Parlamentares gaúchos debatem soluções para estruturas complementares para a Copa

28/02/2014 - 12:27
Projeto de lei que tramita na Assembleia prevê isenção de ICMS de até R$ 25 milhões para entidades privadas que investirem nos equipamentos necessários para a realização do Mundial

Em encontro na Comissão de Economia e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, o coordenador executivo do Comitê Gestor da Copa 2014, Maurício Nunes Santos, explicou o Projeto de Lei 17/2014 que institui o programa de apoio à realização de grandes eventos esportivos no estado.

O principal objetivo do PL, que está em tramitação, é a realização de projetos relacionados às estruturas complementares e temporárias necessárias ao Mundial no limite de R$ 25 milhões. Conforme o projeto, 15% do valor será enviado ao Fundo Estadual de Incentivo ao Esporte.

Para tanto, os proponentes de projetos aprovados receberão um instrumento chamado Carta de Captação. O documento autoriza a busca de empresas que tenham ICMS a pagar para patrocinar o projeto. Até 100% do valor aplicado poderá ser compensado.

"O principal para o Rio Grande do Sul é o impacto no comércio. Temos uma previsão desenvolvida pela FEE, com dados da Fecomércio, de termos R$ 36 milhões de retorno de ICMS diretamente do comércio. Há, ainda, um cálculo da Embratur, que nos projeta quase R$ 100 milhões em ICMS retornando para os cofres do estado", destacou Santos.

O coordenador executivo do CGCopa lembrou a geração de empregos possibilitados pelo recebimento dos jogos no Estado. Conforme o estudo da Fecomércio, os turistas devem gastar R$ 360 milhões em estabelecimentos comerciais gaúchos, gerando 12 mil vagas de empregos e R$ 503 milhões no PIB gaúcho.

A necessidade agora, conforme explica o presidente da Comissão, deputado Mano Changes, é dar celeridade ao processo para que seja possível cumprir os prazos e iniciar a montagem até o dia 15 de abril. Conforme o deputado, a intenção é que o projeto seja aprovado antes do dia 25 de março, visto que, segundo o Internacional, serão necessários cerca de 40 dias para construir todas essas estruturas.

Entre as estruturas complementares necessárias para a realização da Copa do Mundo, estão itens como tendas, piso, divisórias, gerador de energia, cercamento, ar condicionado, estruturas tubulares e contêineres. Na parte de tecnologia da informação, infraestrutura de rede e serviços de telecomunicações. Já para a segurança, a necessidade de dispositivos como raio-x e pórticos alguns exemplos de um total de 29 itens a serem executados.

Projeto

O projeto de lei que tramita na Assembleia prevê isenção de ICMS de até R$ 25 milhões para entidades privadas que investirem nos equipamentos necessários para a realização do Mundial. Os outros R$ 5 milhões necessários para completar o custo total de R$ 30 milhões viriam de equipamentos e estruturas já existentes, ou que sejam adquiridas por prefeitura e estado e possam ser usados depois da competição, o chamado legado. A partir da aprovação da matéria, os entes envolvidos poderão ir atrás das empresas interessadas em investir em troca da posterior isenção de imposto.

Fonte: governo do Rio Grande do Sul

Notícias Relacionadas

Arena é a sétima construída para a Copa do Mundo a ter selo que atesta adoção de medidas sustentáveis na edificação. Capital gaúcha passa a ter dois palcos com registro do Green Building Council
+
Foi movimentado mais de um bilhão de reais na economia do estado, que recebeu 160 mil turistas estrangeiros e teve taxa média de ocupação hoteleira de 80%
+
Polícia Rodoviária Federal decidiu reforçar a vigilância em rodovias de acesso ao estado do Rio Grande do Sul usadas por torcedores do país
+
Espaços oferecem entretenimento, local para descanso, informações turísticas, internet wifi e outras comodidades para os viajantes. No Santos Dumont, 26,8 mil pessoas aproveitaram a estrutura oferecida
+