Jogadores da Costa Rica visitam Museu Pelé atrás de inspiração para continuar fazendo história

02/07/2014 - 22:57
Estátua de cera do Rei do Futebol foi item do acervo que mais animou jogadores a tirar fotos

Foto: Adalberto Leister Filho/Portal da Copa#Jogadores tiraram fotos em frente à imagem de cera de Pelé: inspiração para continuar fazendo históriaDurante a manhã, a frase mais ouvida na entrevista coletiva dos jogadores da Costa Rica foi que o time quer “fazer história” na Copa do Mundo do Brasil. No fim da tarde, o elenco foi aprender um pouco dela, no Museu Pelé, dedicado ao rei do futebol, em Santos.

O ônibus da delegação chegou, escoltado por batedores da Polícia Militar, depois das 19h. O grupo foi bastante assediado na entrada do museu, por crianças e jovens querendo autógrafos e fotos. Dentro, o técnico Jorge Luis Pinto participou de uma pequena cerimônia, que doou o quadro “Disco de Ouro”, da artista plástica da Costa Rica Ludy Murray. O quadro mostra Pelé acariciando uma bola. A obra fará parte do acervo permanente do museu.

Após receber desejos de “sorte”, Pinto fez uma promessa ao secretário municipal de Turismo de Santos, Luiz Guimarães, e ao vice-prefeito, Eustázio Pereira. “Como diria aquela canção mexicana, ‘voltaremos’”, afirmou o treinador. Caso perca para a Holanda, no sábado, pelas quartas de final da Copa do Mundo, o time não retornaria mais a Santos.

Selfies

A visita deixou as estrelas do elenco animadas. Participaram do tour o goleiro Keylor Navas, os meias Bryan Ruiz e Celso Borges, e o atacante Joel Campbell, entre outros. O que mais empolgou os jogadores e motivou fotos e selfies foi no boneco de cera de Pelé, com a camisa da seleção brasileira. Vários dos jogadores tiraram fotos, em diferentes poses, ao lado do rei.

“É uma exposição riquíssima, e estamos muito felizes de estar em Santos, na cidade do Rei do Futebol. É um privilégio compartilhar um pouco dessa experiência, visitando o Museu Pelé”, afirmou o meia Celso.

O jogador é de uma linhagem que tem história na Costa Rica. Ele é filho do brasileiro Alexandre Guimarães, ex-jogador radicado no país, que atuou pela Costa Rica na Copa de 1990, e dirigiu a equipe nos Mundiais de 2002 e 2006. Agora, quer ser protagonista de mais um capítulo desta história.

“Nosso time segue com fome. Ainda não perdemos a ambição, e isso é muito importante. O que fizemos foi importante. Mas o que estamos por fazer poderia ter uma repercussão mundial. Nos encantaria que seguissem falando da Costa Rica como uma seleção sólida e forte. Para isso, precisamos de bons resultados”, afirmou Celso.

Adalberto Leister Filho, do Portal da Copa em Santos (SP)

Notícias Relacionadas

Antes do sufoco da classificação diante da Costa Rica, na última partida da Fonte Nova no Mundial, torcedores promoveram a segunda Orange Square
+
Tradição é a marca das quatro seleções que disputam a taça. Estádios continuam lotados, mas média de gols do torneio cai após as quartas de final
+
Tim Krul sabia da possibilidade de entrar para a disputa de pênaltis e elogiou a ousadia do comandante
+
Reserva holandês, Krul, pegou duas cobranças. Agora os atuais vice-campeões têm pela frente a Argentina de Messi
+