Substituição na praia de Copacabana: saem os argentinos, entram os chilenos

18/06/2014 - 10:32
Seguidores de “La Roja” tomam conta de região do Rio de Janeiro onde torcedores de Messi e companhia se concentraram no final de semana

Fotos: Giuliander Carpes/ Portal da Copa#

Os argentinos reinavam absolutos na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, até domingo (15.06). A partir do dia seguinte, os chilenos começaram a chegar. Antes do confronto de “La Roja” com a Espanha, no Maracanã, os seguidores de Valdivia e companhia já são maioria absoluta num dos lugares mais famosos do Brasil. Montam barracas, estacionam carros e trailers, dormem na areia.

O consulado do Chile estima que mais de 20 mil cidadãos do país estão no Rio de Janeiro – pelo menos cinco mil optaram por acampar numa fazenda de Itaboraí, a 50 quilômetros da capital. “Nós vamos ser maioria absoluta no Maracanã”, diz Cristian Salas, 30 anos, professor de Concepción, no sul do país. Ele veio num ônibus com 19 conterrâneos. Curiosamente, a maioria não tem ingresso para o jogo desta quarta-feira (18.06). “80% do pessoal do ônibus não tem bilhete. Vamos ver o que fazer para conseguir comprar".

Em carros de passeio, ônibus ou trailers, a grande maioria dos chilenos que foram ao Rio de Janeiro preferiu procurar um espaço para ficar em Copacabana. “Aqui é o melhor lugar para passarmos férias inesquecíveis”, afirma o químico Hugo Rojas, 35 anos, que estacionou seu trailer na beira do calçadão na Avenida Atlântica. “Há lugar para tomar banho, praia e fica relativamente perto do estádio. No dia do jogo, é só tomar um metrô”.

Os chilenos levaram de quatro a seis dias pra chegar ao Rio de Janeiro, dependendo de que região saíram ou se passaram antes por Cuiabá, onde a seleção venceu a Austrália por 3 x 1 na última sexta-feira (13.6). O trajeto dos Andes até o Brasil tem cerca de 4,5 mil quilômetros.

O motorista Maurício Rojas, 36 anos, fugiu do frio de Santiago e não se importa de não ter ingresso para o confronto. “Estamos com temperaturas de dois graus em casa, aqui está 30 graus e temos a praia em frente. Não tem comparação. Vale muito a pena ficar por aqui. O ambiente é incrível, há pessoas do mundo todo confraternizando e é uma experiência que vale muito a pena".

Os brasileiros têm manifestado solidariedade com os latinos-americanos que elegeram Copacabana como hospedagem durante esta Copa do Mundo, apesar do clima de festa tomar as 24 horas do dia. O aposentado Jaime Carreiro, de 81 anos, até presenteou uma família de chilenos com uma garrafa da bebida mais famosa do Brasil, a cachaça. “Esta é uma invasão maravilhosa. Moro aqui no Leme e não me importo. Estamos torcendo por eles também”, afirma Carreiro.

» Chilenos usam motor home para seguir “La Roja” pela Copa

» Às vésperas da estreia de Messi e companhia, torcida argentina toma conta de Copacabana

Giuliander Carpes, do Portal da Copa no Rio de Janeiro 

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+