Torcedores uruguaios invadem a Arena das Dunas e relembram 1950

24/06/2014 - 12:09
Celeste terá um grande apoio vindo das arquibancadas, mas italianos também farão a festa

Fotos: Paulo Victor Correia/ Portal da Copa#

Se depender da empolgação da torcida, o Uruguai sairá vencedor do confronto contra a Itália nesta terça-feira (24.06), a partir das 13h, na Arena das Dunas, em Natal. Tanto dentro quanto fora do estádio, a presença é superior por parte da torcida Celeste, que trouxe a Natal lembranças da Copa do Mundo de 1950, quando o Uruguai bateu o Brasil por 2 x 1 no Maracanã. O gol decisivo foi de Ghiggia. O jogo ficou conhecido como “Maracanazo”.

E foi justamente um Ghiggia que apareceu na Arena das Dunas. Acompanhado de Obdulio, capitão daquele time em 1950, dois uruguaios vieram fantasiados. O Ghiggia é Rubén Andrés, que participa do primeiro jogo nesta Copa do Mundo no Brasil. “É divino estar aqui, muito emocionante mesmo. O Brasil significa muito para nós uruguaios, como aquela final do Mundial de 1950 no Maracanã. Então vimos, eu e meu amigo, vestidos de jogadores daquele ano”, explicou.
Natal foi a primeira cidade visitada por ele, e a avaliação foi boa. “Foi tudo bem quanto a transporte e alimentação. Está tudo impecável, a organização está muito boa. Está sendo a melhor experiência da minha vida participar dessa Copa”, disse ainda Rubén. Além dele, no lado de fora da arena, torcedores uruguaios passavam com a faixa ‘Fica tranquilo Obdulio 1950’ e pousaram para fotos. Já dentro, 10 deles carregavam uma letra cada na camisa para formar ‘Maracanazo’.

Do outro lado da Celeste está a Itália, cuja torcida, mesmo em menor número, também está empolgada. Francesco Botazzi parte para o segundo jogo no Mundial. Antes ele havia assistido com dois amigos a partida entre a Azzurra e a Costa Rica, em Recife. “Lá em Pernambuco achei bom. A viagem foi longa, de ônibus e metrô até o estádio, mas fluiu tudo muito bem e tranquilo. Aqui em Natal foi mais simples porque ficamos perto do estádio e não pegamos muito trânsito. Viemos de táxi”, afirmou. Após esse, Botazzi irá acompanhar os jogos da sua seleção pela TV, já que não conseguiu mais ingressos.

Um dos seus amigos é Simone Guidelli, que está morando em Criciúma (SC). Alegre em ver sua equipe atuar no Brasil, ele também diz estar adorando participar da Copa. “A minha avaliação geral foi muito boa. Estive em Recife para Itália x Costa Rica também e a organização foi muito boa. Aqui em Natal também achei a organização boa. Acho que o espetáculo vai ser muito legal”, afirmou.

Por conta dos noticiários de grande parte da imprensa internacional sobre a Copa do Mundo, Simone se surpreendeu com o que viu. “Achava que estariam muito críticas as cidades, mas estou vendo que o ambiente está muito bom”. Por conta do trabalho, o jogo contra o Uruguai será o último dele na Copa deste ano, mas o italiano disse que não quer parar por aí. “Está sendo uma grande experiência, não sei descrever. Quero ir a uma Copa do Mundo de novo. Sei que a próxima é na Rússia, vou tentar ir porque é uma experiência única”, finalizou.

#Da esquerda para a direita: Simone é o segundo e Francesco é o terceiro

Paulo Victor Correia, do Portal da Copa em Natal (RN)

Notícias Relacionadas

Estádio de Natal é o nono dos utilizados durante a Copa a obter o selo
+
O artilheiro do Mundial com seis gols ainda alcançou a terceira posição com o tento anotado contra o Japão, em enquete promovida pela FIFA
+
A atuação de Messi na final da Copa do Mundo não agradou os torcedores, mas craque foi aplaudido quando apareceu no telão após a derrota para a Alemanha
+
Torcedores das duas equipes elogiam clima de festa que permeou a Copa do Mundo no Brasil
+