Seleção Brasileira mexe com imaginário e expectativas de crianças e jovens em Teresópolis

06/07/2014 - 23:54
Em busca de um aceno, autógrafo ou foto dos ídolos centenas de pessoas tentam entrar no treino na Granja Comary, neste domingo

Gabriel Fialho/ Portal da Copa#

A presença da Seleção Brasileira já é motivo de empolgação para a torcida em Teresópolis (RJ). Ainda mais na antevéspera de uma semifinal de Copa do Mundo disputada em casa. Mostra disso foi a presença de centenas de pessoas na entrada da Granja Comary, Centro de Treinamento do Brasil, e o congestionamento na estrada que dá acesso à cidade. A busca por um aceno, autógrafo ou foto dos ídolos mexe com o imaginário, principalmente, das crianças.

São os casos de Giovana Canto, 9 anos, e Marcelo Lessa, 7 anos, que assistiram ao treino da equipe do técnico Felipão neste domingo (06.07). Curiosa entre tantas câmeras de TV e jornalistas, a menina segurava com apego duas cartinhas escritas e coloridas por ela e endereçada aos ídolos. “São para o Julio César e para o David Luiz. Estou pedindo uma camisa autografada”.

Na expectativa de poder entregar os presentes, Giovana comemorava o fato de ver os jogadores no campo em frente. “Nunca tinha visto tão de perto, só pela TV e lá da grade”, disse apontando para a cerca, apinhada de gente, que separa o Centro de Treinamento de um condomínio vizinho.

A pequena vascaína acha que a Seleção vencerá a Alemanha por 2 x 0. Otimismo compartilhado pelo amigo Marcelo. “O Brasil já ganhou três jogos e vai ganhar fácil da Alemanha, 3 x 0”, afirmou o torcedor mirim do Flamengo.

Sonho de Família

Mas, ninguém se aproximou tanto dos ídolos como o irmão de Alan Costa, 11 anos, e Alex Costa, 6 anos, que joga no time Sub-20 do Fluminense, adversário da Seleção Brasileira em três treinos durante a Copa do Mundo.

Gabriel Fialho/ Portal da Copa#Kevin com os irmãos Alex (esq) e Alan (dir) e o primo João (camisa do Brasil)

“Eu sonho ser jogador de futebol igual ao meu irmão”, comentou o orgulhoso Alan. Torcedor do tricolor carioca, ele tem como ídolo o zagueiro Thiago Silva, que defendeu o clube das Laranjeiras. E o que faria se o encontrasse? “Ia tirar uma foto e dizer que sou fã dele”.

Após o treino com os atletas da Seleção, Kevin Costa, 18 anos, foi encontrar os irmãos e o primo, que o esperavam do lado de fora da Granja Comary. “É uma experiência única, não tem explicação. Ontem estava vendo eles jogarem pela TV e hoje estou jogando com eles”, conta o meio-campista do Fluminense, que se identifica mais com Hernanes e Willian, que atuam na mesma posição.

“A gente tem a chance de conversar, então, perguntamos se o último jogo foi muito difícil e como será no próximo. É uma oportunidade para adquirir experiência. Por ser mais novo, tento aprender a maneira de jogar deles para colocar em prática e quem sabe chegar onde eles estão”, avaliou Kevin.

O primo dos três irmãos Costa, João Vítor, 7 anos, lamenta a ausência de Neymar. Ele torce pelo Barcelona, justamente, por causa do craque brasileiro. “Queria ver o Neymar, mas ele não está”. Se não conseguiu ver o ídolo de hoje, quem sabe o menino já não conviva com o ídolo de amanhã?

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Mundial de futebol quebrou recordes históricos e se tornou o evento mais comentado do ano nas redes sociais em todo o mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+