Torcedores "profetizam" gol de Paulinho durante exibição pública de Brasil e Uruguai no Rio de Janeiro

26/06/2013 - 21:12
Terreirão do Samba ficou cheio e cariocas puderam acompanhar clássico sul-americano em telões

Foto: Danilo Borges/Portal da Copa#Paulinho celebra o segundo gol, previsto no Terreirão do SambaO clima era de ansiedade no Terreirão do Samba, local de exibição pública dos jogos da Copa das Confederações, no Rio de Janeiro. Não era para menos: Brasil e Uruguai empatavam por 1 x 1 pela semifinal do torneio. Foi quando aos 40 minutos do segundo tempo, Neymar ajeitou a bola para cobrar o escanteio. “Agora é gol”, disse Jorge Velloso, 65 anos, aposentado. “E vai ser do Paulinho”, completou o contador Wallace Miranda de 33 anos.

A torcida silencia, a bola viaja pela área uruguaia e o camisa 18 acerta uma cabeçada certeira. Os dois profetas, que nem se conheciam, mas assistiam ao jogo lado a lado, não acreditam no que veem. Eles se abraçam e pulam juntos para comemorar o 2 x 1. A explosão da torcida pôs para fora todo o temor de uma prorrogação que se avizinhava.

Jorge Velloso foi ao Terreirão do Samba acompanhado de dois amigos e da esposa. Viu toda a partida de pé, com a camisa da Seleção Brasileira que usa desde a estreia da equipe na Copa das Confederações. “Só vou lavar depois da final”, disse ao término da vitória do Brasil nesta quarta-feira (26.06).

O alívio dos brasileiros após os 90 minutos mostra como o jogo contra o Uruguai foi emocionante, digno de um clássico deste porte. Logo no início, o susto com o pênalti sofrido pelo zagueiro Diego Lugano. O artilheiro Forlán se preparou para a cobrança. Neste momento, Jorge se colocou de costas para o telão, voltando-se para vibrar com a torcida após a defesa de Julio Cesar. “Na final da Copa de 1994 eu não vi nenhuma das cobranças, é muita emoção, não dou conta”, lembrou.

Aposta da vovó tricolor

O lance mostrou que o duelo não iria ser tão fácil como imaginavam os mais otimistas. O comerciante Carlos Félix, 45 anos, e a tia aposentada, Maria de Lourdes da Silva, 71 anos, mais conhecida como “Vovó Tricolor”, costumam assistir aos jogos do Brasil fantasiados. Eles apostavam em 3 x 0.

José Rodrigues, 54, figurinista, e Dimas Leal, 56, produtor de arte, apostavam em 2 x 0 antes do apito inicial. No entanto Dimas previu um jogo duro. “Hoje vai ser mais difícil, mas se passar, contra a Espanha vamos dar uma aula de futebol a eles”.

O Terreirão do Samba também tinha um “quase profeta”. Jefferson Januário, 33, é técnico em TI e disse antes do jogo: “Estou apostando em 3 x 1, gols de Fred, Paulinho e Neymar”. Quando o camisa 10 foi substituído por Felipão, ele lamentou não poder mais acertar o palpite.

Analistas táticos

No local, também tinha torcedor metido a analista tático. Durante o intervalo, quando o Brasil foi com a vantagem de 1 x 0 para o vestiário, o comerciante Fabiano de Almeida, 28 anos, via o perigo dos contra-ataques do Uruguai. “Eles estão fechados e têm uma defesa boa. Eles se seguram para sair rápido e mandar as bolas para o Fórlan e o Suárez. O Brasil tem que apostar na jogada pela esquerda”. Para ele, o destaque do jogo até o momento era Julio Cesar. O goleiro seria eleito o melhor em campo pela FIFA.

Na volta para a etapa complementar, gol de Cavani aos dois minutos. “Deu a bola no pé do cara, chutava para frente”, reclamou Wallace Miranda, o mesmo que previu o gol de Paulinho. Daí em diante, muita tensão entre os torcedores. No final a explosão pelos 2 x 1 e o alívio. O Brasil estará na final, no Maracanã, no dia 30 de junho, e os cariocas terão a chance de ver a Seleção Brasileira.

“Pode vir a Espanha, nós vamos ganhar com certeza. O Felipão é um líder e tem história. Quando você tem isso, os jogadores seguem o treinador”, disse o vendedor Julio César, 31 anos. “E anota aí, vamos ganhar dos espanhóis por 2 x 1”, completou o xará do goleiro. Será mais um profeta do Terreirão do Samba?

Exibição Pública - Rio de Janeiro - Brasil 2 x 1 Uruguai - 26/06

Exibição Pública - Rio de Janeiro - Brasil x Uruguai

Leia também:

» Brasil faz 2 x 1 sobre o Uruguai e se classifica para a final da Copa das Confederações

» Treze, o número de Zagallo que deu uma "mãozinha" a Felipão

» Para Tabárez, vitória poderia ter sido de qualquer um lados

» Mistura de futebol e forró marca exibição pública do jogo no Pelourinho

» Júlio César é eleito o melhor jogador em campo

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+