Programa do Sebrae para a Copa beneficiou mais de 400 micro e pequenas empresas em Manaus

25/06/2014 - 12:18
Profissionais deixaram a condição de desempregados para atuar nas frentes de trabalho criadas com a Copa do Mundo

Foto: Agnaldo Oliveira Júnior/ Portal da Copa#Mário Valle (centro) adaptou a receita inglesa de peixe e batata frita à culinária manauara

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do Amazonas desenvolve um trabalho de consultoria, há dois anos, para atender aos pequenos empresários com produtos e serviços direcionados para Copa do Mundo.  Por meio de rodadas de negócios, capacitações e encontros com especialistas, cerca de 400 empresas participaram do programa, gerando um volume de negócios de R$ 16 milhões.

E o resultado pode ser sentido no aquecimento do mercado de trabalho com os segmentos da Construção Civil, Comércio Varejista e de Serviços responsáveis por grande parte da movimentação financeira. “Os resultados alcançados até o momento são pequenos diante do legado que o Sebrae irá deixar para essas empresas que participaram do programa, uma vez que o aumento da competitividade através de uma gestão empresarial moderna será a chave para permanência dessas empresas no mercado, através da criação ou aprimoramento  de seus produtos e serviços, apostando sempre na qualidade e inovação”, disse a coordenadora do programa Sebrae na Copa, Vanusa Reis.

Regionalismo Globalizado

O trabalho feito sob orientação do Sebrae, resultou em uma conquista que o empresário Mário Valle jamais vai esquecer. Dentro das perspectivas organizacionais e com muita criatividade, ele adaptou um prato tipicamente inglês ao paladar regional. O fish’n’chips (peixe com batatas-fritas) que na terra da rainha é preparado com bacalhau ou hadock, em Manaus ganhou o gostinho regional do tambaqui, o peixe mais apreciado na região Norte do Brasil. “Tivemos a ideia depois de apreciarmos a iguaria inglesa e chegarmos a conclusão de que seria muito bem adaptado com o tambaqui”, afirma Mário.

A criação do empresário amazonense chamou a atenção da FIFA. Depois de longos 6 meses de avaliações, o fish’n’chips regional que recebeu o nome deTambaqui de pé, ganhou espaço no menu da organizadora da Copa do Mundo. No cardápio, junto às concessões mundiais está o petisco que logo ganhou a aprovação dos torcedores estrangeiros e brasileiros que estiveram na Arena da Amazônia. “A experiência é inesquecível. E o know-how de atender a um evento mundial vai me dar a possibilidade de crescer ainda mais como empresário e, o melhor, poder contribuir economicamente com o crescimento da minha cidade, gerando emprego e renda”, conclui Mário Valle.

Reflexos positivos pulverizados

A abertura de novas vagas no mercado de trabalho motivaram profissionais a se especializarem. As oportunidades foram agarradas com força por Ana Lídia Nascimento. Desde que viu que poderia crescer profissionalmente passou a fazer cursos relacionados à gastronomia. De auxiliar de cozinha ela passou a chef. E declara sua felicidade a todos os amigos de trabalho. “Ouço tanto falar de legado. E agora eu entendo que o que ganhei com isso tudo é o meu legado, as minhas conquistas. Hoje me sinto realizada com o que faço e, por isso, faço com carinho e fica gostoso”, diz Ana, orgulhosa de fazer pratos para centenas de estrangeiros que tem visitado o restaurante onde ela trabalha, no centro de Manaus.

Agnaldo Oliveira Júnior, do Portal da Copa em Manaus

Notícias Relacionadas

Visitantes gastaram US$ 6,9 bilhões no país. O resultado teve forte influência da Copa do Mundo
+
Jogos na Arena da Amazônia foram vistos por mais de 240 milhões de pessoas
+
Espaços oferecem entretenimento, local para descanso, informações turísticas, internet wifi e outras comodidades para os viajantes. No Santos Dumont, 26,8 mil pessoas aproveitaram a estrutura oferecida
+
Alemães, cujas empresas empregam 250 mil pessoas no Brasil, desafiam anfitriões por uma vaga na final da Copa
+