Suíços e argentinos viajam pelo Brasil e assistem a partidas de outros países

01/07/2014 - 11:55
Torcedores narram experiências em várias cidades e demonstram satisfação com o tratamento e a organização da competição

A emoção é maior no jogo da própria seleção, mas na Copa vale qualquer partida. Na proposta de aproveitar o Mundial do Brasil, o suíço Patrick Sheck viu a goleada histórica da Holanda por 5 x 1 na Espanha, e sofreu dias depois com o massacre da Suíça pela França por 5 x 2 na mesma Arena Fonte Nova, em Salvador. Mas o que ele mais vai se lembrar é do passeio de barco na Amazônia, no calor de Manaus. Já o argentino Damián Gambacorta viu com gosto a Colômbia derrotar o vizinho Uruguai no Maracanã, fez um bate-e-volta para presenciar a classificação francesa em Brasília e, finalmente, chegou a São Paulo para presitigiar sua seleção. O que os dois têm em comum? A satisfação com a viagem, com o tratamento recebido e com a organização por todos os lados por onde passaram. Acompanhe os relatos:

Patrick Sheck - Suíça

Fotos: Carol Delmazo/ Portal da Copa#"Chegamos em Salvador no dia 10 de junho em um grupo de 40 pessoas. Nosso primeiro jogo foi Holanda e Espanha. Fomos tranquilamente ao estádio e o que mais chamou atenção foi o tamanho: nós suíços não estamos acostumados a estádios tão grandes, fiquei impressionado com a arena e com a sinalização lá dentro, não tivemos problemas. Achei interessante o comportamento dos brasileiros no estádio: em alguns momentos torciam para a Espanha, depois para a Holanda, mas sempre felizes, um clima muito bom. A saída também foi tranquila. Em Salvador visitamos somente a parte antiga, a igreja do Bonfim e o Pelourinho, claro.

Nossa base é lá. Sempre fomos e voltamos de Salvador. O jogo seguinte foi em Brasília, aí sim jogo da Suíça, contra o Equador. Não deu para ver nada da cidade, porque fomos do aeroporto para o estádio e de lá para o aeroporto. Outra vez sem problemas. Mas o estádio é magnífico: 70 mil pessoas? Demais.

O jogo da Suíça em Salvador contra França é para esquecer, mas eles foram o melhor time, mereceram. Depois fomos para Manaus ver a partida contra Honduras. Manaus é incrivelmente quente, mas foi muito interessante. Depois do jogo fizemos um passeio de barco e foi uma experiência super diferente e inesquecível. A volta que foi chata: nove horas para voltar a Salvador, com muitas escalas. Agora estamos aqui, já lamentando que vamos embora amanhã. Não porque não confiamos na Suíça,  eu realmente estou otimisita na partida contra a Argentina, mas porque temos que voltar ao trabalho”.

Damián Gambacorta - Argentina

"Chegamos no dia 27 de junho. Somos cinco de Buenos Aires, e viemos para Colômbia x Uruguai. No primeiro dia, passeamos por Copacabana e Ipanema. O Rio é bem aquilo que imaginávamos, muito linda a cidade. De noite, sem festas... Que cidade quieta! Não, é brincadeira. Aproveitamos muito. Os brasileiros são iguais a nós argentinos tirando o futebol. Adoram festejar e são amáveis.

O jogo foi fenomenal no dia seguinte. Na verdade, quando compramos, não sabíamos quem jogaria, e de verdade que esperávamos Inglaterra ou Itália. Mas foi muito bom ver a eliminação do Uruguai ao vivo. Adoramos o transporte púbico gratuito para o estádio, pegamos no centro, e fomos e voltamos sem nenhum problema.

#Damián (primeiro à esquerda) com os amigos de Buenos Aires

Ontem fui sozinho para Brasília. Avião sem atrasos e novamente fui para o estádio com o transporte oferecido pela organização. Perguntei no aeroporto e rapidinho já estava no ônibus, que me deixou a cinco quarteirões do estádio. Vi o jogo de França e Nigéria e voltei ao aeroporto logo depois. Tudo saiu perfeito. O Estádio Nacional é imponente, muito lindo, mas o Maracanã tem mística e gostei mais dele.

Reencontrei meus amigos no aeroporto de Campinas, pegamos um ônibus até Guarulhos, de lá pegamos um outro ônibus e depois fomos para o hotel de metrô. Foi cansativo, mas deu tudo certo. Viemos de metrô também para o estádio, já que nos informaram no aeroporto que essa seria a melhor forma.  Agora é esperar a Argentina ganhar. Ainda não fomos à Vila Madalena, deve ser nosso destino hoje à noite, para festejar”.

Carol Delmazo – Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Voluntários do governo federal aprovam experiência no Mundial; objetivo agora é aproveitar a vivência adquirida em novos projetos e na busca por oportunidades no mercado de trabalho
+
Aeroportos, segurança pública e atrativos turísticos têm mais de 80% de aprovação entre os profissionais de imprensa
+
Ao todo, 1,6 milhão de passageiros passaram pelos terminais entre 10/6 e 13/7. A cada 10 passageiros que desembarcaram no país, um passou pela capital
+