Novo Castelão: Fagner, que fez show na entrega, lembra histórias com craques do futebol e da música

16/12/2012 - 11:33
Confira entrevista em vídeo do cantor, titular em várias peladas organizadas por jogadores e artistas

Convidado para fazer o show na entrega da obra do Estádio Castelão, neste domingo (16.12), em Fortaleza, o cantor cearense Raimundo Fagner transita muito bem pelo ambiente do futebol, às vezes mais que no mundo da música. A sua paixão pelo esporte começou cedo, ainda no colégio, mas o talento musical falou mais forte. “Aqui tinha muito jogador bom, eu ia ser banco mesmo”, revela o torcedor dos tricolores Fortaleza, no Ceará, e Fluminense, no Rio de Janeiro.

Quando ele se mudou para o Rio foi morar com o ex-jogador Afonsinho, que o levou a conhecer alguns craques e o cantor foi aprimorando o seu futebol. “Afonso tinha um time que misturava artistas e jogadores, chamado ‘Trem da Alegria’, com o Paulinho da Viola, o Gonzaguinha... A gente começou a jogar, a viajar, era um timaço e isso me motivou demais. Afonso me botou de lateral, eu sempre tive uma condição física muito boa, graças a Deus até hoje, pra correr, pra marcar. Isso foi me dando gosto, comecei a jogar com quem sabia, comecei a criar marra mesmo e fiquei muitos anos jogando no time dos artistas”.

A partir de então, Fagner passou a fazer parte de várias peladas, como as disputadas no campo do Chico Buarque. “Eu sempre fui o carrasco do Politheama, o time do Chico”, exalta. Depois ele passou a atuar mais no campo do Zico. “Lá no campo do Zico, jogando com o Zico, se ele te meter umas dez bolas e se você não fizer uns quatro ele pergunta se você não veio pra pelada. Então sempre tive muita responsa de jogar com essa turma, Júnior, Cláudio Adão... Pô! Eles pegam no pé, se você não fizer gol eles ficam gozando”. Até por isso, ele se define como um matador: “Eu sempre tive que matar, porque sempre olhava para trás e o meio de campo que eu tinha não me permitia errar”.

A amizade com os boleiros também foi aumentando: Pelé, Rivelino e principalmente os atletas da Seleção Brasileira que disputaram a Copa do Mundo de 1982, que para o cantor é a melhor equipe depois da hors concours de 1970. Tanto que Fagner chegou a participar dos treinos do time que encantou o mundo, mas não foi campeão.

No entanto, quando foi a vez de atuar pelo clube de coração, Fagner revela que tremeu, não conseguiu dormir, se atrasou para ver se começavam o jogo sem ele, mas não adiantou. “Tremi! Foi a primeira vez que eu arranjei um patrocínio pro time do Fortaleza, então me homenagearam e entrei jogando contra o time do América. Eu tive a sensação, quando eu estudava no colégio na minha infância, que eu ia jogar no domingo contra os meninos que jogam demais. Era um sono horrível, acordava estressado. Eu sempre levei com muita naturalidade, mas as duas vezes que eu vesti a camisa do Fortaleza, principalmente a primeira, eu não consegui dormir... atrasei, pra ver se eles começavam o jogo, foi pior, porque eles estavam me esperando... ô sofrimento! Esse foi de lascar! Sei lá, vestir a camisa, senti o peso”.

» Confira a entrevista em vídeo, feita pelo Portal da Copa no estúdio do cantor, em Fortaleza, no início de 2012:

Confira a cobertura completa da entrega da obra do Castelão:

» Presidenta ressalta capacidade do país dentro e fora dos gramados
» Presidente da FIFA cumprimenta Fortaleza pela entrega do estádio
» Dilma Rousseff corta a fita de entrega do estádio
» Cobertura do estádio ajuda a garantir conforto térmico
» Preocupação ambiental, uma das marcas do projeto
» Gramado mais próximo do público e vestiários para até quatro equipes
» Assentos modernos, retráteis e resistentes
» Estádio tem 2,4% da capacidade reservada a pessoas com deficiência
» 1.900 vagas cobertas de estacionamento
» Sistema de segurança terá 240 câmeras de monitoramento
» Arena oferece opções de compras e alimentação mesmo em dias sem jogos
» Rodada dupla vai marcar inauguração do campo
» Uma história de 39 anos de clássicos, artilheiros e curiosidades

» Galeria de fotos das obras para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Na arena Castelão, foram 49,4 toneladas, enquanto na Fan Fest foram outras 41,4 toneladas. Atividade envolveu 350 catadores de 17 instituições
+
Foram registradas 5.185 demandas nos aeroportos e 75 nos estádios das 12 cidades-sede
+
Média de torcedores nas arenas também ficou no segundo posto. Saiba outros recordes da competição
+
Apresentações contarão ainda com Carlinhos Brown, Alexandre Pires, Wyclef Jean e escola de samba Acadêmicos do Grande Rio. Festa terá início às 14h20 deste domingo
+