Confederações: plantão vai garantir proteção aos direitos de crianças e adolescentes

30/04/2013 - 14:37
Magistrados das seis cidades-sede do torneio convidados a participar do esforço conjunto pela proteção aos direitos de crianças e adolescentes durante a competição

Magistrados das seis cidades-sede da Copa das Confederações foram convidados a participar do esforço conjunto pela proteção aos direitos de crianças e adolescentes durante o torneio, que acontecerá entre 15 e 30 de junho. A ideia é criar um espaço fixo ou temporário nas proximidades dos estádios, onde profissionais de diferentes áreas, incluindo o Judiciário, vão prestar atendimento voltado à infância.

O anúncio foi feito pela secretária nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, Angélica Goulart, durante o Encontro Nacional da Agenda de Convergência para Proteção Integral dos Direitos da Criança e do Adolescente – Copa das Confederações e Copa do Mundo, na última semana, em Brasília.

A proposta do órgão, que faz parte da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, é criar plantões em locais próximos aos eventos itinerantes nos arredores dos locais de competição com todos os agentes públicos e da sociedade civil que atuam em defesa da Infância e da Juventude, como as polícias, órgãos do sistema de Justiça e conselhos locais dos Direitos da Criança e do Adolescente. Essas unidades vão operar antes, durante e depois dos jogos na prevenção e no combate de crimes, como a exploração sexual de jovens e o trabalho infantil.

A ideia é disponibilizar também um posto de atendimento dentro dos estádios onde ocorrerão as partidas. A preocupação é que o grande fluxo de turistas e o poder econômico possam gerar situações de risco para crianças e jovens durante a Copa das Confederações e os demais eventos esportivos que o Brasil vai sediar nos próximos anos.

O representante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), juiz auxiliar da Presidência Marivaldo Dantas afirmou que o Conselho será responsável por incentivar o Poder Judiciário a integrar essa iniciativa em favor dos direitos da Infância e da Juventude. “Nosso papel será articular os magistrados e tribunais para participar in loco do combate às violações aos direitos de crianças e adolescentes que forem cometidas”, disse.

De acordo com Dantas, que é membro do Fórum Nacional de Coordenação de Ações do Poder Judiciário para a Copa das Confederações 2013 e a Copa do Mundo 2014, é possível aproveitar experiências de outros países. “Em um encontro de que participamos recentemente na Paraíba, foi apresentado um modelo semelhante a esse plantão que foi utilizado pela na África do Sul durante a Copa do Mundo de 2010”, disse. As propostas definidas na reunião serão levadas ao Fórum.

Fonte: CNJ

Notícias Relacionadas

Mundial de futebol quebrou recordes históricos e se tornou o evento mais comentado do ano nas redes sociais em todo o mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+