A Copa dos grandes lances do Rei do futebol

Primeira Copa transmitida em cores para todo o mundo pela televisão, o Mundial de 1970 foi marcado por lances plásticos e geniais, protagonizados, principalmente, pela seleção brasileira de craques como Pelé, Tostão, Rivelino, Jairzinho e Gérson. Desde os primeiros jogos até a final, o escrete canarinho encantou o mundo e arrebanhou a torcida dos anfitriões mexicanos, extasiados com o futebol ofensivo apresentado pelo time comandado por Zagallo.

O México recebia a Copa do Mundo pela primeira vez e a maior preocupação dos atletas era quanto ao calor intenso, já que os jogos teriam de se adequar à televisão europeia, o que resultava em partidas marcadas para horários escaldantes. As novidades foram as duas substituições por equipe e cartões vermelhos e amarelos para melhor visualização das advertências dadas pelos árbitros aos jogadores.

Outro destaque do torneio foi o atacante alemão Gerd Müller, artilheiro com impressionantes dez gols. Ele marcou um na virada sobre o Marrocos, fez três contra a Bulgária e repetiu a conta diante do Peru. Nas quartas de final, marcou, na prorrogação, o gol que eliminou a Inglaterra. O jogo foi um dos muitos que entraram para a mitologia alemã de nunca se entregar em campo. Os germânicos perdiam por 2 x 0 a pouco mais de vinte minutos do fim do jogo. Franz Beckenbauer e Uwe Seeler, no entanto, empataram e levaram a partida para a prorrogação. A ironia foi que, antes de Müller decretar a vitória alemã, o árbitro anulou um gol do inglês Geoff Hurst, justamente o autor de um polêmico gol contra a Alemanha Ocidental na decisão da Copa de 1966. E os alemães tinham Müller, que marcou e garantiu a primeira vitória dos alemães sobre a Inglaterra em uma partida oficial.

Outro jogo que entrou para a história foi a semifinal entre Itália e Alemanha. A partida terminou empatado em 1 x 1, após Karl-Heinz Schnellinger marcar no último minuto do tempo regulamentar e levar os alemães a disputarem mais uma prorrogação. No tempo extra, o maior número de gols marcados na prorrogação em toda a história das Copas: foram cinco, dois deles de Gerd Müller. Os italianos, no entanto, marcaram três, e se garantiram na final. Para os alemães ficou eternizada a imagem do capitão Franz Beckenbauer, que deslocou o ombro e mesmo assim continuou jogando com uma atadura.

Genialidade em campo

Mesmo tendo sofrido com a violência dos adversários em 1966, Pelé chegou a ser questionado por causa do fiasco da seleção brasileira na Inglaterra. Por isso, o Rei cogitou não jogar a Copa de 1970. Mas acabou cedendo e virou o alicerce de um time que, para muitos, ainda hoje seria difícil de ser batido.

A vitória por 4 x 1 sobre a Itália na final deu ao Brasil o direito de levar a Taça Jules Rimet para casa em definitivo. Para delírio dos mexicanos e assombro de espectadores do mundo inteiro, que viram a reluzente camisa amarela se transformar em ícone eterno da magia do futebol, Pelé compilou uma verdadeira antologia de jogadas incríveis em sua perfeita despedida das competições internacionais.

São inúmeros os exemplos de genialidade dados pelo camisa 10: a cabeçada perfeita, no canto direito do gol da Inglaterra, que selou a glória eterna do goleiro Gordon Banks, naquela que é considerada a maior defesa de todos os tempos; o chute dado de trás da linha do meio-de-campo diante da Tchecoslováquia, para desespero do arqueiro adversário, que viu a bola sair por pouco; o magistral drible sem tocar na bola sobre o goleiro uruguaio Mazurkiewicz, na jogada que só não terminou em gol para se tornar ainda mais mítica; e os quatro tentos marcados por Edson Arantes do Nascimento, um deles na final contra a Itália. 

Mas seria injusto atribuir somente a Pelé o encanto criado em campos mexicanos. O time formado por Félix; Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza e Everaldo; Gérson e Clodoaldo; Pelé, Jairzinho, Tostão e Rivelino ficou para sempre na memória de qualquer amante de futebol. O último gol marcado pelo Brasil na Copa de 1970, o quarto diante da Itália na decisão, mostra bem a beleza daquela seleção. O lance teve a participação de sete jogadores e culminou em um passe milimétrico de Pelé para o capitão Carlos Alberto Torres mandar às redes. Ao todo, foram seis vitórias em seis jogos, com 19 gols marcados, sete deles de Jairzinho, que entrou para a história por ter marcado em todos os jogos da Copa.

Fonte dos dados: Fifa.com

Mais sobre a Copa de 1970 no Portal da Copa:

» Gérson: “Se tivéssemos o preparo físico atual, os melhores de hoje não levariam nem o material sujo de nosso treino”

» Entrevista em vídeo: Rivellino lembra curiosidades da equipe tricampeã em 1970 e conta detalhes dos Mundiais de 1974 e 1978

» Entrevista em vídeo: Pelé explica o surgimento da mística da camisa 10, recorda histórias inusitadas da parceria invicta com Garrincha e lista seus principais marcadores

» Entrevista em vídeo: Carlos Alberto Torres conta bastidores do convívio com os craques de 1970

» Entrevista em vídeo: Jairzinho - memórias e histórias do Furacão da Copa de 1970