Organização internacional reforça importância do planejamento prévio brasileiro na segurança

30/11/2011 - 11:37
Para ex-chefe de planejamento da Copa de 2006, na Alemanha, "feedback" sobre preparação brasileira na área é positivo

Representantes do Centro Internacional de Segurança Desportiva (ICSS) ressaltaram, nesta terça-feira (30.11), pontos estratégicos para o planejamento da segurança durante a Copa das Confederações, em 2013, e a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014. Entre as recomendações estão o planejamento antecipado, o conhecimento da torcida e a atenção a áreas de grande aglomeração.

"Os grandes eventos não são algo novo para o Brasil. Há o carnaval, por exemplo, e a a execução exitosa dos Jogos Pan-americanos de 2007. Acredito que o clima amistoso do brasileiro influencia a conduta das pessoas. Não acho que teremos problemas nos grandes eventos", previu Mohammed
Hanzab, presidente do ICSS, uma organização de segurança esportiva sem fins lucrativos com sede no Catar.

Para o diretor comercial do ICSS, que participou do planejamento da Copa de 2006 e do Mundial feminino de 2011, ambos na Alemanha, Heinz Palme, isso não significa que o Brasil não precise fazer o dever de casa. "Temos um estudo que indica que 20% de planejamento reduz os problemas em 80%, por isso é importante fazê-lo com antecedência", afirmou Palme, que disse estar em contato com as autoridades brasileiras.

"Nessa área, qualquer pequeno problema, é um problema sério. No Brasil, estamos em contato com os responsáveis e sabemos que o processo já começou. Temos um ótimo 'feedback'", afirmou Palme. Ricardo Trade, diretor do Comitê Organizador Local, também tratou do tema no balanço feito sobre a preparação do país. "Agora, a segurança também faz parte da fase de planejamento, diferente do que acontecia no passado", disse.

Tiago Falqueiro - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+
Durante o Mundial foram feitas 11.251 denúncias de abusos contra crianças e adolescentes
+
Foram registradas 5.185 demandas nos aeroportos e 75 nos estádios das 12 cidades-sede
+
No total, mais de 3,05 milhões de pessoas se movimentaram pelo país durante o evento
+