Leilão para 4G dará preferência para tecnologia nacional

10/04/2013 - 15:38
Edital para faixa de 700 MHz vai exigir que vencedores comprem parte dos produtos e equipamentos fabricados no Brasil. Percentual ainda não está definido

O edital do leilão da faixa de 700 MHz, que será destinada à implantação da tecnologia 4G no Brasil, vai exigir que os vencedores comprem produtos e equipamentos com tecnologia nacional. A garantia foi dada pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, durante audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado nesta terça-feira (09.04).

"Nós pretendemos colocar na licitação de 700 MHz exigência de conteúdo de tecnologia nacional. Depois do leilão de 2,5 GHz, três grandes fábricas de equipamentos já vieram para cá, sem contar as pequenas, que são em número muito maior. Isso vai continuar", afirmou. O ministro disse que o percentual que será cobrado das operadoras ainda não está definido. No leilão das faixas de 2,5 GHz e de 450 MHz, o governo exigiu tecnologia brasileira de até 20% de todos os produtos e equipamentos adquiridos.

Na semana passada, um documento do Departamento de Comércio dos Estados Unidos criticou a política industrial brasileira e a licitação das duas frequências feita pela Anatel.

"Nós queremos que os produtos sejam brasileiros e os americanos querem que sejam americanos. Evidentemente que não vamos defender a indústria americana, quem está fazendo isso é o departamento de comércio", disse.

Bernardo garantiu mais uma vez que a oferta da tecnologia 4G nos estádios que vão sediar a Copa das Confederações FIFA 2013 ocorrerá dentro do prazo, 30 de abril.

"Estou tranquilo porque, no caso da Telebras, quase todos os investimentos já foram feitos. E as empresas de telecomunicações, que tiveram um pouco mais de demora, têm facilidade de investir. Então não vai ter problema."

Fonte: Ministério das Comunicações
 

Notícias Relacionadas

Ministro das Comunicações destaca infraestrutura que possibilitou a transmissão de 166 terabytes de informação. Balanço também é positivo nas áreas de energia e mobilidade urbana
+
Infraestrutura interna dos 12 estádios permitiu que os torcedores fizessem cerca de 1 milhão de ligações telefônicas e 7,6 milhões de comunicações de dados
+
Em entrevista, presidenta citou legado nas telecomunicações, aeroportos e estádios
+
Telebras investiu R$ 110 milhões na construção de 740 km de rede de fibra óptica nas 12 sedes e R$ 14 milhões na ligação com as concentrações onde ficarão as seleções. Paulo Bernardo, chefe da pasta de Comunicações, participou de audiência no Senado
+