Tesouro Brasileiro: os museus da capital federal

03/07/2013 - 16:47
Série de reportagens retrata as atrações de destaques das 12 sedes da Copa do Mundo da FIFA 2014

As 12 sedes da Copa do Mundo da FIFA 2014 – Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Fortaleza (CE), Salvador (BA), Manaus (AM), São Paulo (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Natal (RN) e Cuiabá (MT) – concentram em torno de 23% dos museus brasileiros (737 de 3.220), entre públicos e privados. Se somados aos museus presentes no raio de 200km da capital, o número sobe para 32% (1.024 a mais). No Brasil, o órgão responsável por desenvolver e aplicar a Política Nacional de Museus, bem como pela melhoria dos serviços do setor, é o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) – autarquia vinculada ao Ministério da Cultura. Confira os que estão na capital federal, Brasília:

Panteão da Pátria

O Panteão da Pátria foi inaugurado em 07 de setembro de 1986, para homenagear os heróis nacionais que se dedicaram à defesa da nação, à integração nacional e aos ideais de liberdade e democracia. São homenageados os heróis: Tiradentes, Zumbi dos Palmares, D. Pedro I, Marechal Deodoro da Fonseca, Plácido de Castro, Almirante Tamandaré, Almirante Barroso, Duque de Caxias, Santos Dumont e José Bonifácio. (Centro Cultural Três Poderes, Zona Cívico Administrativa, Praça dos Três Poderes - 61 - 3325-6389; terça a domingo, 9h-18h; www.cultura.df.gov.br)

Espaço Lucio Costa

O Espaço Lucio Costa foi inaugurado em 27 de fevereiro de 1992 e idealizado pelo arquiteto Oscar Niemeyer com o objetivo de registrar a concepção modernista da Brasília, por meio de maquetes, do relatório do plano urbanístico de Brasília e de exibição de vídeos sobre a construção e consolidação da cidade. (Centro Cultural Três Poderes, Zona Cívico Administrativa, Praça dos Três Poderes - 61 - 3325-6163 / 3321-9843; terça a domingo, 9h-18h; www.cultura.df.gov.br)

Museu da Cidade

O Museu da Cidade foi inaugurado em 21 de abril de 1960 e projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer com objetivo de registrar a história da transferência da capital federal e a instalação do governo federal em Brasília. As paredes externas e internas do Museu contam o processo de interiorização do país e a redescoberta de um novo Brasil marcado pela euforia desenvolvimentista. (Centro Cultural Três Poderes, Zona Cívico Administrativa, Praça dos Três Poderes - 61 - 3325-6163 / 3321-9843; terça a domingo, 9h-18h; www.cultura.df.gov.br)

Memorial dos Povos Indígenas

O museu foi desenhado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e construído em 1987. Seu acervo, entre outras preciosidades, guarda a coleção de peças indígenas do ex-senador e antropólogo Darcy Ribeiro, adquiridas durante suas viagens à Amazônia e em outras expedições pelo país. Em 2007, Marcos Terena assumiu a direção do memorial dos Povos Indígenas. Era a primeira vez que um índio administrava o memorial. (Eixo Monumental Oeste, Praça do Buriti, em frente ao Memorial JK – 61 - 3342-1157 / 3344-1154 / 3342-1156; terça a sexta, 9h-17h; sábado e domingo, 10h-17h; www.cultura.df.gov.br)

Museu Vivo da Memória Candanga

Inaugurado em 1957, o Museu Vivo da Memória Candanga está localizado às margens da BR-040, próximo à cidade do Núcleo Bandeirante (antiga Cidade Livre) e ocupa as instalações do primeiro conjunto hospitalar de Brasília, o antigo Hospital Juscelino Kubitschek de Oliveira (HJKO). Construído em madeira, constitui, junto com o Catetinho, a maior representação da arquitetura da época da construção de Brasília. O museu foi tombado em 1985 e suas instalações foram restauradas e revitalizadas para atividades de caráter social, educacional, cultural, ocupacional e recreativo. Nas antigas casas dos funcionários, funcionam oficinas artísticas e, no antigo hospital, estão uma biblioteca e uma exposição permanente que ilustra a história de Brasília desde o início de sua construção até sua inauguração em 1960. (Via EPIA Sul, lote D, Conjunto HJKO, Núcleo Bandeirante – 61 - 33013590 / 33017584; segunda a sábado, 9h-17h; www.cultura.df.gov.br)

Centro Cultural do Banco do Brasil Brasília

No final da década de 1990, parte do prédio foi reformada para abrigar as instalações do CCBB Brasília, com o objetivo de inserir a capital do País no roteiro internacional dos grandes eventos e produções culturais. Com projeto paisagístico assinado por Alba Rabelo Cunha, o harmonioso conjunto arquitetônico de dois andares está pousado sobre pilotis e divide-se em módulos, cabendo ao CCBB parte do prédio principal. Inaugurado no dia 12 de outubro de 2000, o prédio do CCBB Brasília possui uma área construída de aproximadamente 20.551m2, além de uma área externa (jardins e estacionamento) com 23.940m2, com espaços diversos para diferentes atrações culturais, como música, teatro, cinema e exposições. (SCES, Trecho 02, lote 22 – 61 - 3108-7600; quarta a segunda, 9h-21h; www.bb.com.br/cultura)
 

Foto: Nelson Kon/Ibram#

Museu Nacional do Conjunto Cultural da República Honestino Guimarães

O Museu Nacional do Conjunto Cultural da República Honestino Guimarães foi inaugurado em 15 de dezembro de 2006. O Museu Nacional da República em conjunto com a Biblioteca Nacional João Herculino e o Teatro Nacional integram o Conjunto Cultural da República, idealizado por Lúcio Costa e previsto, desde 1957, no Relatório do Plano Piloto de Brasília. O Museu Nacional da República foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer com o objetivo de promover e revelar a cultura visual contemporânea e com a finalidade de abrigar manifestações culturais diversas, que contribuam para a pesquisa e a experimentação das diversas linguagens artísticas e culturais. (Setor Cultural Sul, Lote 02 - 61 - 3325-5220 / 3325-6410; terça a domingo, 9h-18h30; www.cultura.df.gov.br)

Memorial JK

O Memorial Juscelino Kubitschek (JK) foi inaugurado em 12 de setembro de 1981 e revela a ligação entre JK e Brasília, criador e sua obra, bem como a associação entre três visionários – JK, Niemeyer e Lucio Costa – representada pela aventura e o sonho da criação de uma cidade que projeta o futuro de desenvolvimento de um país. O Memorial JK foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, seu objetivo é representar a história, o acervo e os ideais democráticos do Presidente Juscelino Kubitschek. O Memorial e constituído pelo Mausoléu com restos mortais de JK; pelo Museu com peças e documentos que mostram as principais passagens da vida e da obra de JK; e pela Casa de cultura, com programação cultural diversa. Registre-se que sua sede está localizada no mesmo local em que, no dia 03 de maio de 1957, antes mesmo da transferência da Capital, foi celebrada a 1ª missa de Brasília. (Eixo Monumental, Lado Oeste, Praça do Cruzeiro - 61 - 3226-7860 / 3225-9451; terça a domingo, 9h-18h; www.memorialjk.com.br)

Foto: Philippe Torelly/Ibram#

Museu do Catetinho

O Museu do Catetinho foi inaugurado em 10 de novembro de 1956. O Museu tem o objetivo de preservar e divulgar o Palácio Presidencial, a primeira residência provisória de Juscelino Kubitschek e a primeira construção executada na nova capital, Brasília. A casa, projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer, é um exemplo da arquitetura dos anos 1950 e tem seu primeiro piso suspenso sobre pilotis. O Catetinho foi tombado em 1959. (BR 040, Km 0, Saída Sul, Park Way - 61 - 3338-8803; terça a domingo, 9h-16h30; www.cultura.df.gov.br)

Museu de Valores do Banco Central do Brasil

O dinheiro é uma importante forma de expressão da cultura de um povo e de representação de sua história econômica. Por essa razão, o Banco Central do Brasil criou o Museu de Valores, cujo acervo reúne e conserva cédulas, moedas, documentos, peças e curiosidades nacionais e internacionais, que exprimem valor monetário em seu contexto histórico. Composto de exposições permanentes e temporárias, o Museu de Valores desenvolve programas de integração com escolas, mantém serviços de atendimento a pesquisas na área de numismática e também promove exposições itinerantes. (SBS - Quadra 3,Bloco B, 1º Subsolo - Edifício Sede do Banco Central do Brasil,Asa Sul - 61 - 3414-2093; terça a sexta, 10h-18h; www.bcb.gov.br/?MUSEU)

Museu Nacional dos Correios

Inaugurado em 15 de janeiro de 1980, e reaberto em 25 de janeiro de 2012, o Museu proporciona aos visitantes experiências nas mais diversas formas de expressão artística. Seu acervo, com cerca de um milhão de peças, abrange os temas História Postal, História Telegráfica e Filatelia. O Museu Nacional dos Correios conta com cinco andares dedicados a exposições e um auditório preparado para apresentações musicais e teatrais e exibições cinematográficas. (SCS, Quadra 04, Edifício Apolo, 256, Asa Sul – 61 - 3213-5017; Terça a sexta, 10h-19h; sábado, domingo e feriado, 12h-18h; www.correios.com.br)

Fonte: IBRAM/MinC

Notícias Relacionadas

No período do Mundial, a capital federal recebeu 633 mil visitantes, sendo 488.903 brasileiros e 143.743 estrangeiros. Números superaram as estimativas iniciais
+
Estrangeiros e brasileiros de outras partes do país visitam marcos arquitetônicos da capital federal
+
Profissionais federais e distritais trabalharão juntos em evento que terá 19 chefes de Estado
+