Ministra da Casa Civil comenta desafios e legados proporcionados pela Copa

07/01/2014 - 09:41
Segundo Gleisi Hoffmann, uma série de medidas foi tomada para garantir tranquilidade e comodidade a torcedores brasileiros e estrangeiros dentro e fora dos estádios

Em entrevista à TV NBR, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, fez um balanço das ações de governo no ano de 2013 e projetou os desafios do país para 2014. Entre eles, a organização da Copa do Mundo da FIFA 2014. A ministra lembrou que o evento é bem maior do que o futebol jogado dentro das quatro linhas e exige investimentos e atenção em áreas como segurança, comunicação e energia. 

"A Copa não é só o jogo dentro do campo. É uma série de medidas que nós tomamos para que o jogo possa se realizar da melhor maneira possível e a população brasileira e os estrangeiros que vierem aqui possam curtir muito o futebol", afirmou Gleisi Hoffmann. "Nós já temos a previsão de investimento de R$ 1,1 bilhão em equipamentos de segurança. Isso fica de legado. São centros de comando e controle integrados, veículos, equipamentos não-letais, capacitação dos profissionais de segurança. E além disso temos dez mil  homens mobilizados da Força Nacional de Segurança que estão prontos para atuar caso seja necessário, apoiando a Polícia Militar e a Polícia Civil dos estados, para que a gente possa ter uma Copa pacífica e ordenada".

Confira o vídeo com a íntegra da entrevista:

Notícias Relacionadas

Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+
Foram produzidas mais de 60 mil matérias sobre o Brasil veiculadas em todo o mundo. De acordo com pesquisa realizada pela Fipe, 96,5% dos jornalistas internacionais recomendariam uma viagem ao país
+
Centro Integrado de Comando e Controle regional realizou 1,1 monitoramentos diários e acompanhou 300 atividades essenciais durante os 31 dias do Mundial na capital mineira
+
Profissionais federais e distritais trabalharão juntos em evento que terá 19 chefes de Estado
+