Novo Maracanã: 360 câmeras fazem o monitoramento de todas as áreas do estádio

27/04/2013 - 00:36
Novos acessos permitem evacuação do local em oito minutos. Centro de comando consegue acompanhar o fluxo de pessoas da passagem pelas catracas à chegada aos assentos

Os torcedores terão mais acessos para entrar e sair do Maracanã. Além da reforma das duas tradicionais rampas monumentais – Bellini e UERJ – outras quatro foram construídas. A melhora no fluxo permite que o estádio carioca seja evacuado em oito minutos, atendendo aos requisitos de segurança para a Copa das Confederações e para a Copa do Mundo.

As quatro novas rampas foram construídas em caracol nos quatro lados do estádio e com piso antiderrapante. A rampa Bellini ganhou duas alças metálicas, que ajudam a escoar o público dos dois primeiros pavimentos.

Pela primeira vez a arena contará com escadas rolantes. Serão 12 no total, e o número de elevadores foi ampliado, agora são 17, oito deles panorâmicos. O acesso às tribunas de honra e imprensa, aos camarotes e à área VIP será feito por escadas rolantes, elevadores e catracas exclusivas.

Foto: Governo do Rio de Janeiro#Dividido em cinco níveis e nos setores leste, oeste, norte e sul, o Maracanã terá todas as áreas monitoradas por 360 câmeras. “Desde a passagem das pessoas pelas catracas até o momento em que elas sentam na arquibancada, toda a passagem pelos lounges e corredores, em todos os setores há câmeras, o que no fundo dá mais segurança e conforto aos torcedores”, afirma Ícaro Moreno, presidente da Empresa de Obras Públicas do Rio de Janeiro, que explica que são seis identificações para se chegar ao assento marcado (portão, setor, bloco, nível, fila e cadeira).

O monitoramento das imagens das câmeras será feito em uma das três salas de comando e controle, equipadas com monitores de 42 polegadas e localizadas na altura da arquibancada. Os sistemas estão integrados e conectados, sendo possível controlar as catracas e portões, checar a capacidade de geradores e transformadores de energia, os níveis dos reservatórios de água, além da iluminação, som e geração de imagens dos quatro supertelões do Maracanã.

"O estádio é seguro pela tecnologia, temos redundância no sistema de controle predial. É um edifício inteligente. Mas, além disso, teremos uma mudança de cultura. Por exemplo, o muro que divide a arquibancada do campo de jogo tem altura de 90 cm. Alguns me dizem que as pessoas podem pular. Podem pular, mas com certeza serão vistas”, afirma Moreno.

Outro sistema inovador é o da geração de dados sonoros. O presidente da Emop explica que é possível emitir sons para um setor do estádio sem que seja ouvido do outro lado da arena. “Se há uma briga em um setor, o controlador do som consegue falar com um lado do estádio independente do outro. Então, temos como operar o estádio com segurança, com todo tipo de controle e com a atuação dos órgãos de segurança integrados em um único sistema”, ressalta.

Confira a cobertura completa do Portal da Copa:

» A bola volta a rolar no Maracanã

Gabriel Fialho – Portal da Copa

 

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+