Metrô do Rio de Janeiro opera com capacidade total em dias de jogos. Torcedores aprovam

22/06/2014 - 12:44
Prefeitura estima que 76% do público do jogos do Maracanã utiliza o sistema para chegar e sair do estádio. Esquema de segurança foi reforçado

O Metrô do Rio de Janeiro coloca toda sua capacidade à disposição dos torcedores que vão aos jogos do Estádio Maracanã nesta Copa do Mundo. Não está sendo diferente neste domingo (22.06) para a partida entre Bélgica e Rússia, que se iniciará às 13h. São 32 composições sendo utilizadas – cada uma com capacidade para 1.800 passageiros – saindo com intervalos de cinco minutos das estações General Osório e Uruguai (linha 1) e Botafogo e Pavuna (linha 2). A operação flui com normalidade.

Os torcedores têm aprovado o sistema, que tem colocado em utilização toda sua capacidade durante a Copa do Mundo mesmo durante os finais de semana – quando o número de passageiros normalmente diminui. “As linhas são menores do que as que temos na Rússia, mas acho que está funcionando bem para ir ao estádio. Parece ser mesmo a melhor opção de transporte para os jogos”, afirma Julia Tatarkina, 32 anos, moradora de São Petersburgo, que utilizou o transporte pela primeira vez para sair de Ipanema e torcer por seu país no Maracanã.

A Prefeitura do Rio de Janeiro estima que cerca de 76% do público total dos jogos do Maracanã utilizará o sistema – 18% destes fazendo integração com o BRT Transcarioca (que liga a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional Tom Jobim) na estação Vicente de Carvalho. O trajeto da estação General Osório até o estádio leva cerca de 37 minutos neste domingo, enquanto de Botafogo o tempo de deslocamento é de meia hora. Quem faz integração com o BRT, demora 25 minutos de Vicente de Carvalho até o Maracanã.

Giuliander Carpes/Portal da Copa#

Gabriel Fialho/Portal da Copa#“É claro que se o torcedor resolver sair para o estádio quase na hora do jogo vai ter problemas, vai encontrar trens lotados. Mas, se sair com antecedência, o trajeto é muito tranquilo”, diz o veterinário brasileiro Geraldo Corrêa, 52 anos, que às 10h tomou o metrô na Estação Siqueira Campos, em Copacabana, e chegou sem sobressaltos ao Maracanã em cerca de 35 minutos. O jogo começava às 13h.

Dependendo do portão de entrada que deverá utilizar, o passageiro tem três estações para embarcar e desembarcar no entorno do Maracanã – todas num raio de apenas 10 minutos de caminhada. Os torcedores podem se informar sobre a estação que devem usar por meio de placas dentro do sistema, através dos mapas em seis idiomas distribuídos nas estações ou com 40 guias fluentes em diversas línguas. As estações Maracanã, Uruguai, Cinelândia, Carioca, Uruguaiana, Presidente Vargas e Central também dispões de rede wi-fi gratuita para conexão à internet.

Voluntários do programa Brasil Voluntário do Governo Federal também foram alocados nas estações para auxiliar os torcedores. As estudantes Priscilla Vassalo e Deise Fernandes (foto à direita) eram duas deles na estação General Osório, em Ipanema. “A principal orientação é sobre a transferência entre as linhas 1 e 2 nas estações Botafogo ou Central”, explica Deise.

A companheira de trabalho elogiou o kit com alimentos orgânicos distribuído para os voluntários. “Muito gostoso, tinha coisas que nunca tinha comido, umas castanhas diferentes. Além disso tem suco, frutas desidratadas, biscoitos e mel”, elogiou Vassalo.

Segurança

Os torcedores que chegaram ao Maracanã neste domingo perceberam mudanças no esquema operacional para a partida. As barreiras policiais que fazem a triagem dos torcedores, deixando passar somente aqueles que possuem ingressos, foi intensificada. O estudante de medicina João Paulo, que foi ao jogo entre Chile x Espanha no estádio, notou a diferença logo na saída da estação São Cristóvão do metrô. “Há mais cordões de segurança já no desembarque”.

Ele elogiou a organização das filas, enquanto esperava a sua vez para entrar pela entrada conhecida como a da estátua do Bellini. “Está tranquilo, bem orientado e organizado”, afirmou. A equipe de voluntários que orienta os torcedores no entorno do estádio também foi reforçada.

Quem desceu pela estação São Cristóvão teve que passar por cinco barreiras, nas quais policiais checavam os ingressos dos torcedores. O efetivo para o jogo foi aumentado em 600 agentes da Polícia Militar, totalizando 3,1 mil para a partida.

“Tem mais barreiras e um filtro maior feito pelos policiais. Também interditaram mais vias, porque no outro jogo eu vim por uma rua que hoje não podia passar”, observou o fisioterapeuta Guilherme Salcedo, que foi de táxi para o local.

As entradas do Centro de Mídia e dos demais portões estão mais vigiadas e as grades foram reforçadas. As áreas de circulação dos torcedores também foi restringida, com barreiras de metal colocadas no entorno do Maracanã.

Fotos: Gabriel Fialho/ Portal da Copa#

Gabriel Fialho e Giuliander Carpes - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+