e personalidades. O segredo é tratar todos muito bem, sem distinção”, afirma.

Contadora de formação, Mariza diz que estar em atividade e fazer amigos são outros benefícios de atuar no centro. “Tive a oportunidade de conhecer pessoas, fazer amizade e prestar um serviço”, orgulha-se. O  voluntário Marcelo da Silva, que também atua no Centro Aberto de Mídia, diz que fez vários amigos durante a atuação. “É legal conhecer gente que tem os mesmos propósitos que a gente”, conta.

Futuro profissional

Ao todo, 31 voluntários atuam no Centro Aberto de Mídia, divididos em três turnos. Para boa parte deles, esta é uma oportunidade profissional. A estudante de jornalismo Miranda Barbosa encara a atuação no centro de mídia como uma chance de fazer contatos profissionais. “Aqui encontrei jornalistas de todas as partes do mundo. Vi como eles trabalham e agreguei valor ao meu currículo”, analisa.

Já a fonoaudióloga Renata Sabino afirma que quer trabalhar na área de comunicação e vai usar a atuação no Centro de Mídia como experiência. “Tive contato com jornalistas, vi como trabalham os técnicos, até o pessoal de edição de vídeo. É uma experiência muito produtiva pra mim”, avalia. Renata explica que quer voltar a trabalhar após anos cuidando dos filhos, que agora estão com 12 e 13 anos. “Vi o Brasil Voluntário como uma chance de recomeçar”, conclui.

Leia também:

» Integrantes do Brasil Voluntário reforçaram operação em Fortaleza na semifinal

» Voluntários da FIFA relatam experiência vivida na Copa das Confederações

Fonte: Brasil Voluntário

Notícias Relacionadas

Capital do Mato Grosso contou com a atuação de 357 voluntários, em locais como aeroporto, rodoviária, Arena Cultural, entorno da Arena Pantanal, FIFA Fan Fest e Centro Aberto de Mídia
+
Voluntários do governo federal aprovam experiência no Mundial; objetivo agora é aproveitar a vivência adquirida em novos projetos e na busca por oportunidades no mercado de trabalho
+
Foram produzidas mais de 60 mil matérias sobre o Brasil veiculadas em todo o mundo. De acordo com pesquisa realizada pela Fipe, 96,5% dos jornalistas internacionais recomendariam uma viagem ao país
+
Certificação digital estará disponível na plataforma de agendamento; voluntários do governo federal serão comunicados por email
+